Arquivo Aplicativos e Software

Seis meses depois, Lollipop chega a quase 10% dos Androids

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

lollipop

O Lollipop foi a primeira mudança drástica no Android desde o Ice Cream Sandwich. Seis meses depois, ele finalmente começou a engrenar: pelas estatísticas mais recentes do Google, as versões 5.0 e 5.1 estão rodando em 9,7% dos dispositivos Android. Isso ainda não é muito, mas o avanço em relação ao mês passado foi notável: em abril, o pirulito havia entrado em apenas 5,4%. Mente poluída.

Entre as versões mais usadas do Android, o 4.4 KitKat está na liderança, com 39,8%. O Jelly Bean chega em segundo lugar: com as três versões (4.1, 4.2 e 4.3), ele está presente em 39,2% dos dispositivos. 6% ainda rodam o Android 2.2 Froyo e 2.3 Gingerbread (e provavelmente continuarão rodando até que seus donos troquem o aparelho).

lollipop-market-share

A nova versão do Android chegou aos Nexus em novembro, mas outras fabricantes demoraram para liberar a atualização. A Motorola, que costuma ser rápida, só lançou o Android 5.0 para todos os proprietários do Moto Maxx no Brasil em março. Em certos smartphones, como o Moto X de 1ª geração, a empresa decidiu pular o 5.0 e liberar apenas o 5.1.

Boa parte desses atrasos provavelmente se deve ao problema de memory leak do Lollipop, que fazia os aplicativos e o sistema operacional consumirem uma quantidade anormalmente alta de RAM, prejudicando bastante o desempenho do sistema. Usuários de aparelhos mais básicos, com 1 GB de RAM, foram os que mais sentiram a falha: apps eram repentinamente fechados e o launcher recarregava constantemente.

Você já recebeu a atualização?

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque