Arquivo Aplicativos e Software

Google explica como reduzirá consumo de RAM do Chrome

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Fazer upgrade de RAM está barato hoje em dia: com pouco mais de R$ 100 é possível comprar 8 GB de memória DDR3 em lojas confiáveis. Mas isso não significa que os aplicativos devam usar recursos de hardware descontroladamente ou que os desenvolvedores possam esquecer usuários com menos condições financeiras. O Chrome consome muita RAM, mas o Google está trabalhando para mudar isso.

Uma das características que faz o Chrome consumir mais memória é a abertura de processos para cada aba. Isso não deve mudar tão cedo; ela impede que um plugin instável trave todo o navegador, ao menos na teoria. Mas, no caso das extensões, há uma solução: como elas estão em boa parte do tempo inativas, não há necessidade de ficarem consumindo memória o tempo todo.

Google Chrome de hoje: um monte de extensões consumindo RAM, mesmo quando não estão sendo usadas.

O Event Pages permitirá que os desenvolvedores reduzam o consumo de memória de extensões inativas. Em vez de as extensões estarem em execução o tempo todo, elas rodarão apenas instruções específicas em plano de fundo. Quando inativas, as extensões serão liberadas da memória e carregadas apenas quando necessário.

O Google pretende liberar a novidade para todos os usuários do Chrome até setembro, mas o Event Pages já está disponível no canal de desevolvedores. Infelizmente será necessário que os desenvolvedores modifiquem suas extensões, então pode ser que você demore para sentir alguma mudança. A documentação da nova API está disponível neste link.

Com informações: Chromium Blog.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque