Meio Bit » Internet » Google define os detalhes da execução do Flash

Google define os detalhes da execução do Flash

Dead plugin walking: o Google esclarece como o Flash será desativado por padrão no Chrome: versão 55 já terá o HTML5 como padrão.

4 anos atrás

flash-is-dead

O Google já havia deixado bem claro que o Flash no Chrome está com os dias contados: até o fim de 2016 o navegador passará a utilizar o HTML5 como padrão, desativando o plugin da Adobe por completo e colocando ma série de restrições para impedir que ele volte a dar as caras. E agora a gigante das buscas deu maiores detalhes acerca do processo de execução.

A carta de Steve Jobs declarando guerra ao Flash foi avassaladora. Embora todo mundo soubesse ninguém admitia que o plugin da Adobe havia parado no tempo, era um recurso comilão de recursos e energia, que mais atrapalhava do que ajudava. Quando o então CEO da Apple apoiou publicamente o fim do Flash e a adoção do HTML5 todo mundo concordou, e a Adobe não moeu uma palha para se atualizar.

O resultado é o que vemos hoje, com todas as companhias integrando a Galeria de Vilões do Flash. Nesse sentido o Google é o Capitão Frio, o que detém o domínio quase absoluto da veiculação de ads na internet e boa parte deles ainda são desenvolvidos com o plugin. Como o Chrome é o navegador líder de mercado, determinar o bloqueio do Flash com dia e hora marcada é o mesmo matá-lo de vez.

Em maio Mountain View havia proposto um cronograma em que seu navegador passaria a tratar o HTML5 como padrão, e agora a empresa deu maiores detalhes de como será a transição: a versão 53, atualmente em beta e que será lançada no próximo mês já bloqueará elementos como ferramentas analíticas de páginas, que ainda são feitas em Flash. Segundo o Google, 90% do uso do plugin se dá em background mas mesmo isso não será mais aceito, pois prejudica o carregamento de página e compromete a vida de baterias, seja em notebooks ou dispositivos móveis. Assim, os desenvolvedores terão que se mexer para migrar suas ferramentas para o HTML5 o quanto antes.

O golpe de misericórdia no entanto será desferido com o Chrome 55, que chega à versão estável em dezembro. Este bloqueará o Flash completamente, e ao usuário caberá a decisão de executar o conteúdo no formato na primeira vez que o navegador for executado, passando daí em diante a reproduzi-lo sempre (até porque seria um incômodo perguntar a mesma coisa toda vez, o usuário não quer isso). Da mesma forma, o Chrome irá bloquear todas as tentativas de redirecionamento para o site da Adobe na tentativa de forçar a instalação do plugin.

A mudança vai afetar todos os sites, com exceção dos dez presentes na lista branca por ainda possuírem muito conteúdo em Flash: YouTube, Facebook, Yahoo!, VK.com, Live.com, Yandex.ru, OK.ru, Twitch, Amazon e Mail.ru. Ainda assim estes só terão um ano para migrar tudo para o HTML5, após o término do prazo serão bloqueados também.

A culpa é da própria Adobe. Em vez de se coçar e melhorar o Flash ela preferiu sentar em cima do sucesso e não fazer nada, deixando todo mundo abraçar o HTML5 com vontade. Agora que arquem com as consequências, o plugin arcaico será enterrado e a internet agradece.

Fonte: Chrome Blog.

relacionados


Comentários