Especiais Aplicativos e Software

Usando o Webmin para gerenciar a instalação Linux

Paulo Graveheart
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Um dos maiores desafios de quem está começando no Linux (tanto para fins pessoais quanto profissionalmente) é de repente ter que mexer no terminal ou nos tão temidos arquivos de configuração. Isso piora mais se você vai precisar mexer em um servidor, daqueles que não estão ligados a monitor ou teclado, e que só pode ser acessado através da rede. Não que linhas de comando sejam ruins, elas só podem ser confusas e complicadas para quem mal sabe a maioria dos comandos.

Hoje várias versões do Linux possuem ferramentas próprias de configuração do sistema, mas elas só funcionam a contento se você tem acesso direto ao modo visual da máquina.

Uma solução simples para quem quer ter acesso quase total às configurações da máquina e dos daemons rodando no Linux é o  Webmin, uma ferramenta de configuração de sistema com um ótimo diferencial: o acesso pode ser feito a partir de um navegador web (não importando o sistema operacional ou o navegador que você está usando). Com o Webmin, você pode configurar praticamente qualquer coisa no servidor, desde tarefas mais simples como criar um usuário, até tarefas mais complexas, como configurar um servidor Samba como PDC. Na verdade, se o seu usuário tiver permissões para isso, dá até para desligar ou reiniciar o Linux pelo Webmin.

A interface, por ser web, é muito simples: tudo funciona como um grande formulário, e os dados que você digita são salvos nos arquivos de configuração OU executados no servidor. Exemplo: ao configurar o Samba eu preencho todos os campos que quiser no formulário (como se estivesse preenchendo um desses milhões de cadastros que existem na internet) e ao clicar no botão de envio o Webmin salva as minhas configurações no arquivo smb.conf. Simples, não?

Acima, uma tela de configuração do Apache. É só clicar em "Save" que ele atualiza o arquivo de configuração

Outra peculiaridade do Webmin é que ele é baseado em módulos. Assim, você pode fazer uma instalação e logo depois remover todas as configurações de serviços que não irá usar, ou baixar um módulo que não exista em algum site e instalar. Já vi até módulos que gerenciam torrents….

Legal, tio, mas como eu uso?

Primeiro, acesse a página https://webmin.com/ e na área de downloads clique na melhor opção para a sua distro. Distros baseadas no Ubuntu ou no Debian podem usar o “Debian Package” sem problemas. Se você já estiver no Ubuntu, basta clicar duas vezes no arquivo que ele baixará os pacotes necessários e instalará o pacote. Se você estiver tentando instalar direto do terminal, pode usar o comando sudo dpkg -i ./webmin<versão>.deb.

Depois de tudo instalado, é hora de ver a mágica acontecer. Abra um navegador e digite https://localhost:10000 se você estiver tentando acessar direto da instalação Linux, ou https://<ip-do-linux>:10000 se você estiver acessando de outro computador. Se você não sabe o endereço IP da máquina com Linux, use ifconfig dentro do terminal. Você deverá ver uma tela como essa:

Agora, é só acessar. Em Username use o seu usuário do Ubuntu, e em Password use a sua senha. Em algumas distros isso muda um pouco, pode ser que você só consiga entrar com o usuário root. Logo na entrada, o Webmin já mostra algumas informações do sistema:

Lembrando que o tema padrão pode ser mudado.

A partir daqui, é só navegar pelo menu à esquerda. Em Webmin você tem as configurações do próprio programa, podendo criar novos usuários, instalar novos módulos, ou mudar a porta de conexão padrão (10000) por outra, entre outras coisas. Em System temos configurações do sistema: processos rodando, atualizações disponíveis, criação de usuários, e outras funções. Em Servers ficam os links para configuração dos serviços instalados no Linux. Perceba que o Webmin é esperto, e logo na instalação já verifica quais serviços você tem instalado, listando apenas esses módulos. Obviamente, você pode habilitar ou instalar outros módulos depois.

A tela de instalação de novos módulos. Dá para usar um arquivo que esteja na máquina local, ou subir um arquivo, instalar de uma URL, e várias outras opções....

Em Networking você configura detalhes gerais da rede (IP, firewall, controle de banda, etc.). Em Hardware você tem acesso a informações da máquina, e pode configurar algumas informações do equipamento. E em Others você tem acesso a várias ferramentas diferentes. Existe até um gerenciador de arquivos e um terminal, tudo direto do navegador. 🙂

Há muito para falar sobre configurações avançadas do Webmin, mas o básico está aí para vocês começarem, com o tempo falarei de outras ‘mágicas’ possíveis com ele. Uma última dica e um cuidado importante: se você quiser usar o Webmin em um ambiente profissional, é melhor criar um outro usuário, dar para ele um nível de acesso menor e lembrar de sempre acessar por ele. Lembre-se: apesar de você estar acessando o servidor através de uma interface web, o root do sistema pode tudo. E isso sempre é perigoso….

Paulo Graveheart

Ex-redator

Paulo Henrique "Graveheart" é formado em Ciências da Computação e fez parte da equipe do Tecnoblog entre 2010 e 2014, como redator. Participou da cobertura de lançamentos no mundo do desenvolvimento de software, PCs, mobile e games. Também tem experiência profissional como desenvolvedor full-stack e technical lead.