Arquivo Aplicativos e Software

Microsoft responde ao movimento "IE6 deve morrer"

Rafael Silva
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

A campanha começou no mês passado, com um post no blog do digg que, entre outras coisas, anunciava os resultados de uma pesquisa feita com usuários do site que ainda rodavam o IE 6. A partir daí, o movimento “IE 6 Must Die” (IE 6 Deve Morrer, em tradução livre) tomou conta da web, no Twitter, Facebook e em diversos blogs. Sites de altíssimo tráfego como o YouTube e Orkut publicaram avisos enormes visíveis somente para usuários do IE 6 dizendo que o suporte para esse navegador seria descontinuado e oferecendo novas opções. Mais de 70 outros sites também se uniram para criar um movimento mais puritano e que não envolve mortes, chamado IE6 No More (IE6 Não Mais) tornando pública sua intenção de fazer o mesmo que o YouTube e Orkut.

ie6more

More IE6! More!

Até agora a Microsoft não havia se manifestado. Foi por isso que Dean Hachamovitch, gerente geral da equipe de desenvolvimento do Internet Explorer, decidiu responder publicamente ao movimento. Em um post no IEBlog da rede MSDN, Dean oferece um “ponto de vista de um engenheiro”. Ele argumenta não em defesa do ultrapassado navegador, mas sim do profissional de TI que está com as mãos atadas em relação à atualização de certos programas dentro de empresas. Também diz que, apesar da Microsoft e dos usuários finais serem a favor da atualização para o browser mais novo, nem sempre o usuário final do PC é o responsável ou dono do computador. Muitos deles pertencem à organizações que não podem ou não tem dinheiro o suficiente para fazer a transição, que inclui instalação, treinamento e manutenção.

Dean também deixou claro que, para a Microsft, “parar de oferecer suporte para o Internet Explorer 6 não é uma opção”. “Muitas pessoas esperam que o que eles receberam com seu sistema operacional, continue funcionando”, conclui. Mas nós sabemos que nem sempre esse é o caso quando se trata de Windows e Microsoft. Tela azul da morte, alguém? [Mashable]

Rafael Silva

Rafael Silva tem 27 anos, estudou Tecnologia de Redes de Computadores e mora em São Paulo. Tem uma queda pela Apple na área de dispositivos móveis, mas sempre usou Windows em todos os seus notebooks e desktops. Vez ou outra fala alguma coisa interessante no Twitter: @rafacst. [Envie um email]

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque