Meio Bit » Games » Mesmo datado, Dragon's Dogma merece ser jogado no PC

Mesmo datado, Dragon's Dogma merece ser jogado no PC

O Dragon's Dogma: Dark Arisen pode ter demorado para chegar ao PC, mas os gráficos em alta resolução e a alta taxa de frames por segundo fazem esta versão ainda valer a pena.

6 anos atrás

dragons-dogma2

Qualquer pessoa possui uma obra — seja ela filme, música ou jogo — que considera como uma das suas favoritas, mas que muitos não dão a menor importância e uma que posso colocar nesta categoria é o Dragon's Dogma. Lançado em 2012 apenas para o Xbox 360 e PlayStation 3, o jogo me conquistou já nos primeiros minutos e nunca consegui entender muito bem o porque dele não ter se tornado mais popular.

Com uma jogabilidade sólida, algumas ideias bem interessantes em sua mecânica e um enorme mundo aberto para ser explorado, enquanto me aventurava por ele eu só pensava como a criação da Capcom ficaria numa máquina mais potente e por isso sempre desejei uma versão para os computadores. Ela enfim chegou, mas com tanto tempo tendo se passado desde a estreia do RPG, será que ele ainda vale a pena ser jogado?

Pois se esta é uma pergunta que eu já considerava difícil de ser respondida quando o título surgiu nos antigos consoles, agora é ainda mais complicado e tentarei explicar o porquê.

O primeiro problema é que o Dragon's Dogma não é um jogo para qualquer pessoa e o que me faz pensar dessa maneira é a sua complexidade. Desde a enorme quantidade de itens disponíveis até a infinidade de missões secundárias a serem encaradas, este um título que exigirá bastante dedicação, mesmo porque o simples fato de viajar de um lugar para o outro demandará bastante tempo (e constante atenção).

Vida de Gamer — Gameplay | Dragon's Dogma: Dark Arisen

O outro ponto a ser considerado é que mesmo tendo recebido uma melhora significativa em seu visual ao chegar no PC, principalmente por nos permitir jogar em altíssimas resoluções e oferecer uma taxa de 60 fps (dê uma olhada nesta comparação), o Dragon's Dogma: Dark Arisen está longe de todo o brilhantismo de alguns games da atual geração e a menos que você aceite de antemão que a plataforma não recebeu um remake do original e que aqui não teremos gráficos de ponta, a decepção poderá ser bem grande.

Porém, se você não vê muitos problemas nos pontos citados acima, é possível que se depare com um dos jogos mais imersivos dos últimos tempos, um cujo criadores parecem ter tomado todo o cuidado para não deixar passar o mínimo detalhe e que te premiará por aceitar entrar com tudo no seu mundo virtual.

Por exemplo, viajar a noite pelos campos do Dragon's Dogma é uma tarefa extremamente perigosa, mesmo se você estiver equipado com uma tocha ou um lampião, já que a visão ficará bastante limitada, mas não se engane, pois durante o dia o jogo também exigirá nossa total atenção, já que emboscadas acontecem a todo momento e muitas vezes elas serão fatais. Some a isso o possível encontro com monstros enormes e logo aprenderemos que qualquer passeio poderá ser muito perigoso.

Também me agrada muito no jogo o conceito de parceiros, que funciona da seguinte maneira: logo no início teremos que criar um personagem que nos acompanhará por toda a campanha e o interessante é que ele será disponibilizado para outros jogadores e caso seja escolhido por alguém, poderá ganhar experiência enquanto não estamos jogando ou mesmo alguns itens. Para deixar tudo ainda melhor, em determinado momento encontraremos um portal que nos permitirá recrutar mais dois personagens, estes criados por outras pessoas e isso faz com que existe uma espécie de comércio de personagens, inclusive com um ranking com os mais poderosos e por isso temos que fazer o possível para o nosso ficar cada vez mais forte (e popular).

Com isso a Capcom conseguiu fazer com que um jogo basicamente single-player contasse com um belo modo online, uma solução que claramente bebeu da fonte criada pela série Demon’s/Dark Souls, mas que não deixa de contar com um ar de originalidade.

dragons-dogma

Alguns poderão até dizer que a criação de Hideaki Itsuno não passa de uma colcha de retalhos, que ele apenas se aproveitou de uma coleção de ideias tiradas de outros títulos e no fundo essas pessoas tem alguma razão, mas no Dragon's Dogma: Dark Arisen tudo parece se encaixar tão bem, com o mundo em que ele se passa parecendo tão autêntico e o jogo dando indícios a todo momento de que foi feito com tanto carinho, que não consigo esconder minha felicidade por poder jogá-lo novamente, mesmo que seus gráficos não pareçam um primor técnico e seus menus continuem menos amigáveis do que poderiam ser.

No fim das contas, a impressão que tenho é que se você não gostou do jogo nos consoles, acho pouco provável que a versão para PC do Dragon's Dogma: Dark Arisen consiga te fazer mudar de opinião, mas caso se encontre entre aqueles que adoravam explorar Gransys e assim como eu não via a hora de poder entrar numa versão mais bonita do lugar, esta é uma ótima oportunidade. Só é uma pena que ela tenha demorado tanto para surgir.

relacionados


Comentários