Meio Bit » Internet » Steve Ballmer compra 4% do Twitter e se torna seu 3º maior acionista

Steve Ballmer compra 4% do Twitter e se torna seu 3º maior acionista

Redes Sociais Redes Sociais Redes Sociais: Steve Ballmer adquire 4% do Twitter e se torna seu 3º maior acionista, à frente até do CEO Jack Dorsey

5 anos atrás

steve-ballmer

Steve Ballmer, o ex-CEO da Microsoft e figura folclórica do cenário de tecnologia pode ter se afastado da companhia pela qual derramou litros de suor para gerir um time de basquete, mas ele não foi embora completamente. Ele ainda detém 8% da empresa e é seu maior acionista individual, à frente até mesmo de Bill Gates, ou seja, grana não lhe falta.

E por estar com dinheiro de sobra Ballmer agora busca investir uma graninha em outros empreendimentos. E ele voltou seus olhos para o Twitter.

Na última sexta-feira Ballmer soltou o verbo na rede social, revelando ter adquirido 4% das ações da companhia nos últimos meses. Com o Twitter avaliado em US$ 21,4 bilhões, o executivo teria atualmente um investimento de US$ 840 milhões, considerando que as ações subiram 5,6% após Ballmer soltar o tweet. Horas depois ele confirmou ao Bloomberg via e-mail que a mensagem é real

Ballmer agora é o terceiro maior acionista individual do Twitter, ficando atrás apenas do príncipe saudita e empresário Alwaleed Bin Talal Alsaud, que afirma ter mais de 5% das ações e o co-fundador da rede social Evan Williams, com 6,8%. Por outro lado o careca está à frente do CEO Jack Dorsey, que possui 3,2% da empresa.

ballmer

"Cheguei, Twitter!"

Considerando que o Twitter vem passando por maus momentos nos últimos tempos, ter uma pessoa pública como Ballmer investindo pesado na empresa pode ser uma boa para atrair mais acionistas, e consequentemente ajudar a tirá-la da situação em que encontra. E claro, há de se levar em conta que o ex-CEO da Microsoft não é do tipo que atira no escuro, portanto é altamente provável que ele esteja de olho num formato de negócios que poderá lhe render muita grana, desde que consigam quebrar o código das redes sociais e filtrem o que presta e o que não presta.

Fonte: Bloomberg.

relacionados


Comentários