Ícones da primeira era da computação pessoal, Bill Gates e Steve Jobs passaram décadas vendendo suas ideias e inovações a bilhões de consumidores ao redor de todo o mundo, que durante este tempo alimentaram a ilusão de que havia uma rivalidade pouco saudável entre os dois CEOs-superstars.

Mas durante uma entrevista à rede de TV ABC na semana passada, Gates afirmou que, para lamento dos fanboys e alegria do resto da humanidade, sempre teve uma “amizade muito próxima” com o fundador e guru da empresa da maçã.

Steve Jobs e Bill Gates em 1984 | Getty Images

“Nós dois sempre gostamos de conversar um com o outro. Ele sempre dizia coisas estimulantes e interessantes (…) Nós conversávamos sobre outras empresas que estavam surgindo. Nós também falávamos sobre nossas famílias e como éramos afortunados por termos casados com nossas esposas. Sempre eram grandes conversas relaxantes”, disse Gates à emissora de televisão.

“Claro, éramos competidores, mas isso é sempre algo positivo”, disse Gates, desta vez ao jornal britânico Telegraph, em uma entrevista também na semana passada. Depois de falar de seus famosos projetos de filantropia, o fundador da MS se voltou ao antigo colega.

“Sempre que nos encontrávamos em um evento, não podia ser mais agradável. Nós passamos muito tempo juntos no ano passado. Ficamos horas falando a respeito do futuro”, disse.

Quando o destino do amigo parecia ser inevitável, Gates disse que escreveu uma carta ao colega, mas lembra que “não haviam pazes a serem feitas. Não estávamos em guerra”, afirmou.

Segundo Gates, quando a biografia de Jobs estava prestes a chegar às lojas, a viúva Laurene Jobs o telefonou: “Olhe, o livro realmente não mostra o tamanho do respeito mútuo que vocês nutriam. Ele realmente gostou da carta que você mandou e a manteve ao lado da cama até seu último momento”, disse a primeira dama da Apple. O conteúdo da carta, claro, não foi revelado.

Com informações: CNET News

Comentários

Envie uma pergunta