Jovem de 17 anos vai para a cadeia acusado de praticar bullying no Facebook

Thássius Veloso
Por

Quem assistiu ao filme A Rede Social sabe muito como foi o começo do Facebook: um Mark Zuckerberg criou, junto com amigos, um sistema no qual os internautas votavam na beleza das moças conhecidas. Algo terrível, mas que se repetiu nos Estados Unidos recentemente. Um adolescente de 17 anos está preso, acusado de promover bullying na rede social mais usada no mundo.

Sem ter seu nome revelado, sabemos que o sujeito passou uma lista entre os estudantes do colégio. Os convocados atribuíam notas paras as meninas, de zero a dez para a beleza facial, além de notas de zero a cinco para atributos corporais. Lógico que essa história, ocorrida em janeiro, mas que só veio a público agora, não acabaria bem.

Seguindo a lógica de uma bolsa de valores, esse estudante ainda informava se a avaliação das meninas estava em alta ou em baixa. Os apelidos para as moças? Baixarias do tipo “A Maravilhosa Bissexual” ou “Nova Raina”. Uma vez que a votação estava encerrada, foi tudo parar no Facebook, para vergonha total das 50 meninas agredidas pela listagem.

O bullying pode ser citado porque aspectos como a cor da pele, etnia e orientação sexual não deixavam de ser citados nos textos, que circulou livremente na rede social.

 

Facemash: Mark Zuckerberg criou site de "avaliação" de garotas antes de lançar o Facebook (imagem: reprodução)

A polícia da cidade de Oak Hill, no Illinois, está investigando o caso. Por enquanto o jovem é acusado de conduta desordeira, e deverá se defender diante de uma corte juvenil. Com sorte, novas evidências permitirão imputar novas acusações a esse sujeito.

Pode até ser que Mark Zuckerberg não tenha sido punido pelas suas atitudes universitárias — com exceção de levar um gelo das meninas que foram vítimas da sua votação eletrônica —, mas os tempos são outros. Esse tipo de comportamento não pode mais ser aceito, seja em escolas primárias, ginásios, universidades ou qualquer outro local de convício em sociedade.

Com informações: Scribbal.

Relacionados

Relacionados