Início » Computador » Intel admite superaquecimento nos processadores Ivy Bridge

Intel admite superaquecimento nos processadores Ivy Bridge

Temperatura é até 20ºC maior do que Sandy Bridge equivalente.

Paulo Higa Por

A Intel lançou há uma semana a nova linha de processadores Ivy Bridge, com fabricação em 22 nanômetros, maior performance em processamento bruto, maior desempenho gráfico e maior capacidade de overclock. Aparentemente, a temperatura também ficou maior nos processadores Core de terceira geração.

As primeiras informações sobre o possível superaquecimento vieram de overclockers, que aumentaram a frequência dos novos processadores para compará-los com os chips de segunda geração. O Core i7-3770K e o Core i7-2600K foram elevados a 4,9 GHz. O Ivy Bridge esquentou bem mais: quebrou a barreira dos 100ºC, enquanto que o Sandy Bridge atingiu apenas 80ºC.

Processadores Intel Core de terceira geração são fabricados em processo de 22 nm.

Felizmente, os chips são equipados com a tecnologia Thermal Throttling, que diminui os clocks automaticamente para forçar a diminuição de temperatura e evitar danos. No Core i7-2600K, o mecanismo entra em ação a 100ºC; no modelo mais novo esse valor é de 105ºC. O recurso está presente desde o Pentium 4 e evita que a máquina vire uma torradeira caso o cooler pare de funcionar repentinamente.

Ainda que a diferença no consumo de energia não seja tão alarmante, o sistema com Ivy Bridge também precisou de mais potência para funcionar: 236W, contra 231W da Devassa. A tensão do 3770K precisou ser elevada em 34%, contra apenas 12% do 2600K. Vale lembrar que, mesmo não sendo o preferido dos overclockers, o Core i7-3770K atingiu 6961 MHz com refrigeração por nitrogênio líquido.

Pasta térmica entre dissipador integrado e die.

De acordo com a Intel, “os usuários poderão notar maiores temperaturas de operação ao fazer overclock” e não há muito o que temer. Isso estava previsto no desenvolvimento do Ivy Bridge e as temperaturas atendem aos requisitos de qualidade e confiabilidade dos processadores. O Overclockers desmontou o Ivy Bridge e descobriu que a fabricante de Santa Clara começou a utilizar pasta térmica entre o die e o dissipador de calor integrado. Na geração anterior, havia solda.

Com informações: The Inquirer.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Cassio Luis Riboli
por mais que fica 20% nenos em consumo de energia comparado ao sandy bridge a temperatura ainda é quente
Mindukis
Paulo Higa, conclusão... essa nova tecnologia Ivy Bridge e o aquecimento no processador é normal? O processador é bom? Ja ouvi comentarios que esta pasta termica colocada no processador não é boa... sera? Ja vi pessoas trocando ela.... Fico no aguardo!!
termio
eu sempre pensei que pasta térmica era pra por no exterior do processador e não dentro dele
Paulo Higa
Tem razão. Palavra removida para não causar confusão. ;-)
@WdeSA
Tecnoblog tá precisando de um botão ThumbsDown nos comentários.. Não tá mais dando pra aguentar esse povo que não lê a matéria direito e vem falar asneiras.
Higo
Na minha opinião, a frase "Na geração anterior, havia apenas solda." leva a crer q a solda tem uma eficiência menor do que a pasta térmica, devido à palavra "apenas".
Paulo Higa
Em nenhum momento o texto diz que a pasta térmica é melhor que a soldagem. Apenas diz que a geração anterior utilizava apenas soldagem para dissipar o calor. Questão de interpretação.
gui
Cara, vcs entenderam tudo errado...sinceramente, vcs n cansam de escrever coisa errada nao? a SOLDAGEM, é muito melhor que a pasta térmica. O processador está esquentando exatamente por isso, nao está passando o calor corretamente. Parabens por mais uma vez passarem informação incorreta pros seus leitores.
Caio Alexandre
A ventoinha aí não vai ativar nem o modo avião a 105ºC, vai ativar o modo supersônico.
@rbicalho
Eu tenho por regra não comprar os processadores quando a Intel efetua apenas o encolhimento no processo Tick-Tock deles. Nesse caso, estamos no Tick, que significa fazer o mesmo, mas menor. No Tock, teremos os mesmos 22nm, mas com uma nova microarquitetura chamada Haswell. Quem puder esperar, fique com uma CPU do próximo ano, ou compre uma Sandy Bridge barata assim que as Ivy Bridge chegarem em volume.
Patrik
Sim, os maiores ganhos foram na GPU. Para desktop de jogos esse ganho é irrelevante, mas para processadores de portáteis como você citou o ganho realmente é bem vindo. Pelo que entendi até 45nm tinha bons ganhos com overclock, menos que isso cada vez menos, e com 22nm a coisa vai complicando mais ainda, mesmo com processador top.
Rennan Alves
Acredito que não seja por conta da mesma arquitetura, mas sim pela agregação de outros recursos no menor espaço proposto. A nova GPU, como mostra no link que você citou, aumentou de tamanho e ainda teve o clock reduzido em relação ao SandyBridge, além da adição de mais transistores no processador. Tudo isso para que o processador gaste no máximo 17 watts, requisito para ser usado nos Ultrabook's. Além disso, a Intel está limitando o overclock da linha de baixo custo do IvyBridge, antigamente processadores de baixo custo conseguiam praticamente o mesmo desempenho quando se utilizava overclock. Ou seja, quem quiser fazer overclock's altos, terá que desembolsar um bom dinheiro para comprar um processador "topo de linha" para tal.
@thitatagiba
Adorei o trocadilho do devassa...
Patrik
Não me lembro de ter lido que a Intel prometeu maior capacidade de overclock. Com o processo de 22nm o overclock fica mais difícil. Qualquer aumento do clock implica em um aumento de consumo e dissipação maior que da geração anterior. O aumento da tensão também é limitado. http://www.hardware.com.br/tutoriais/entendendo-ivy-bridge/overclock.html Portanto para quem gosta de overclock é melhor não comprar o Ivy agora. O maior desempenho em processamento bruto é limitado porque a arquitetura é a mesma. A vantagem mesmo é o maior desempenho gráfico, mas isso para quem não usa placa de vídeo, o que não faz muito sentido com um processador caro. Para quem gosta de overclock por enquanto está fora de questão.
@tiagoluz8
Aquela quantidade ali eu coloco em cima do processador, onde a superfície é bem maior do que o die. Acho q exageraram mesmo, metade do que tem ali já era suficiente.
Exibir mais comentários