Início » Legislação » Megaupload é desativado depois de operação do FBI

Megaupload é desativado depois de operação do FBI

Site foi fechado por acusações de pirataria e lavagem de dinheiro.

Por
7 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O Megaupload.com, um dos dos maiores sites de compartilhamento de arquivos do mundo, saiu do ar hoje depois que o FBI indiciou seus funcionários por pirataria. As informações são da agência de notícias Associated Press, que diz que a agência de investigação americana prendeu o fundador e vários funcionários do site nessa quinta-feira no estado de Virgínia, nos EUA.

A agência ainda diz que o indiciamento dos funcionários aconteceu depois que detentores de direitos autorais acusaram a empresa de mais de 500 milhões de dólares em danos devido a pirataria de filmes. Os detentores dos direitos autorais não foram especificados, mas por citarem filmes, acho que você já pode ter uma ideia de quem se trata.

Essa não é a primeira vez que o Megaupload tem problemas com os detentores de direitos autorais. No mês passado o site chegou a ameaçar o estúdio Universal Music Group com um processo depois que uma propaganda do site foi tirada do ar.

O WallStreetJournal afirma que nos EUA sete funcionários foram presos e ainda afirma que outros quatro também acabaram atrás das grades na Nova Zelândia e um foi indiciado na Austrália. O documento também chama o site de “uma organização criminosa que tem membros atuando em infração de direitos autorais e lavagem de dinheiro em uma escala massiva”.

Quando questionados sobre o desligamento do site, o Megaupload disse à Associated Press que “o fato é que a grande maioria do tráfego do Megaupload é legítimo”, completando que “se a indústria de conteúdo quer tirar vantagem da nossa popularidade, estaremos felizes em dialogar”. Foi só comigo ou isso soou bastante arrogante?

Apesar do desligamento do site ocorrer um dia depois do protesto contra a proposta de lei americana SOPA, não há indícios de que ela seja a causa da desativação.

Com informações: AP.

Mais sobre: ,