Arquivo Aplicativos e Software

Linux não será mais compatível com processadores 386

Primeiro processador 386 da Intel foi lançado em 1985

Paulo Graveheart
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Um dos maiores atrativos do Linux é justamente sua compatibilidade com hardware antigo, podendo ser executado em máquinas que já não são suportadas há anos por outros sistemas operacionais. Mas até onde vale a pena manter compatibilidade com componentes ultrapassados e ter que esquentar a cabeça com ajustes diversos a cada alteração no código? Foi pensando nisso que Linus Torvalds removeu do kernel Linux o suporte a processadores Intel 386, que possuem quase… 30 anos de idade.

Esse processador é mais velho que muitos dos nossos leitores…

O primeiro processador 386 da Intel foi apresentado ao mundo em 1985, e incrivelmente continuou sendo produzido até 2007. Esse tempo de vida extra desse pequeno dinossauro se deve ao uso em sistemas embarcados e até mesmo celulares, mas ele provavelmente não era usado em desktops ou netbooks desde o começo do ano 2000. E eu estou sendo generoso aqui: meu primeiro computador tinha um processador Pentium 100 MMX e já era considerado velhinho em 1997.

Os motivos para remoção são um tanto quanto óbvios, e Linus Torvalds ainda ressalta que isso remove também muito da complexidade que atingia o desenvolvimento do kernel Linux por anos a fio. E, mesmo que por algum motivo bizarro você ainda mantenha uma máquina com quase 30 anos em uso, pode ficar tranquilo: o suporte aos processadores 386 só deixa de existir para as próximas versões do kernel. Assim, você só precisa continuar usando a sua carroça sem fazer nenhuma atualização até que a natureza faça sua parte e o equipamento morra de vez.

Com informações: geek.com.

Paulo Graveheart

Ex-redator

Paulo Henrique "Graveheart" é formado em Ciências da Computação e fez parte da equipe do Tecnoblog entre 2010 e 2014, como redator. Participou da cobertura de lançamentos no mundo do desenvolvimento de software, PCs, mobile e games. Também tem experiência profissional como desenvolvedor full-stack e technical lead.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque