Meio Bit » Áudio e vídeo » Grooveshark pode morrer em US$ 736 milhões por violação de copyrights

Grooveshark pode morrer em US$ 736 milhões por violação de copyrights

Decisão judicial pode obrigar o Grooveshark, serviço de streaming de música a pagar US$ 736 milhões por danos causados à indústria do copyright

5 anos atrás

grooveshark

O Grooveshark foi uma sensação quando foi lançado anos atrás. O serviço de streaming estava bem à frente de seus concorrentes, era gratuito (com uma modalidade paga não muito salgada) e permitia que os próprios usuários subissem seus MP3s para o site. Claro que isso não daria certo: ele foi processado por diversas gravadoras e devidamente chutado do iOS e Android, por infração de copyrights.

O negócio era tão descontrolado que o próprio CEO Sam Tarantino era um dos principais uploaders de músicas para o Grooveshark. Com tanta gente batendo na sua cabeça, a startup não aguentou e abriu falência. Ela vem tentando jogar conforme as regras nos últimos tempos, tendo anunciado o Broadcasts recentemente. Mas a verdade é que a justiça norte-americana não vai dar moleza, as gravadoras querem sangue e pelo visto, o tubarão será mesmo devorado pelos dinossauros.

O julgamento do Grooveshark está rolando nesta semana nos Estados Unidos, e a pena máxima que o serviço pode receber é de ser obrigado a pagar 150 mil dólares por faixa pirata disponibilizada. Atualmente o processo encabeçado pela Universal diz respeito a 4.907 músicas, e portanto o site pode ser obrigado a pagar salgados US$ 736 milhões à indústria do copyright.

A situação não é nada boa para o Grooveshark: entre as evidências estão e-mails enviados por Tarantino a funcionários da startup, encorajando-os para que subissem suas próprias coleções de músicas para ajudar a alavancar o serviço. E mais: embora o processo só trate de quase 5 mil faixas, estima-se que os colabores do Grooveshark tenham subido até 150 mil faixas, o que poderia elevar o valor da indenização para uma quantia astronômica.

Embora o serviço esteja tentando se tornar legítimo, é fato que suas ações passadas serão cobradas porque as gravadoras não pretendem exercer o perdão nesse caso. Afinal querem dinheiro e mais importante, fazer do Grooveshark um exemplo para quem pirateia. Não que adiante de alguma coisa, mas…

Fonte: Extreme Tech.

relacionados


Comentários