Arquivo Jogos

Financie isso: A Lenda do Herói, uma aventura épica com narração “interativa”

Giovana Penatti
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

lendadoheroi

Você já deve ter trombado com alguma produção de Matheus e Marcos Castro pela internet. Os irmãos ficaram bem conhecidos especialmente por conta do vídeo A Lenda do Herói, no qual narram, cantando, uma fase de um jogo 2D cheio dos clichês dos games dos anos 90.

O sucesso foi tão grande que eles fizeram músicas para outras duas fases, versões em inglês e, agora, atendendo a pedidos, querem lançar o jogo baseado nos vídeos. E a proposta é bem interessante.

O jogo contará a jornada de um herói que precisa enfrentar todo tipo de perigos – de hostis criaturas gigantes e coloridas a plataformas flutuantes e abismos sem fim – para salvar sua princesa.

É basicamente a jornada do herói em forma de videogame, como já vimos em trocentos títulos antes, mas a história talvez não seja seu principal atrativo, apesar da dupla prometer que “uma trama surpreendente” surge no decorrer do jogo.

O grande diferencial de A Lenda do Herói é a trilha sonora, composta pelos irmãos Castro. Assim como nos vídeos que deram origem ao jogo, eles irão tocar e cantar sobre o caminho do personagem principal.

Ao contrário dos jogos clássicos nos quais se inspira, será possível aprender novas habilidades e voltar no mapa para fases anteriores, aproveitando-as para descobrir segredos, além de puzzles, itens extras e novas áreas para destravar. E a letra da música irá acompanhar todas essas mudanças, de modo que a trilha sonora não seja exatamente igual para todos os jogadores.

A Lenda do Herói está sendo desenvolvido pela Dumativa, um estúdio de criação que trabalha em diversas frentes, entre elas o desenvolvimento de jogos personalizados e advergames. O jogo contará com oito fases e terá versões para PC, Linux e Mac.

O projeto precisa de R$ 125 mil para deslanchar e, em um dia, já passou os R$ 26 mil. A campanha fica no ar até o dia 20 de setembro e, a partir das contribuições de R$ 10, já há recompensas. Para ganhar uma cópia do jogo, é preciso investir pelo menos R$ 20.

Por que é legal? Porque tem aquele ar nostálgico que a gente adora, mas com novas mecânicas e um belo toque de humor.

Por que é inovador? O principal é a trilha sonora “interativa”, que descreve o que você faz no jogo.

Por que é vanguarda? Pelo mesmo motivo acima: é quase um musical em forma de videogame, no qual o narrador canta e vai alterando o discurso conforme você evolui, da maneira que preferir, na história.

Vale o investimento? Sim! Primeiro, porque R$ 20 em um jogo independente é um valor bem justo. E, segundo, porque sempre queremos apoiar as produções nacionais e ver cada vez mais jogos bacanas feitos por aqui.

Giovana Penatti

Ex-editora

Giovana Penatti é jornalista formada pela Unesp e foi editora no Tecnoblog entre 2013 e 2014. Escreveu sobre inovação, produtos, crowdfunding e cobriu eventos nacionais e internacionais. Em 2009, foi vencedora do prêmio Rumos do Jornalismo Cultural, do Itaú. É especialista em marketing de conteúdo e comunicação corporativa.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque