Meio Bit » Áudio e vídeo » Vinil rende mais dinheiro que a publicidade das versões gratuitas do YouTube, VEVO e Spotify combinadas

Vinil rende mais dinheiro que a publicidade das versões gratuitas do YouTube, VEVO e Spotify combinadas

A música digital é o canal, mídia física está em estado terminal, mas existe outro segmento pior ainda: a música digital gratuita. Um estudo da RIAA descobriu que o faturamento das versões gratuitas, bancadas por publicidade de músicas no YouTube, VEVO e Spotify combinados é menor que as vendas de… vinil.

5 anos atrás

vamp

Imagem 100% aleatória escolhida em uma busca randômica na internet.

A gente que vive tecnologia já se acostumou com o conceito de música intangível: desde o tempo em que se baixava música a música em modem US Robotics, a idéia de ter uma audioteca digital era atraente. CDs foram um senhor avanço mas convenhamos ainda ocupavam espaço e era um saco ficar trocando no player do carro. 

Só que nem sempre a ascenção de uma tecnologia significa o fim de outra. O DVD certamente matou o VHS, como o CD matou a fita K7, que hoje só é usada em casos raros, como a trilha do Guardiões da Galáxia. Já o Vinil deixou de ser produto principal mas como em termos de qualidade ele se sustenta, virou nicho.

Um nicho de respeito, e que serviu para mostrar a inviabilidade do modelo 100% gratuito. Segundo um relatório da RIAA, as vendas de vinil nos EUA acumularam US$ 222 milhões no ano, um valor razoável, já a receita de publicidade em serviços gratuitos — YouTube, VEVO e Spotify — acumularam US$ 163 milhões.

Isso mesmo, ganha-se mais vendendo vinil do que disponibilizando música de graça e faturando com publicidade, mesmo aqueles spots irritantes do Spotify.

As vendas de vinil inclusive aumentaram 52% de um ano pra cá, já as de CD caíram 1/3, mantendo a tendência de sumirem da face da Terra. Faz sentido, ganha-se mais com um LP Premium para Colecionadores do que com um CD Goiaba qualquer. Mesmo assim as vendas de música em mídia física totalizaram US$ 748 milhões. Nada mau pra um formato morto, mas vale lembrar que só o Spotify em 2014 faturou US$ 1,2 bilhão.

Fonte: Digital Trends.

Leia também:

Leia mais sobre: , , , , , , , .

relacionados


Comentários