Meio Bit » Fotografia » Samsung NX1000 (Smartcamera) - teste prático

Samsung NX1000 (Smartcamera) - teste prático

Testamos a Samsung NX1000, uma smartcamera com sensor CMOS APS-C de 20,3 megapixels.

8 anos atrás

Fiquei muito feliz pelo fato da Samsung ter enviado uma câmera para teste aqui no Meio Bit. Na prática foi a primeira empresa que fez isso, e espero que se torne uma coisa comum aqui no blog. Depois de pensar um pouco decidi manter a mesma linha dos outros testes que fiz por aqui (só que eram com equipamentos e acessórios comprados por mim ou por amigos) onde tento mostrar para o leitor a visão de um consumidor comum, e não os diversos testes em estúdio e com metodologias requintadas que encontramos em centenas de sites e blogs na internet. Para isso levei a câmera comigo em algumas situações e coloquei-a a prova para os usos mais comuns, que será o objetivo da maior parte dos consumidores que vão levar essa câmera para casa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A câmera enviada para testes foi a nova Samsung NX1000. Ela é uma mirrorless com acesso a redes Wi-fi e, por conta disso, e outros pontos, ela é vendida pela empresa como uma Smartcamera. A caixa, quando chegou, me deixou impressionado pelo tamanho diminuto. Estou acostumado com caixas das DSLR e sempre me esqueço de que as mirrorless são bem menores. Dentro da caixa temos a câmera, CDs de instalação, manual do usuário, a lente básica 20-50mm f/3,5-5,6, bateria, carregador de bateria, flash externo, cabo de transferência de dados e as alças e tampas da câmera e lente. O corpo da câmera é bem pequeno e leve, provando ser uma boa companheira para todas as horas do dia, mas mesmo assim não é um equipamento para levar no bolso, por conta da lente. Mas, qualquer bolsa ou mochila pode acomodar ela tranquilamente sem ocupar muito espaço. Ela tem uma pegada confortável e até para quem tem mãos grandes ela vai encaixar perfeitamente.

O corpo da câmera é bem resistente e existem poucos botões de controle na parte superior e traseira. Aliás, essa é uma grande reclamação dos usuários de câmeras mirrorless, pois existem configurações que só são acessadas depois de apertar várias vezes os botões de comando. Temos o habitual anel de funções na parte superior juntamente com o botão disparador e o botão Smart Link. Na parte de trás temos o enorme visor LCD de 3 polegadas e os botões seletores, de Menu e Fn.

Ligando a câmera você deve escolher em que modo quer fotografar. Ela oferece o modo manual completo e as prioridades de abertura e velocidade. Também é possível fotografar em automático completo chamado de Smart. Além disso, temos o modo mágico que aplica vários efeitos e filtros nas fotos a serem realizadas. Muito útil para quem não manja muito de edição de imagem e quer colocar um pouco mais de vida em suas imagens. Ligando a câmera o visor LCD já mostra a imagem do que a lente está enquadrando (não há view finder ótico) e vários ícones se mostram ao redor da tela. No modo manual o diafragma e o obturador são regulados pelo mesmo anel, sendo obrigado ao fotógrafo a dar um pequeno toque no botão direcional para mudar a função (isso é comum em compactas que possuem o modo manual). O botão Menu abre diversas possibilidades de configuração que devem ser estudadas no manual para que o fotógrafo não se perca. Porém, gostei muito do botão Fn que se encontra logo ao lado do botão Menu, e que mostra na tela um conjunto das principais configurações necessárias para se fotografar. Muito confortável. Além de ser um Menu com interface gráfica agradável e bem simples de entender, cada vez que você aciona um dos itens do Menu um pequeno texto aparece explicando o que é e como regular aquela funcionalidade. Coisa interessante para quem está começando. A única coisa que não gostei na câmera foi o flash externo, que é acoplado na sapata hotshoe da câmera. Embora a cobertura da luz seja ótima e a vinheta gerada seja mínima, andar com esse pequeno acessório, para alguém descuidado como eu, é pedir para perder logo na segunda saída.

