A operadora alemã Deutsche Telekom bateu o recorde de maior velocidade de transferência de dados em um único filamento de cabo de fibra ótica ao atingir 512 Gbps em um teste feito entre seus laboratórios. O êxito aconteceu durante um experimento com um sistema chamado Osiris, sigla em inglês para Optically Supported UP Router Interfaces, ou alguma coisa como Roteador UP com Interface Suportada Oticamente, em uma tradução livre para o português.

Os 512 Gbps – ou meio terabit por segundo – foram conseguidos durante um teste “feito em condições reais” entre as cidades de Berlin e Hannover, distantes por 367 km. Um pacote de dados trafegou na velocidade recorde tanto na ida quanto na volta da viagem, que no percurso do cabo de fibra ótica resultou em um passeio de 734 km.

Essa fibras ópticas são só pra decoração

Como os cabos de fibra ótica são formado por não um, mas vários filamentos com a espessura de um fio de cabelo, essa velocidade pode ser ainda maior. No caso do modelo usado pela Deutsche Telekom, com 48 filamentos, a velocidade total da conexão com a nova tecnologia pode atingir impressionantes 24,6 Tbps.

Apenas como forma de comparação, o recorde anterior, de 186 Gbps, foi batido em 15 de dezembro de 2011 por duas universidades americanas, que superaram a marca anterior de 119 Gbps registrada em 2009 na Europa. O número conquistado pela DT foi 2,75 vezes maior.

Aos interessados, ainda não existe qualquer prazo para que a super-conexão criada pelos laboratórios da Deustche Telekom esteja disponível no mercado – nenhuma empresa fabricante de roteadores ou equipamentos terminais demonstrou interesse, ainda, em implementar a tecnologia.

Com informações: GigaOM. Imagem so licença CC do usuário Gonzo Tapia no Flickr.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Glaydson A. Moraes
Não só na região Norte cara, na região sudeste também basta ir as regiões metropolitanas... a oi por exemplo não resolve vários problemas para adentrar nas regiões metropolitanas em MG, não deixa a GVT entrar nem a NET... As internets disponíveis aqui em Esmeraldas por exemplo são via rádio com um custo de R$ 100 mensais, pasmem. Essas empresas ganham licitações mas não cumprem com as obrigações de implantação de infraestrutura.
@marciocoresp
Posso dizer que as maiores de SP nao trabalham com tecnologia nessa casa de transferência. Deve chegar em algo perto de 148GB/s. O que ocorre é quando um link entra em gargalho normalmente se expande esse link utilizando o recurso de port-channel. Se não é criado um novo link com novas rotas e balanceamento de carga.
Thássius Veloso
Assunto encerrado.
Thássius Veloso
Leandro, de nossa parte a discussão está encerrada. Como eu disse, há outros locais mais apropriados para tal. A internet é livre e qualquer um pode criar site, blog ou artigo em fórum para discutir esse assunto no nível de detalhes que preferir. A decisão do Tecnoblog está tomada.
Yangm
E mais uma vez o dia foi salvo pelo Rafa.
C. Emanuel Laguna Jr
Só para voltar ao assunto do presente post: o press release oficial da Deutsche Telekom utiliza a notação internacional… Este meu presente comentário está de acordo com as regras do Tecnoblog e pode ser liberado? ;-)
C. Emanuel Laguna Jr
@Rafacst O problema é o leitor leigo no assunto tomar tal notação errada como certa… Me lembro que o jornalismo, não importa se tecnológico, tem a função de repassar as informações corretas. ;¬) Por mais que o blog não tenha a função jornalística por si só, poderia repassar a informação correta e não precisar jogar na cara do leitor que pode ou não apagar os comentários discordantes. :-|
LeandroPerini
Thássius Veloso Deixa a discussão rolar, qual o problema? A ideia do blog não é permitir que outros participem e comente suas idéias?? O blog será mal falado por mim em apoio ao colega Laguna. Afinal blog bom é blog livre de restrições aos que tem conhecimento a compartilhar e/ou assuntos e bons argumentos a discutir. I DISAPPROVED IT
Rafael Silva
Emanuel, O que o Thas quis dizer e que você parece se recusar a entender é: escolhemos que vamos adotar a forma Gbps no lugar de Gb/s e não há nada que você possa fazer para mudar essa decisão. Isso é o que chamamos de escolha editorial. E por isso encarecidamente ele pediu que você deixe de comentar sobre esse ponto específico, trazendo de volta uma discussão que não vai levar a lugar nenhum. Ele fez um pedido e depois falou que, se você tentar levantar novamente a questão, esses comentários específicos podem ou não ser apagados, como já diz a nossa política de comentários. Não disse mais nada além disso. E só por um pedido encarecido de melhores discussões, já de cara você levanta a bandeira da censura? Por favor, troca o disco.
C. Emanuel Laguna Jr
@Thassius Isso é uma ameaça de censura prévia, meu caro? :shock: Pensei que o leitor aqui pudesse discordar do conteúdo de qualquer post desde que com bons argumentos… :-( Interessante o quanto o gosto pessoal pela notação errada parece procurar todos os meios para desqualificar e calar a quem mostra a notação correta: tudo isso para não dar o braço a torcer… Essa atitude não é nada ética, rapaz. Bom, o blog é seu, né? :-|
Thássius Veloso
Exato. Inclusive, gostaria de solicitar ao leitor C. Emanuel Laguna Jr que por favor pare de comentar sobre a questão do "Gbps" e "Gb/s". A nossa escolha editorial está tomada e não cabe continuar discutindo sobre isso nos comentários. Por sinal, a nossa Política de Comentários nos dá liberdade para apagar esse tipo de coisa. Há outras instâncias, como blogs pessoais e reuniões de físicos, cientistas etc. nas quais o assunto pode ser mais bem aproveitado.
Yangm
Eles querem escrever assim, já disseram porque querem escrever assim, o blog é deles, etc. Será que os tecnoloucos vão ter que desenhar isso?
Ramon Melo
Sim, existem discos e sistemas operacionais que não suportam essa velocidade toda. Mas, nesse caso, o objetivo não é distribuir essa velocidade para os consumidores finais e sim melhorar o aproveitamento da infraestrutura das companhias telefônicas. Por uma única fibra ótica, passam os dados de vários clientes.
Ramon Melo
O Emanuel está certo, é um detalhe ridiculamente fácil de ser corrigido e não existe nenhum motivo plausível para o TB continuar escrevendo errado.
Ramon Melo
7º período de Engenharia de Computação e Informação aqui, nunca vi essa notação "bps" em nenhum artigo, nenhum livro e nenhum documento oficial. Foram poucas as vezes que vi professores escrevendo assim em apresentações ou durante as aulas, mas, ao contrário do Tecnoblog, eles pediram desculpas pelo engano e se corrigiram.
Exibir mais comentários