Meio Bit » Indústria » Após apresentação do XBox One, ações da Sony disparam

Após apresentação do XBox One, ações da Sony disparam

Investidores não recebem bem o novo XBox e ações da concorrente japonesa sobem quase 10% em poucas horas.

7 anos e meio atrás

microsoft-sony-stock-done-2

A Microsoft finalmente apresentou o tão aguardado XBox One, a nova versão do console que será o sucessor do XBox 360, no mercado desde 2005.

Ele vai trazer recursos muito interessantes, como um processador de oito núcleos, memória de 8 GiB do tipo DDR3, Blu-ray, integração com o Skype, além do Kinect 2 com câmera de 1080p que captura vídeos em 30 fotogramas por segundo.

Bacana né? Então… aparentemente os investidores da Microsoft esperavam muito mais do novo videogame. Assim que o novo produto foi anunciado, as ações da Microsoft caíram 0,66 %. Já os papéis da concorrente Sony dispararam, acumulando uma alta de 9,25 %, fechando o dia valendo US$ 22,91.

sony-vs-microsoft

Acredito que isso tenha acontecido pela falta de uma característica matadora, daquelas de fazer os fãs de videogame dizerem: “Ok, agora o PlayStation tá ferrado!”, como as novidades apresentadas na mudança de geração anterior. Ou talvez por conta do design de videocassete. Ou a soma dos fatores, quem sabe?

(Antes que me chamem de Caixista, Sonysta ou qualquer outro -ista, eu tenho e gosto muito dos dois consoles).

Agora todas as atenções se voltam para o lançamento do PlayStation 4. Alguns poucos detalhes de seu hardware foram revelados no evento da Sony que aconteceu em fevereiro, e no teaser oficial lançado no último dia 20 de maio. Mas pode-se dizer que ele também não agradou muito.

Sabemos que este é um mercado pautado em especulação e muitas vezes a reação dos investidores não é a mesma dos clientes. Por isso eu pergunto: Será que com a apresentação do PS4 a movimentação das ações será invertida? Ou tudo vai se estabilizar novamente? Bom, uma coisa é certa: Essa guerra entre a Microsoft e a Sony está muito longe de chegar ao fim. Façam suas apostas.

Via TechCrunch e CNN.

relacionados


Comentários