Meio Bit » Mobile » Motorola desiste dos updates mensais de segurança para seus smartphones

Motorola desiste dos updates mensais de segurança para seus smartphones

Ao alegar incapacidade de manter o ritmo da liberação dos patches, Motorola desiste das atualizações de segurança mensais de seus aparelhos.

4 anos atrás

moto-z

Lembra quando a Motorola era uma empresa que não dava a mínima para o pós-venda? Quando o Google comprou a divisão mobile ela não só tratou de lançar produtos que foram por três anos muito desejados como assumiu o compromisso de manter seus dispositivos sempre atualizados.

Então ela foi vendida à Lenovo, e bem… as coisas começaram a mudar já na última geração, com updates que demoravam a chegar. E agora a Motorola veio à público informar que não cumprirá com sua política de atualizações mensais nos novos gadgets.

Recentemente o site Ars Technica publicou sua análise do Moto Z, comentando a mudança da política de atualizações da companhia. A empresa não havia deixado claro se forneceriam os patches mensais e ao ser questionada se ela manteria a antiga política, a resposta foi um seco “não”. A mudança de atitude foi considerada “inaceitável” e “insegura”, tendo em vista que o Android é uma plataforma bem mais vulnerável que o iOS ou o Windows 10 Mobile por um motivo simples: ela é líder de mercado, logo é o alvo favorito. É a mesma lógica por trás do Windows sempre ser o favorito dos ataques e vírus e o Mac, por sua crescente popularidade ainda que tímida entrou no radar só agora.

Em resposta a Motorola declarou que os Motos Z e G4 receberiam os patches de segurança do Android com “adicionais” da fabricante, só que não havia deixado claro com que frequência. O Ars continuou apertando a empresa, que finalmente divulgou um comunicado oficial esclarecendo como as atualizações dos novos aparelhos se darão daqui para a frente. E bem, a resposta não agradou:

A Motorola entende que manter nossos smartphones atualizados com os patches de segurança do Android é importante para nossos consumidores, e nós procuramos lança-los o mais rápido possível. Porém, devido à quantidade de testes e aprovações necessárias para libera-las é difícil manter um ritmo mensal para todos os nossos dispositivos. É mais eficiente para nós agrupar as atualizações de seguranças a um update de manutenção previamente agendado ou à uma atualização do sistema operacional.

Ao se dizer incapaz de lançar patches mensais, a Motorola se exime da obrigatoriedade de liberar atualizações de segurança mesmo em casos extremos, se reservando somente a liberar os grandes updates de manutenção ou atualizações para novas versões do Android, o que pode demorar mais do que o esperado. Para se ter uma ideia o Moto Maxx recebeu o Android 6.0 no limiar de completar os 18 meses de suporte obrigatório exigidos pelo Google. Outros aparelhos mais recentes demoraram a beça para serem atualizados.

Os patches de segurança, que são importantes para manter o sistema seguro são mais frequentes (a ASUS por exemplo os libera regularmente), mas ao afirmar ser incapaz de cumprir algo que seus rivais conseguem a fabricante acaba por depreciar ainda mais a imagem que o Google havia lhe dado. É uma pena, mas desde que a LEnovo entrou na jogada foi só ladeira abaixo.

No mais é uma pena ver a Motorola voltar aos tempos em que para ela, pós-venda se resume a “se f#$% aí”.

Fonte: Ars Technica.

relacionados


Comentários