Arquivo Negócios

Bump, aquele aplicativo legal para compartilhar arquivos, foi comprado pelo Google

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Você deve conhecer o Bump. Trata-se de um aplicativo muito bacana para iPhone e Android que compartilha dados de maneira bastante prática: sem precisar configurar nada, bata seu smartphone contra o do seu colega para enviar um arquivo (sim, é só isso). A partir de hoje, a empresa não é mais independente: em um post publicado no blog oficial, o CEO anunciou que o Bump foi comprado pelo Google.

A mágica do Bump funciona por meio de uma combinação entre os aplicativos instalados nos aparelhos e um algoritmo nos servidores do Bump. Ao bater um smartphone contra o outro, o aplicativo envia para a nuvem dados como o horário e a localização geográfica dos aparelhos. O algoritmo, então, combina esses dados e garante que o arquivo seja direcionado para o smartphone correto.

Também é possível enviar arquivos do celular para o computador e vice-versa: com o aplicativo sendo executado no aparelho, acesse o site do Bump, selecione o que deseja enviar e bata o smartphone contra a barra de espaço do seu teclado.

O CEO e cofundador do Bump, David Lieb, afirma que os funcionários estão “emocionados em se juntar ao Google” e declara que o Bump continuará funcionando da mesma maneira que hoje, então os aplicativos não serão descontinuados, ao menos “por enquanto”. Meus poderes de prever o futuro apontam que talvez a funcionalidade do Bump apareça nativamente em alguma versão futura do Android.

Google e Bump não divulgaram oficialmente o valor da transação, mas uma fonte diz ao AllThingsD que a empresa valia pelo menos US$ 30 milhões.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque