Início » Web » Grooveshark tem acordo rompido com a gravadora EMI

Grooveshark tem acordo rompido com a gravadora EMI

Por
6 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A sobrevivência do Grooveshark está cada vez mais ameaçada. A EMI, uma das poucas gravadoras que ainda mantinha contrato com o serviço, acabou de romper o acordo. Com isso, o site de streaming de músicas perde o apoio da única das quatro grandes gravadoras do mundo; Sony, Universal e Warner estão processando o Grooveshark por quebra de direitos autorais.

A EMI, responsável por músicas de bandas como Coldplay e The Beatles, possuía um acordo comercial onde artistas e empresários receberiam os royalties dos direitos autorais das canções. Até o momento, o Grooveshark alega ter pago US$ 2,6 milhões à EMI, mas ainda reclama porque “as taxas cobradas por streaming são insustentáveis”. A gravadora, por sua vez, diz não ter recebido grande parte do dinheiro que lhe pertence. A única solução foi cancelar o contrato.

Pode ter o mesmo fim do Megaupload.

A legalidade do Grooveshark é bem questionável. Apesar de estar no ar desde 2007 e ganhar dinheiro oferecendo planos pagos para ouvir músicas sem interrupções, qualquer um pode enviar arquivos para os servidores e denúncias da Universal Music sugerem que os próprios funcionários do Grooveshark enviaram mais de 100 mil músicas piratas. O CEO Samuel Tarantino teria colaborado com 1,7 mil delas.

O Grooveshark já foi retirado do ar na Alemanha. Do jeito que as coisas estão, não é impossível a história se repetir em outros países ou até mundialmente. Se isso acontecer, a única maneira de ouvir músicas legalmente a um custo baixo será assinando um serviço como Spotify ou Rdio — o último está disponível no Brasil e é bom, pelo que testei.

Com informações: CNET.

Mais sobre: , ,