Início » Legislação » Twitter: a próxima vítima do governo americano?

Twitter: a próxima vítima do governo americano?

Avatar Por
8 anos e meio atrás

Foi com certa surpresa que, na semana passada, eu escrevi por aqui que a Federal Trade Commission dos Estados Unidos (FTC) havia iniciado uma grande investigação das práticas comerciais do Google. O próprio buscador confirmou a informação.

Pois bem, parece que a mesma comissão está de olho em outro serviço web importantíssimo para muita gente. Dica: o símbolo máximo de seu fracasso é uma baleia e ele limita os usuários a escreverem apenas 140 caracteres por vez.

Leia mais | Google está sob investigação do governo americano

De acordo com o Business Insider, o faro dos investigadores da FTC aponta para práticas danosas do Twitter para com seus concorrentes e até mesmo parceiros. Nenhuma das duas organizações confirma a informação, entretanto.

Tweetie: virou cliente oficial do Twitter para Mac

Estreando seu novo layout, ainda no ano passado, o Twitter adicionou informações externas ao seu banco de dados na timeline dos usuários. Dava para ver imagens do TwitPic, por exemplo. Agora a empresa quer acabar com isso — tanto que vem testando o upload de fotos direto para seus servidores com o iOS 5.

Para o mercado, essa “absorção” de uma funcionalidade secundária, oferecida também por um provedor de serviço secundário, pelo site principal pode ser considerada prejudicial para a concorrência (e para a inovação, claro).

Outra prática curiosa do Twitter é comprar aplicativos desenvolvidos por terceiros. O Tweetie deu origem ao cliente oficial do microblog para Mac, por exemplo. Há algumas semanas, a companhia foi de novo às compras, dessa vez para absorver o TweetDeck, um cliente baseado em Adobe Air com presença em diversas plataformas — reza a lenda que ele vai virar o cliente oficial do para Windows.

É inegável de que há indícios de concorrência predatória do Twitter. Vamos ver o que a FTC tem a dizer isso. Aliás, primeiro temos que esperar a confirmação de que essa história é verdadeira.