Meio Bit » Ciência » Carro vs Raio ou: mais fortes são os poderes de Faraday

Carro vs Raio ou: mais fortes são os poderes de Faraday

Não é todo dia que um carro é atingido por um raio, mais raro ainda é isso ser filmado. A única coisa não fora do comum é justamente o que parece ser mais difícil: o carro não foi destruído e os passageiros não se machucaram. Como é possível? Clique e descubra.

7 anos atrás

thor2

Al e Betty Perry são um casal de coroas canadenses que deu azar. Estavam no lugar errado na hora errada. Mais precisamente em Alberta, quando sua Pickup foi atingida por um raio. Como sabemos, baseado em filmes, histórias em quadrinhos e lendas bíblicas, o carro explodiu e eles morreram horrivelmente queimados, certo?

Errado. Na frente do raio entrou um cientista inglês com costeletas fora de moda até pra sua época, gritou “YOU SHALL NOT PASS” e o raio percorreu o exterior do carro. Procurando desesperadamente um caminho, os sistemas elétricos foram sobrecarregados, os airbags acionaram. Janelas e portas travaram, pneus estouraram enquanto a energia era direcionada para o solo, deixando duas pequenas crateras no asfalto.

Dentro da pickup a fiação queimada começou a fazer fumaça… Al chutava o vidro, sem resultado, quando seu primeiro momento de sorte do dia aconteceu: um sujeito da Polícia Montada estava vindo em direção oposta, viu tudo, quebrou o vidro e retirou Al e Betty do carro. Ambos foram examinados no hospital e liberados, sem um arranhão.

Quem protegeu os dois? Não existe uma história de que os pneus do carro isolam o mesmo do chão, por isso raios não o afetam?

Pense bem: um raio viaja vários quilômetros PELO AR. Não faz sentido que alguns cm de borracha apresentem resistência elétrica maior do que km de espaço vazio. A verdade é que pneus e chinelos de borracha e NADA são a mesma coisa, quando lidamos com energia elétrica de gente grande. A proteção foi cortesia de um sujeito chamado Michael Faraday. Mais precisamente, da gaiola dele, que é muito melhor que a das popozudas.

Faraday descobriu que em um condutor a carga elétrica fica na superfície. Em vários experimentos ele determinou que um objeto metálico oco teria carga zero em seu centro, e isso vale para tudo, seja uma bobina de Tesla, seja um sinal de rádio, seja um raio. Veja uma gaiola de Faraday em ação:

Um automóvel não é uma gaiola de Faraday ideal, há partes não-metálicas, partes metálicas conectadas ao interior, cabos, fios, mas com tudo isso as cargas ainda tendem a se concentrar no exterior. Foi o que salvou o casal. Não foi sorte, o raio não “desviou miraculosamente” do tanque de combustível, ele foi forçado, por Leis tão antigas quanto o Universo a ficar do lado de fora.

Agora, claro, o que você quer ver: o carro do Al tomando uma lambada de Thor e sobrevivendo:

Embora um carro seja relativamente seguro, é essencial que você se abrigue em caso de tempestade elétrica. Nunca fique em pé um descampado, nem debaixo de árvores. Os raios VÃO cair em você. Procure casas e prédios próximos. Se for opção, escolha uma igreja. São bem seguras, pois ao contrário de casas normais, elas têm pára-raios.

Fonte: Geekologie.

Leia mais sobre: , , , , .

relacionados


Comentários