Baixas da Nintendo fazem presidente reduzir próprio salário pela metade

Renata Persicheto
Por

Não há esperança e fidelidade que neguem a verdade: a Nintendo vai mal das pernas. Apesar de ser a responsável por várias das franquias mais bem-sucedidas no mundo dos jogos, a companhia, após alguns passos em falso, hoje se obriga a tomar medidas drásticas para manter-se no mercado. Uma delas é redução de custos, e do próprio presidente.

Não se trata de demissão, no entanto. De acordo com um anúncio publicado na semana passada, Satoru Iwata cortará seu próprio pagamento mensal pela metade em decorrência da crise no último ano fiscal da Nintendo, encerrado em dezembro de 2013. Iwata divulgou que seu novo salário perdurará por ao menos cinco meses, conforme o resultado da análise das finanças no próximo mês de junho.

iwata

O prejuízo sofrido pela empresa somou US$ 15 milhões, entre abril e dezembro de 2013, e o corte nos gastos deverá afetar a todos, inclusive diretores como Shigeru Miyamoto e Genyo Takeda, que devem sofrer diminuições de 30% em seus salários.

Após várias declarações e recusas para se “render” a outros tipos de mercado, a companhia anunciou recentemente que irá entrar no mundo mobile, lançando apps. Outro passo de emergência da empresa envolve um investimento em um foco que já se mostrou rentável para a própria: o da qualidade de vida, abordado em plataformas como o Wii Fit.

Apesar do crescimento recente do mercado do Nintendo 3DS, o último carro-chefe da empresa, foi o Wii U que não atingiu a expectativa de vendas (que foi reduzida de 9 para 2,8 milhões) e causou, junto da baixa venda de jogos, o grande buraco no bolso da companhia de Iwata.

Entretanto, não é a primeira vez em que isso ocorre. Ao lançar o 3DS, as vendas também não foram suficientes e Iwata também cortou seu salário pela metade. Felizmente, o portátil se manteve vivo no mercado, colhendo, hoje, três anos após seu lançamento, os louros do sucesso. O Wii U foi lançado ao final de 2012, então ainda podemos ter esperanças de que sobreviva.

Relacionados

Relacionados