Financie isso: Chroma Squad, novo game dos brasileiros da Behold Studios

Giovana Penatti
Por

chromasquad

Há uma infinidade de estúdios independentes de games que buscam financiamento via crowdfunding, tanto que eles ficam em uma categoria própria no Kickstarter e no Indiegogo. E, como a gente sabe, o Brasil tem um monte de estúdios que produzem games excelentes, reconhecidos internacionalmente. Logo, faz sentido que, entre os muitos projetos, surjam alguns brasileiros. É aí que aparece a Behold com seu novo game, Chroma Squad.

Talvez você já tenha ouvido falar da Behold: ela ficou muito conhecida após o sucesso de Knights Of Pen And Paper, um jogo que simula um RPG de mesa e foi extremamente elogiado pela mídia especializada.

Em Chroma Squad, você precisará administrar uma produtora independente de TV, formada por ex-dublês de Sentai – tipo Power Rangers ou Changeman – , que começa a fazer programas do gênero. Além de contratar atores, definir seus figurinos e o papel de cada um nas séries, será preciso comprar equipamentos para gravar, prestar atenção nas opiniões dos fãs e, claro, gravar os episódios e brigar com a concorrência no modo multiplayer.

O legal é que, em tudo isso, o jogador tem um papel bem ativo. Por exemplo, na hora de gravar, dá para “programar” os movimentos dos personagens e criar episódios e temporadas completas. Com tantas possibilidades, suas ações vão, aos poucos, moldando a continuidade do jogo e o fim dele pode ser totalmente diferente para outra pessoa. Ou seja, cada vez que você jogar, será uma experiência nova.

O jogo será multi-plataforma, disponível para PC, Mac, Linux, Android e iOS e, quem sabe, também chegue ao OUYA, PS4 e Xbox One. E, como os caras da Behold estão na faixa dos 20-30 anos e encheram o game de referências ao universo nerd e pop, espere encontrar várias lembranças da sua infância enquanto joga! O próprio visual do game e a trilha sonora devem lembrar seus primeiros jogos.

Até agora, o financiamento tem sido muito bem-sucedido: em 10 dias de campanha, já arrecadou quase US$ 52,5 mil na hora da publicação desse post, bem perto do objetivo de US$ 55 mil. Como ele muito provavelmente vai receber mais do que isso, foram criados mais dois objetivos para estimular a galera a continuar financiando. Se for atingido, o primeiro, de US$ 80 mil, irá incluir a possibilidade de jogar como um “herói solitário” em uma campanha single player; o outro, de US$ 110 mil, permitirá criar os roteiros dos episódios, inclusive com falas e animações próprios, e compartilhar online.

São objetivos ousados, mas nada impossíveis, ainda mais com as cotas de baixo custo, que estimulam mais gente a contribuir: a partir de US$ 15, você já leva o jogo completo nas recompensas.

Por que é legal? Porque é um game (1) de um estúdio brasileiro (2) que é famoso por fazer games legais (3).

Por que é inovador? Você já teve que administrar cidades, famílias e times de futebol. Mas nunca um estúdio de TV especializado em produzir programas tipo Power Rangers.

Por que é vanguarda? A questão aqui reside mais em apoiar o que é nosso. Com o sucesso de Chroma Squad no Kickstarter e seu lançamento, mais olhos da indústria de games se voltam para o Brasil e mais portas se abrem para outros desenvolvedores brasileiros irem ganhar o mundo.

Vale o investimento? Um jogo completo por US$ 15? Claro que sim!