Arquivo Antivírus e Segurança

Adobe libera atualização do Flash após ataques contra usuários do Windows e OS X

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

A Adobe liberou ontem uma atualização emergencial para corrigir duas falhas de segurança no plugin do Flash. As vulnerabilidades estavam sendo usadas para instalar malwares em máquinas com Windows e OS X. Não há relatos de que as brechas também estivessem sendo exploradas no Android e no Linux, mas uma nova versão também foi disponibilizada para essas plataformas. A recomendação é atualizar o plugin imediatamente.

No Windows, o usuário poderia ser infectado caso abrisse um documento do Word contendo um arquivo malicioso em Flash. A falha foi descoberta por pesquisadores da Kaspersky Lab. A partir do Office 2010, há um modo protegido que pode evitar a infecção por meio de documentos com conteúdo perigoso, mas nada impede que o usuário permita a execução. No futuro, o próprio Flash perguntará se a pessoa deseja visualizar o arquivo caso esteja usando uma versão antiga do Office.

flash-adobe

Quem usa Safari ou Firefox no OS X também é afetado. Se o usuário acessar uma página contendo um arquivo em Flash criado especificamente para atacar Macs, o plugin pode travar e permitir que um hacker controle a máquina de maneira remota. Para evitar que a praga se espalhasse, a Apple bloqueou as versões antigas do Flash.

Se você ainda não recebeu uma notificação para atualizar o plugin do Flash, é recomendável fazer o download da nova versão no site da Adobe. Os usuários do Chrome e do Internet Explorer 10 não precisam se preocupar; o Flash está integrado ao navegador e é atualizado automaticamente.

Com informações: Ars Technica, Naked Security.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque