Início » Celular » Facebook compra Snaptu para marcar presença em mais aparelhos

Facebook compra Snaptu para marcar presença em mais aparelhos

Rede social está interessada nos acessos provenientes de dumb phones.

Por
8 anos e meio atrás

Domingo foi um dia de negócios intensos para uma empresa lá de Israel. A Snaptu, que desenvolve uma plataforma para aplicativos de serviços populares na web, como o Twitter, foi comprada por ninguém menos que o Facebook. O valor do negócio não foi revelado: há quem diga que foi na casa dos 40 milhões de dólares, enquanto outros observadores acreditam na hipótese de 70 milhões. Nada confirmado.

Lembro dos meus tempos de tuitagem moleque, de várzea, quando ainda usava o Nokia E71 em uma

Snaptu cria interface agradável para Facebook (imagem: reprodução/snaptu.com)

famigerada rede 3G no Rio de Janeiro. Não havia um aplicativo para microblog decente, então sempre recorria ao Snaptu. O curioso é que o aplicativo acaba se mostrando mais como um navegador pré-ajustado para ler o código do Twitter de forma diferenciada, tornando-o mais agradável no aparelho.

E é bem isso o que o Snaptu faz. A empresa por trás da plataforma afirma que seus serviços estão acessíveis em mais de 2.500 feature phones. Ou seja, aqueles celulares com alguns recursos a mais, como a conectividade por meio do HSDPA, mas que estão longe de ser um Motorola Defy ou um N900.

“Nós teremos atualizações no Snaptu em breve, e vamos trabalhar intensamente para oferecer um aplicativo de Facebook mais rico e mais avançado em virtualmente qualquer celular.” — Afirmou a Snaptu em um comunicado publicado em seu blog corporativo.

O trabalho desenvolvido atualmente pelo Snaptu se coaduna com os interesses do Facebook. Embora esteja presente com bons aplicativos no iOS, no Android e no BlackBerry, a empresa ainda precisa marcar seu território em todos os demais aparelhos que não têm uma grande e poderosa plataforma por trás. Para tanto, pretendem usar toda a expertise do Snaptu ao longo dos anos. Nada mais justo.

Com informações: TechCrunch.

Mais sobre: , ,