Meio Bit » Ciência » A Ascensão e Queda da Theranos e sua fundadora, Elizabeth Holmes

A Ascensão e Queda da Theranos e sua fundadora, Elizabeth Holmes

Conheça a trajetória da CEO da Theranos Elizabeth Holmes, de “a próxima Steve Jobs” a ex-bilionária e uma fraude no setor de diagnósticos médicos

4 anos atrás

O ditado “quando a esmola é demais, o santo desconfia” cai como uma luva na Theranos, uma startup fundada em 2003 com a promessa de “revolucionar o mercado de exames de diagnóstico”. Com apenas algumas gotas de sangue a empresa afirmava ser capaz de realizar dezenas de testes (oficialmente seriam 120, mas extraoficialmente dizia que o número podia chegar até 250), de diabetes e colesterol até câncer.

elizabeth-holmes

Ainda assim todo mundo comprou a ideia. Elizabeth Holmes, a fundadora e CEO da Theranos se tornou a queridinha do Vale do Silício, foi chamada de “a próxima Steve Jobs” e tudo mais. Só que o tempo passou, os resultados não apareciam e as perguntas foram se acumulando.

Hoje, além de falida, Holmes está banida do setor de saúde. O que diabos aconteceu?

Para entender é preciso voltar a 2003. Uma jovem Elizabeth Holmes, à época com 19 anos funda a Real-Time Cures, posteriormente renomeada para Theranos após abandonar a faculdade de engenharia química, na Universidade de Stanford (passo errado, eu diria).

A proposta da startup era de simplificar o processo de coleta e realização de exames, bastando para isso algumas poucas gotas do paciente e não mais os seis frascos tradicionais. Ela teria desenvolvido uma máquina de diagnósticos própria chamada Edison, um hardware em tese muito à frente das concorrentes disponíveis na época (e hoje) no mercado. A Theranos representava o fim das agulhas, bastava uma pequena picada tal qual a de máquinas para testes de colesterol/glicose e pronto.

blood-5

O curioso nessa história é que mesmo não tendo mostrado muita coisa, Holmes foi em pouco tempo elevada ao status de popstar do Vale do Silício. A Theranos recebeu ao longo dos anos cerca de US$ 700 milhões em fundos de investimentos para bancar a Edison, e foi avaliada pelos analistas em suntuosos US$ 9 bilhões. E por deter 50% das ações da empresa, Elizabeth Holmes se tornou a bilionária mais jovem do mundo fazendo uma fortuna de US$ 4,5 bilhões.

Só que o caldo começou a desandar com o tempo. Conforme as agências reguladoras pediam mais dados sobre a Edison e a qualidade dos exames realizados, a Theranos ia se enrolando cada vez mais. Efetivamente, ninguém nunca viu a tal máquina, uma pesquisa no Google Imagens por “Edison Theranos” não retorna nada. Para todos os efeitos, apesar das então afirmações de Holmes e sua equipe de profissionais, o tal equipamento mal teria saído do papel, sendo incapaz de atender às expectativas.

O primeiro laboratório de testes da startup foi lançado em 2013, e as dúvidas começaram a se acumular. De lá para cá a CMS (Centers for Medicare & Medicaid Services), a agência norte-americana para saúde e serviços sequer conseguiu inspecionar a tal máquina, o que levantou sérias suspeitas de que a companhia de Holmes não só estava entregando exames realizados por equipamentos não-homologados, como também fazendo uso de tecnologia dos concorrentes e não a proprietária. Só que o pior (para a executiva) ainda estava por vir.

Elizabeth-Holmes1

A bomba estourou mesmo quando um ex-funcionário da Theranos resolveu jogar tudo no ventilador, revelando que a startup era incapaz de realizar testes precisos com equipamentos próprios, violando as leis federais para exames laboratoriais e mais: a Edison precisa de ao menos três frascos de sangue pequenos para realizar os testes a que se propõe, muito longe de apenas algumas gotas como o prometido. E mesmo assim a máquina só conseguia realizar cerca de 15 exames. O restante dependia de equipamentos de outras fabricantes, como a Siemens, por exemplo.

A acusação caiu na mídia como um meteoro: embora a startup tenha rebatido as críticas dizendo que a Edison realizava mais do que 15 testes, ela não esclareceu quantos. Para piorar a situação a Medicare divulgou em janeiro erros nos exames supostamente realizados pela Edison — hardware que novamente, ninguém nunca viu.

A Theranos prometeu adequar os exames mas aí já era tarde, a FDA, a procuradoria dos EUA e órgãos estaduais de saúde iniciaram intensos escrutínios na companhia e em seus dados até então apresentados, que eram basicamente vapor.

theranos

O mercado não perdoou. A Forbes reavaliou a Theranos, concluindo que a startup não valeria mais do que US$ 800 milhões de dólares. E como as ações de Holmes não são preferenciais (em caso de falência, os acionistas recebem sua parte antes dela) sua fortuna foi de US$ 4,5 bilhões para zero de um dia para o outro.

A executiva se defendeu como pôde, acusou a mídia e as agências de realizarem uma caça às bruxas contra ela e sua criação, mas a verdade é que ela não havia apresentado resultados concretos desde a fundação da empresa, e já era hora de justificar o investimento que recebera. Ainda assim, Elizabeth Holmes acreditava que conseguiria reerguer a empresa, dar a volta por cima e fazer a tal revolução que ela tanto pregava.

Entretanto, a CMS não concordou. A agência decidiu por banir Holmes do setor de saúde, ela ficou impedida de possuir ou administrar laboratório algum por dois anos. A decisão se estende aos funcionários da Theranos. A empresa foi multada (o valor, no entanto, não foi revelado) e a unidade em Newark, Califórnia teve o registro cassado. As sanções entraram em vigor, mas o laboratório ficou proibido de operar assim que a decisão saiu.

hol0-011

Em comunicado na página oficial, a Theranos diz que assumirá as responsabilidades por seus atos falhos (embora possa recorrer da decisão da CMS, a empresa informa que não irá apelar) e que se compromete a corrigir todas as mancadas. mas não para por aí: as investigações paralelas e os processos individuais movidos contra a companhia prosseguem, e em última análise essa história pode acabar muito mal para Holmes.

No fim das contas, este é um caso que ilustra como o mercado corporativo funciona: Holmes foi canonizada por uma tecnologia que nunca mostrou a que veio, ela basicamente disse que tinha um unicórnio e os investidores acreditaram, fazendo de sua startup uma sensação com nada mais que vapor nas mãos. Por sorte, a FDA e a CMS entraram em ação ainda que tardiamente, espertalhões no ramo da saúde podem colocar em risco inúmeras pessoas ao expô-las a situações e procedimentos que ninguém sabe como ou se funcionam.

Quanto à Holmes, só a veremos de novo (se ela assim desejar) em 2018. Boa sorte.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários