Meio Bit » Engenharia » XF-85 Goblin — o avião mais feio do mundo

XF-85 Goblin — o avião mais feio do mundo

O XF-85 Goblin é um avião feio, muito feio mas tem seus motivos.

5 anos atrás

3778975572_057543515a_o

Na maior parte da Segunda Guerra Mundial os bombardeiros aliados eram presa fácil para nos nazistas (menos os protegidos pelos pilotos de Tuskegee). As tripulações costumavam dizer que tinham escoltas de caça o tempo todo. Aliados até metade do caminho, aí o combustível acabava, iam embora e era a vez da escolta de caças nazistas.

A criação do P51 Mustang e outros caças de longo alcance permitiu que os aviões tivessem alguma chance de defesa, mas os bombardeiros evoluíram, e os caças modernos não conseguiam mais acompanha-los o tempo todo. Um grupo teve uma idéia: que tal o bombardeiro levar seu próprio caça de defesa?

Surgiu o conceito de caça-parasita, que nem é um eliminador de cunhados. Preso debaixo do bombardeiro, o caça seria lançado em caso de ataque, e depois voltaria a se encaixar em sua baia.

342usaf17593r1%20065719%20XF-85%2046-0524%20EB-29B%2044-84111%20right%20side%20in%20flight%20l

342usaf17593r2%20081013%20xf-85%2046-0524%20eb-29b%2044-84111%20left%20rear%20in%20flight%20l

Durante o primeiro teste o piloto quase morreu. Quando tentou voltar pro avião-mãe, bateu com a carlinga no suporte de encaixe, quebrou o vidro, teve a máscara de oxigênio arrancada e apelou pros poderes Jedi pra pousar no deserto. Como o Goblin não tem trem de pouso, o protótipo acabou bem danificado:


Jaglavak Military — McDonnell XF-85 Goblin

No final das contas perceberam que o peso adicional e as complicações não compensavam: os russos começaram a usar mísseis e a saída era os bombardeiros voarem mais rápido e mais alto. Não que isso tenha impedido os EUA de desenvolver vários projetos na linha do Goblin. O mais avançado foi o Projeto MX-1016 Tip Tow, algo que parece saído de um filme muito ruim ou muito bom:

Boeing_B-29_TomTom

O sistema, que é bem engenhoso encaixa dois F-84s nas pontas das asas de um B-29. Os motores podem ser desligados, mas normalmente ficariam funcionando a 18% de potência, pra compensar o arrasto. A perda em autonomia pro B-29 é de menos de 3%.

Um sistema mecânico move os ailerons dos caças, pra que eles acompanhem as manobras do avião principal. Foram feitos dezenas de vôos com os aviões se conectando e se soltando no ar, até que em 1952 foram testar o sistema de controle de vôo automático. O F-84 se conectou ao B-29, o sistema deu defeito, fez com que o caça girasse bruscamente, atingindo a asa do B-29. Os dois aviões caíram matando todos a bordo.


Brian Lockett — Air Force Film: Range Extension of Bomber Escort

No final das contas alguém se tocou que seria bem mais simples abastecer os caças em vôo, sem complicados sistemas de acoplagem, e é essa a metodologia usada até hoje.

relacionados


Comentários