Com o disse, levei a câmera para a rua, para brincar em situações normais. A Samsung NX1000 possui um sensor CMOS APS-C com 20,3 megapixels de resolução máxima. É suficiente para fazer grandes ampliações sem perda de qualidade e a densidade de pixels (embora grande) não deve trazer grandes problemas de ruído em sensibilidades próximas ao ISO 1600. A primeira coisa que senti falta foi do peso e do equilíbrio de uma câmera reflex. Não podem me culpar por isso, pois faz mais de 5 anos que não utilizo uma compacta para fotografar a sério. A câmera se comporta bem na hora de fotografar. Boa velocidade de processamento (embora mais lenta do que uma reflex), mas o fato de não ter vários botões para os principais comandos realmente deixa o processo um pouco mais lento, principalmente se você está fotografando no modo manual. Mas, creio que são obstáculos que são vencidos facilmente com o uso constante do equipamento. Quanto à qualidade da imagem, gostei muito da representação de cores que deixa a cena, principalmente paisagem, bem vibrante.

SAMSUNG CSC

ISO 200, velocidade1/250, abertura f/9,0

Porém, mesmo gostando muito das cores, senti falta de contraste e nitidez na imagem. O contraste pode ser resolvido com um pós-processamento, mas a nitidez pode ser problema da lente básica que acompanha a câmera. Com 20 megapixels, um zoom na imagem deve revelar vários detalhes da cena fotografada e senti que em relação à nitidez ela poderia render um pouco mais.

teste_samsung_meiobit-0059

ISO 200, Velocidade 1/160, Abertura f/5,6

Levando em conta as perfumarias, como filtros artísticos e molduras, alguns dos filtros são bem esquisitos, mas outros são realmente divertidos e valem a pena dar uma olhada. Gostei muito dos efeitos de filmes antigos e também do efeito negativo. Valem a pena para quem quer fazer uma coisa diferente, porém deve-se pensar em um pequeno problema. Quando fazemos um efeito desses no Photoshop, ou qualquer outro programa de edição de imagem, sempre temos a foto original para ser guardada. Aqui o efeito já é impresso na foto na hora da captura. Então é sempre bom ter em mente que pode ser uma boa fazer outra foto sem os efeitos.

SAMSUNG CSC

ISO 100, Velocidade 1/250, abertura f/7,1

Quando a Samsung entrou no mundo das câmeras digitais, assim como a Panasonic, as fotos de suas câmeras eram um mar de ruído, até mesmo em sensibilidades mais baixas. A NX1000 trabalha com velocidade ISO na faixa de 100 a 12800. Sim, muito alto, mas fico feliz em constatar que o problema do ruído parece ter sido reduzido. Em JPEG a câmera consegue reduzir muito a presença do ruído e em RAW a coisa pode ser contornada facilmente com uma pós-edição. Abaixo temos um exemplo em ISO 400 e outro em ISO 12800.

SAMSUNG CSC

ISO 400

SAMSUNG CSC

ISO 12800

Por último, mas não menos importante, nós temos a conexão Wi-fi do equipamento. Existe perto do disparador um botão chamado Smart Link que visa conectar a câmera automaticamente ao seu celular. Para isso é necessário instalar no telefone a App Samsung MobileLink. Muito útil para descarregar as fotos e poder mandar via Smartphone para as redes sociais quando uma rede Wi-fi não está disponível. Para acessar a rede Wi-Fi é necessário mover o botão de seleção de modos para a marca Wi-Fi. Nesse modo fica disponível também o MobileLink e as opções de compartilhamento, e-mail, skydrive, backup automático e redes sociais. As redes sociais disponíveis são Facebook, Picasa, Youtube e Photobucket. Após escolher a opção que melhor vai lhe agradar a câmera procura as redes Wi-Fi disponíveis e pede a senha para se conectar. Achei muito bacana e você realmente pode mandar fotos de boa qualidade para as principais redes sem a necessidade de gambiarras.

Conclusão

A Samsung NX1000 é uma boa câmera com recursos avançados e qualidade de imagem que vai agradar a quem está migrando de uma câmera compacta ou ultrazoom e também para quem quer uma alternativa mais leve e compacta para a sua câmera reflex. Demanda um pouco de tempo se acostumar com os controles e menus, mas nada que alguns dias de dedicação não resolvam. A conexão Wi-fi é uma mão na roda para quem está viciado em redes sociais ou que precisa compartilhar imagens o mais rápido possível (necessidades criadas pelo mundo da informação galopante, principalmente para quem trabalha com mídias sociais). Pontos negativos são o flash externo que, por conta da potência, poderia ser muito bem incorporado a câmera, e a nitidez da lente básica do Kit que poderia ser um pouco melhor. De resto é uma compra que vai deixar o amante da fotografia muito feliz. Fazendo uma rápida pesquisa pela net descobrimos que a câmera está sendo comercializada no Brasil por uma média de R$ 1.900,00. Não é exatamente uma câmera barata, mas tecnologia sempre custou caro.

relacionados


Comentários