Início » Jogos » Coreia do Sul proíbe adolescentes de jogar videogame durante a madrugada

Coreia do Sul proíbe adolescentes de jogar videogame durante a madrugada

Menores de 16 anos têm que ficar longe dos jogos de meia-noite às 6 da matina.

Avatar Por

Num país de poucas preocupações e com a melhor internet banda larga do mundo, legisladores decidiram que é hora de instaurar o toque de recolher para jogos eletrônicos. É isso mesmo, a Coreia do Sul determinou nessa semana que os adolescentes menores de 16 anos sejam impedidos de jogar games a partir da meia-noite. A restrição vai até as 6 horas da manhã.

A Lei da Cinderela, como vem sendo chamada, foi proposta pelo Ministério de Igualdade e Família. Algumas agências reportam que pais começaram a bombardear o site do Ministério com reclamações acerca da publicação, em especial porque ela violaria os direitos individuais do jovens. E sabe como adolescente é: vai arrumar algum jeito de burlar a determinação do governo.

Até parece uma criancinha feliz, mas Bill Gates não vai enfrentar o bloqueio quando estiver na Coreia

De qualquer forma, a Sony já aderiu à ideia. Seguindo as ordens locais, iniciou o bloqueio de acesso à PSN para quem tem menos de 16 anos. Para eles é muito fácil impor a restrição porque a PSN requer que o usuário informe nome e data de nascimento no momento do cadastro. O detalhe é que já tem jovem usando os dados dos pais para criar conta de PSN e aproveitar a jogatina, não importando o horário.

Por sua vez, a Microsoft está com mais dificuldade para efetuar o toque de recolher eletrônico. Na Xbox LIVE não é necessário informar a data de nascimento para fazer o cadastro, então a MS não tem como saber quem está se logando nos servidores para aproveitar títulos como Halo CE Anniversary, lançado na semana passada com direito a um novo modo multiplayer.

As empresas têm dois meses para se adaptarem à nova legislação. A Microsoft estudar adotar o cadastro com data de nascimento ou simplesmente bloquear o acesso aos servidores da LIVE durante o período de meia-noite às seis do dia seguinte.

A restrição também vale para jogos de celular e de computador. Basicamente, qualquer tipo de game fica proibido durante o horário. Só que fica mais difícil ainda fiscalizar e obrigado que um jovem de 14 anos desligue o seu nostálgico N64 herdado do pai em determinado horário.

Lá na Coreia do Sul estima-se que 8% da população com idade entre 9 e 39 anos apresente sintomas de vício em internet. Algo totalmente aceitável quando se tem a melhor conexão do mundo.

Com informações: O Globo, Estadão Link, Joystiq e Gamasutra.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

camarada589
Só digo uma coisa!Vocês preferem seus filhos jogando video game de noite,ou na rua, usando drogas,roubando e fazendo outras idiotices?A rapaziada só sabe jugar os video games...mas eles pelo menos,evitam que muitos jovens caiam no caminho das drogas...
Guilherme Macedo C.
Bagunça de prostituição e drogas? Na Holanda? Holanda é muito organizada, tem uma economia forte e socialmente é melhor ainda. IDH e o índice GINI da Holanda é pra deixar qualquer um com vontade de morar lá ou querer que seu país fique assim.
@TatoGomes
Você tá de sacanagem em citar a Holanda aí... Eu prefiro MIL vezes morar no Brasil do que naquela bagunça de prostituição e drogas que é a Holanda.
Lucas Meneses
Curioso para saber como a Microsoft vai resolver isso.
Renan Mendonça
Acredito que seja apenas um apelido para a lei, e não o nome em si. Mas de fato, a proposta da lei é ridícula...
Yangm
Pela primeira vez na vida terei que concordar com o iColega.
Bruno Cabral
O tal do passo maior que a perna... No Brasil ta cheio disso, leis pra punir, sem que haja como punir!!!
Ramon Melo
Aqui também é! Só que antes vem as drogas, a violência, a corrupção, o abandono da saúde e educação...
Guilherme Macedo C.
É por aí mesmo. Até pq na Coreia do Sul o vício por games é questão de economia e de saúde pública. A coisa por lá passa da normalidade e o Estado não pode ficar omisso.
Guilherme Macedo C.
Vinicius, ainda prefiro o modelo Sueco. Saúde e educação gratuita e universal e um Estado forte, intervencionista, nas questões sociais pra ninguém "ficar pra trás" :P Ah! Mas olhem esse vídeo sobre a Coreia do Sul: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM366718-7823-EXEMPLO+DE+INVESTIMENTO+EM+EDUCACAO+NA+COREIA+DO+SUL,00.html
xtago
sempre teremos o campo minato
Ronaldo Gogoni
Note que a lei não diz respeito somente a jogos online, mas a todos os jogos. A dificuldade seria policiar os jogos offline.
Marcelo
Eu concordo em fazer isso no Brasil também!
Sérgio Felipe
é que vocês não viram no flickr
Ramon Melo
Vocês não entendem isso porque estão acostumados com o Brasil. Por aqui, a juventude tem tantos problemas que atacar os videogames soa simplesmente ridículo, mas nos países desenvolvidos (em termos de IDH, não de renda), as discussões atingem um nível completamente diferente porque todos os problemas básicos do estado de bem-estar social já foram resolvidos e sobra muito tempo para lidar com assuntos que nós consideraríamos supérfluos. Na Coreia, o problema é com os videogames na madrugada. Na Suécia, o problema é com os pobres gatinhos que são abandonados nas ruas. Na Alemanha, quanto de espaço o quarto de um prostíbulo deve ter para ser isento de impostos. Na Holanda, em que espaços o turismo sexual deve estar alocado de forma a não comprometer a urbanização da cidade. E assim caminha a humanidade...
Exibir mais comentários