Meio Bit » Games » PICO-8, o incrível console retrô que só existe na internet

PICO-8, o incrível console retrô que só existe na internet

Conheça o PICO-8, um console virtual que tenta incentivar a criatividade dos desenvolvedores ao impor várias limitações e que tem dado origem a jogos retrô bem legais.

6 anos atrás

Dusk-Child

Há quem defenda que boa parte da criatividade presente nos jogos de antigamente se deva as limitações que os desenvolvedores enfrentavam e foi pensando nisso (e na ideia de criarmos nosso próprios games), que Joseph “Zep” White resolveu criar o PICO-8, um “fantasy console” que parece os computadores e videogames da década de 80 e que tem atraído vários desenvolvedores indies.

Basicamente o videogame é uma plataforma onde os game designers recebem todas as ferramentas necessárias para poderem desenvolver e compartilhar suas criações, mas tendo que se adequar a uma paleta de 16 cores, uma tela de 128 × 128 pixels, 4 canais para músicas e efeitos sonoros e acredite, “cartuchos” de jogos com no máximo 32 kB.

Por falar nos jogos, eles podem ser distribuídos através de um arquivo PNG especial que também funcionará como sua embalagem e para criá-los é preciso adquirir uma licença no site do projeto, o que custará US$ 15. Já para jogar o que outras pessoas criaram, basta visitar essa lista e aproveitá-los através do próprio navegador. Destaque para os interessantes Dusk Child, Across The River e Tempest.

É claro que os títulos criados para o PICO-8 estão longe de todo o esplendor tecnológico que vemos hoje em dia, mas a proposta está longe de ser esta e o que impressiona é a capacidade de algumas pessoas de criarem coisas tão legais com tão pouco, como por exemplo esse jogo inspirado no Lemmings.

Para quem cresceu na década de 80 criando programas e games para máquinas como o ZX Spectrum, brincar com o PICO-8 certamente será uma experiência fantástica, mas para aqueles que não possuem intimidade com a programação ou que estejam apenas interessados em conhecer algumas criações de pessoas que não se intimidam com limitações técnicas, vale muito a pena acompanhar a comunidade que está se formando em torno deste console virtual.

Se quiser conhecer um pouco mais sobre o que levou Zep White a apostar nessa ideia, recomendo dar uma olhada em um fanzine que pode ser baixado gratuitamente aqui ou cuja versão física pode ser adquirida neste site.

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários