Meio Bit » Demais assuntos » Kurumin NG: a distro continua, segundo Leandro Soares

Kurumin NG: a distro continua, segundo Leandro Soares

13 anos atrás

Depois de todo o estardalhaço causado por um comentário (ou pela interpretação de um comentário) do Carlos Morimoto, mantenedor do Kurumin Linux até a versão 7, sobre o andamento do Kurumin NG (a tentativa de levar o projeto à frente, sem seu mantenedor original), troquei alguns emails com Leandro Soares, que reproduzo sob a forma da breve entrevista abaixo:

MB: Quando surgiu a idéia do KNG, o Carlos Morimoto se envolveu de alguma forma, dando a "benção" ao projeto?

LS: Sim, ele deu a tal "benção" ao projeto, que é o fato de ter aceitado o projeto como sendo uma continuação do projeto Kurumin original, fora isso não houve nenhuma intervenção dele, principalmente no que tange colocar a mão na massa.

MB: Quem eram os envolvidos na época e quantos deles estão ativos hoje? Quantos desenvolvedores (no total) estão ativos hoje?

LS: Quem iniciou o projeto em si fui somente eu, começando com uma nova proposta de Ícones Mágicos e postando um protótipo no fórum do GuiaDoHardware.net, em seguida recebi muitas colaborações de José Queiroz, José Nilton, Dorian Langbeck e Fabio Lima, e algumas pequenas colaborações de outras pessoas onde infelizmente não me recordo o nome, mas entre elas está o Jayme Ayres que criou o Wallpaper oficial da versão 8.06. O único membro ativo hoje sou eu, a maioria "sumiu" por falta de tempo, com excessão do José Queiroz que até onde entendi ele não concordou com minha forma de lidar com este declínio no desenvolvimento que o projeto sofreu e optou por sair.

MB: O KNG tem um planejamento de "features"/datas?

LS: Tinha no início, mas não foi possível cumprir por falta de mão de obra e por falta de liderança minha também, passei por momentos difíceis relacionados a ter tempo para o projeto, mas já dei um jeito de me reorganizar e não será agora que o projeto morrerá.

MB: Você tem idéia do número de downloads da distribuição?

LS: De momento não, mas tenho como levantar estes dados, não vou me comprometer mas pretendo falar sobre isso no próximo episódio do GDHCast (www.gdhcast.com.br), o que posso adiantar é que o número não é tão pequeno, nada comparado com a série antiga do Kurumin mas é um bom número sim, só preciso confirma-lo antes de falar.

MB: A pergunta que não quer calar: o KNG continua ou não?

LS: Continua até que o mantenedor diga que acabou, hoje o mantenedor (bem ou mal) sou eu, qualquer outra pessoa que diga o contrário estará mentindo, afinal posso eu falar hoje que algum projeto (onde não estou envolvido) acabou? Não! Por motivos claros, portanto é a mesma coisa.

MB: O quê (e quando) podemos esperar da próxima versão do KNG?

LS: O que podem esperar é uma continuação natural do trabalho que iniciei na versão 8.06, o objetivo do projeto é ser uma distribuição GNU/Linux simples, fácil de usar, com suporte ao Português do Brasil por padrão, que use o KDE como ambiente Desktop e com o foco na usabilidade, quero levar até o usuário uma experiência nova com GNU/Linux de forma que ele possa se sentir motivado a largar o Microsoft Windows e partir para um sistema livre (seja ele qual for). Agora falando em algo concreto, podemos esperar revisões em todos os Ícones Mágicos, novos Ícones Mágicos, KDE 4, atualizações diversas e correções de bugs da versão anterior e/ou herdados do (K)Ubuntu que é nossa base, além da elaboração de uma documentação melhor com relação ao sistema. A previsão de lançamento do primeiro beta é o mês de abril.

ATUALIZAÇÃO: Poucas horas depois de conceder esta entrevista, Leandro atualizou o site do projeto dizendo que iria encerrá-lo.

relacionados


Comentários

Comentários Fechados