Meio Bit » Filmes e séries » Community salva pela Internet aos 48 do 2º tempo, mas não foi sofativismo

Community salva pela Internet aos 48 do 2º tempo, mas não foi sofativismo

Uma série excelente mas claramente de nicho, com morte mais que profetizada é renovada. Culpa de campanhas online? Pior que não.

7 anos atrás

Community é (ou era, segundo alguém, não eu) uma das melhores séries da atualidade. Humor inteligente, personagens tridimensionais que evoluem, uma verdadeira aversão a clichês e uma incrível capacidade de referenciar cultura pop sem parecer forçado.

Há episódios intimistas, episódios surreais, episódios com zumbis e até um episódio todo passado em um videogame de 16 bits. Há linhas do tempo alternativas e há a Alison Brie.

Por isso tudo Community foi um fracasso de público, só agradando a uma pequena fração dos espectadores. Justamente a fração que assiste séries em todo lugar menos na TV. Para piorar o criador da série brigou com a emissora, foi devidamente saído, e antes que pudessem se reestruturar Chevy Chase achou que ainda estava nos Anos 70, quando era relevante, e brigou com todo mundo.

A série teve sua quarta temporada dividida em duas. A segunda parte foi adiada sem prazo para ser exibida, e só voltou agora em 2013. Os episódios estavam perdidos, pela primeira vez com queda visível de qualidade. O consenso era que Community não teria uma quinta temporada. O sonho de seis temporadas e um filme havia morrido.

Eis que, do nada, a NBC, famosa por decisões inteligentes como cancelar Star Trek, renova a série que sabotou, nunca prestigiou e tratou como patinho feio. Qual o motivo?

Bem, digamos que a audiência da NBC está tão baixa quanto era zoada em 30 Rock. Eles não podem se dar ao luxo de perder mais público, e Community se mostrou um fenômeno online, em serviços como Netflix e Amazon. Se a série for tirada do ar, o público fiel assistirá as reprises somente online, e pior cenário, a série pode ser comprada por um desses serviços e ressuscitada, como a Netflix fez com Arrested Development.

Se for preciso manter no ar uma série da qual ninguém no canal é fã, que seja.Os serviços de streaming estão mordendo o bolo das grandes redes. Não são mais meros repetidores de conteúdo. Séries como House of Cards mostraram que são capazes de produzir conteúdo original, invertendo o caminho. A meta das emissoras é impedir — ou mais realisticamente — atrasar isso.

A mídia tradicional está perdida, todo o modelo das Famílias Nielsen não leva em conta as duzentas formas diferentes que usamos hoje para consumir midia. Na verdade não leva nem em conta a presença de mais de uma TV por residência. Esse castelo de cartas irá cair em breve, e com ele as verbas milionárias de publicidade. O lado ruim é que o orçamento das séries será igualmente cortado, com o investimento em propaganda espalhado por muito mais veículos.

Talvez aí a salvação sejam projetos de kickstart, onde os próprios fãs banquem parte da produção. Sinceramente não teria problemas em desviar R$ 5,00 ou R$ 10,00 de minha assinatura da SKY, para garantir um Da Vinci's Demons ou um Justice League: Unlimited. Muito melhor que que ver meu dinheiro indo premimos caixa comum e financiando aquele descabelado do History Channel.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários