Arquivo Legislação

Projeto de lei quer punir defacement de sites com prisão de até um ano

Paulo Higa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Você certamente já viu algum site vandalizado — um dos casos mais recentes é o da TIM, que veiculou em agosto uma mensagem de protesto em sua página inicial. O defacement é bastante utilizado por grupos de hackers e ativistas para obter reconhecimento. E deve se tornar crime em breve, caso o Congresso aprove um projeto de lei que pune mudanças não autorizadas em conteúdo de sites.

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira (13) uma proposta que torna crime “invadir dispositivo informático, sem a devida autorização, modificando conteúdo de sítio da internet”. A pena prevista para quem desfigurar uma página é detenção de três meses a um ano e multa.

tim-invasao

Pela lei 12.737/2012, mais conhecido como Lei Dieckmann, já é proibido “invadir sistemas informáticos”, mas o artigo 154-A do Código Penal restringe o crime apenas nos casos em que houver obtenção de “vantagem ilícita”, o que normalmente não se aplica a um defacement.

A proposta aprovada pelo CCTCI é um substitutivo ao projeto de lei 3.357/2015, de autoria do deputado Vicentinho Júnior (PR-TO), e reúne outros três projetos. Na justificativa do projeto, ele afirma que “pode estar por trás desses ataques a intenção de atacar a honra de outrem, ou, também, o simples fato de reconhecimento pessoal, demonstrando para a comunidade hacker que o sujeito é capaz de invadir determinados dispositivos informáticos”.

Só uma amostra

Só uma amostra

Ainda segundo o deputado, a frase “sem a devida autorização” na definição tem o objetivo de evitar a criminalização de empresas de segurança, que fazem testes de vulnerabilidades nos sites com autorização expressa dos responsáveis. A intenção do projeto seria punir ataques “utilizados com finalidade política ou ativista, com a intenção de degradar ou desmoralizar por meio da internet informações transmitidas por outras companhias ou instituições privadas ou públicas”.

Agora que o texto foi aprovado pelo CCTCI, ele deve passar pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), para depois ser analisado no Plenário.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque