Amantes do bom Jornalismo terão que, a partir de agora, desembolsar alguns caraminguás para ter acesso ao conteúdo daquele que é considerado o jornal de maior credibilidade no mundo. O New York Times anunciou nessa quinta-feira um modelo de cobrança por conteúdo que engloba os mais variados dispositivos.

Usuários terão direito a acessar 20 páginas do site nytimes.com — o site de jornal mais acessado do mundo — por mês, com exclusão de capas de editorias e a página inicial do site. Já no 21º acesso, o jornal vai convidar o internauta a escolher uma assinatura mensal.

A mais simples, no valor de 15 dólares, dá direito ao acesso irrestrito a todo o conteúdo do site, bem como das notícias por meio do app para smartphone. Com 20 dólares, a assinatura prevê acesso ao site e app para tablet. Já o pacote mais completo dará direito a ler o Times no navegador, no smartphone, no tablet e também em um aplicativo especial para Windows.

Quem é assinante do jornal de papel terá direito a tudo isso, sem desembolsar nada a mais pelo privilégio.

A empresa por trás do New York Times informou ainda que os leitores que chegarem ao nytimes.com por meio de links em resultados de busca, blogs, outros sites, e por aí vai, também terão acesso livre àquele conteúdo específico que foi linkado. “Para alguns buscadores, usuários terão um limite diário” de consumo de artigos, esclarece o jornal, sem dizer quais buscadores terão esse tratamento diferenciado.

O Times é só mais um jornal que decide cobrar de verdade pelo seu conteúdo, a fim de financiar sua manutenção. Se é sustentável ou não, só descobriremos daqui a algum tempo. Ainda não sei se eu estaria disposto a pagar 25 reais por mês para ler um jornal apenas na web e no meu smartphone.

A cobrança por conteúdo começa a valer a partir de agora para leitores do Canadá. Em 28 de março será aberto o cadastro de usuários de outros cantos, inclusive Estados Unidos. O New York Times também vai oferecer assinatura por meio da App Store.

Atualização em 18.03.2011 às 11h00 | Recomendo a leitura dos breves comentários feitos pelo jornalista Tiago Dória, que já escreveu como convidado aqui no TB, acerca da nova cobrança anunciada pelo New York Times.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Caio Furtado
Não vejo problema em cobrar por conteúdo de qualidade.
Leon
A grande maioria das pessoas não pagaria por uma parada dessas, da pra ver daqui a queda de acessos da parada haahahahaha....
Rafael The Mist
Acho legal cobrarem (mas não tanto) por um conteúdo de melhor qualidade. As notícias para internet aqui do Brasil estão de lascar.
@brunogdb
Acho legal eles cobrarem, mas o valor é muito absurdo, que se eu fosse americano, ou morasse lá, compraria o jornal em papel que seria bem mais barato do que isso. Agora, no Brasil isso já ocorre e eu uma época tive que usar conta da UOL para ler um jornal, isso quando usava discada (se comparar o RJ todo, minha rua foi uma das últimas em recebimento de provedores de banda larga ¬¬)
Alexandre
mais dia menos dia isso ai acontecer... o conteudo da Folha de Sao Paulo nao eh livre, tem que ter conta uol. mas eh beemmm mais barato que pagar soh pelo conteudo do ny times
Mike Metralha
Como disse anteriormente, o Twitter é uma fonte de notícias mais interessante que qualquer portal de notícias. Se tu souber filtrar, as notícias podem ser confiáveis, em tempo real e, o mais importante, imparciais. Por exemplo o G1, portal de notícias da Globo: Depois do episódio da bolinha de papel na cabeça do Serra, deixei de considera-lo como sério (e não sou petista, que fique claro). Porque eu pagaria por um serviço que me faz acreditar no que querem que eu acredite? É o que penso acontecer nas grandes corporações. Acho que há fontes de notícias de melhor qualidade que são gratuitas.
Ramon Melo
Como brasileiro, sem dúvida nenhuma, a assinatura é um mau negócio. Mas, se fosse americano, o acesso irrestrito ao conteúdo em formato digital seria um diferencial significativo para assinar a versão impressa. É estranho porque, com o tempo cada vez mais curto, passei a dar atenção a certos detalhes que, antes, passavam-me despercebidos. O TB, por exemplo, passou a ser o blog que mais acesso, assim como o FB passou a ser a rede social que mais frequento e o GMail, o cliente que mais utilizo, pelo mesmo motivo. A praticidade é tão grande que já me sinto inclinado a pagar só pela comodidade.
@brunogdb
Só porque comecei com leitura intensa no site deles '-'
Gabr1990
Com certeza, melhor custo benefício que as news da internet não há.
Mike Metralha
Falou pouco, mas falou bonito. Disse tudo! Dificilmente eu pagaria por uma informação que eu teria de graça, só pq é NYT?! Tô fora... Prefiro o twitter!
@buchecha
Se eles me oferecerem 20 vezes mais conteúdo, conteúdo 20 vezes mais exclusivo e 20 vezes melhor tratado para a web, eu até arriscaria. Desse jeito, apenas replicando o jornal na internet, não. Enfim, não é apenas o modelo comercial que vai salvar o NYT e os jornais. É também a maneira de fazer jornalismo que tem que mudar. Boa sorte pra eles.