Meio Bit » Mercado » Apple e Samsung ficam com 107% dos lucros do mercado mobile

Apple e Samsung ficam com 107% dos lucros do mercado mobile

Segundo a Canaccord, a Apple é responsável por noventa e dois por cento dos lucros no mercado de smartphones. Samsung vem logo atrás, com quinze por cento. Demais fabricantes não lucram vendendo tais aparelhos.

5 anos atrás

Laguna_iPhone_6_Plus_tricolor

iPhone 6 Plus, o novo objeto de desejo mobile da civilização (crédito: Apple Insider)

Semana passada (08/07), graças aos dados revelados em pesquisa feita através das operadoras norte-americanas, durante o trimestre de abril a junho, a Canaccord Genuity preferiu diminuir as expectativas de vendas mundiais de smartphones. Sim, o mercado mobile dos Estados Unidos é mesmo tão grande e influente assim, mas não é somente isso.

A previsão inicial era de 1.447,3 milhões de unidades vendidas; ou seja: aproximadamente 1,45 bilhão de smartphones vendidos no mundo em 2015. A nova previsão é de 60 milhões de smartphones a menos. Crise econômica? Não.

O problema, como quase sempre, é o Android.

Enquanto apenas 20% dos clientes Apple das principais operadoras dos EUA preferiram atualizar sob contratos de fidelidade os velhos aparelhos iPhone para os recentes iPhone 6 e, principalmente, para o iPhone 6 Plus, a Canaccord diz que entre os usuários Android de tais operadoras a migração para um iPhone 6 (ou 6 Plus) representou um percentual pouco maior, embora não revelado. As pessoas lá estão pagando mais caro e comprando menos smartphones.

A vítima são os smartphones Android, cujas vendas lá na América do Norte estariam em queda no presente ano. No fim, isso tudo em números reais significou que a participação de mercado do iPhone nos Estados Unidos foi de quase 50% entre os smartphones nos meses de abril a junho.

Se no atual maior mercado (China está visível no retrovisor) a situação da Apple está boa, o que esperar dos lucros mundiais obtidos no setor?

Laguna_Mobile_Profit

Lucros mobile das principais fabricantes de smartphones (crédito: payWall Street Journal)

Não teve para ninguém. Em relatório divulgado pela Canaccord este domingo (12/07), mesmo com os aparelhos Apple representando somente pouco menos de 20% dos smartphones já vendidos e ainda ativos no mundo, a Maçã maligna de Cupertino obteve 92% dos lucros do setor mobile durante o primeiro trimestre fiscal de 2015. Lembrando que o primeiro trimestre fiscal de 2015 compreende os meses de abril a junho último.

A empresa vice-líder em lucros mundiais no ramo dos smartphones foi a Samsung, que conseguiu obter apenas 15% dos lucros no segmento de abril a junho. Somando os lucros da Apple e da Samsung, obtemos 107% dos lucros. Como fechamos a conta nos 100%?

Simples: o prejuízo de outras fabricantes respondem pelos 7% negativos. A líder do prejuízo é a Microsoft (leia-se Nokia Devices and Services), que aumentou a parte deficitária do setor de – 2 para – 4%, dois trimestres depois. Em seguida temos a Lenovo (leia-se Motorola), colocando – 1% no balanço financeiro dos lucros com smartphones. BlackBerry, HTC, LG e Sony continuam vendendo smartphones a preço de custo, lucrando 0% com aplicativos e acessórios.

Bom lembrar que essas são as oito maiores fabricantes de smartphones. A Canaccord estima que existam quase mil fabricantes de smartphones em todo o mundo; a maior parte delas, chinesas.

Ano passado, os smartphones Apple foram vendidos por um valor médio de 624 dólares, enquanto todos os fabricantes Android tiveram média de US$ 185 pagos por cada smartphone rodando o sistema. Ou seja: o povo compra os modelos mais baratos mesmo. É, os smartphones Samsung topo de linha, por exemplo, não vendem tanto quanto os da Maçã e é bom lembrar que o iPhone mais barato é vendido por US$ 450 na civilização (preço sem contrato com operadora).

Triste ver essa polarização entre Apple e Samsung como únicas empresas que obtêm algum lucro vendendo seus smartphones. De um lado um sistema fechado caríssimo no Brasil; de outro, uma constelação de bloatware para fechar as contas.

Fonte: payWall Street Journal.

Leia também:

relacionados


Comentários