Meio Bit » Web 2.0 » LEGO Life, uma nova rede social para crianças extremamente segura (é o que dizem)

LEGO Life, uma nova rede social para crianças extremamente segura (é o que dizem)

Conheça o LEGO Life, a rede social para crianças de até 13 anos em que elas poderão compartilhar suas criações com seus amiguinhos; UNICEF e FTC são parceiras no projeto para garantir a segurança dos pequenos.

3 anos e meio atrás

lego-life

Pais precisam ficar atentos 24/7 ao que seus filhos acessam na internet, isso é um fato. Há diversos produtos reservados aos pequenos, com atividades e conteúdos de acordo com sua faixa etária mas é consenso que quando de trata de redes sociais, a recomendação geral é "não". Não dá para saber se quem está do outro lado da tela é outra criança ou um pilantra, então boa parte das instituições e órgãos de defesa dos direitos das crianças e adolescentes desaconselham o uso para menores de 13 anos, e entre 13 e 17 anos apenas com supervisão constante.

No entanto a LEGO acredita que dá sim para fornecer uma rede social para os pequeninos, com todas as normas de segurança possíveis ativas e fornecendo conteúdo de qualidade. Essa é a proposta do LEGO Life.

A rede social foi desenvolvida para consumo exclusivamente via dispositivos móveis (com foco em tablets), com opções de download para iOS e Android via Amazon App Store. Num primeiro momento ele está disponível para usuários dos Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha e mais países deverão recebê-lo em breve. A ideia é criar um ambiente seguro e confortável para as crianças compartilharem suas criações com os famosos bloquinhos com seus amiguinhos, consumir conteúdos relacionados e obviamente, se divertir.

O líder de Estratégia Global da LEGO Rob Lowe acredita que as crianças não querem apenas mostrar suas obras para um grupo seleto de pessoas (seu próprio núcleo social, família e amigos próximos como vizinhos e colegas da escola), mas com outros pequenos que amem seu hobby tanto quanto ele onde quer que estejam. No entanto há uma série de desafios a serem superados para entregar um ambiente realmente salutar.

Em primeiro lugar só é possível criar uma conta na rede através dos pais, que atuam como a primeira linha de defesa como deve ser. Tanto o pai quanto a mãe devem cadastrar seus e-mails e darem sinal verde para que seus filhos(as) possam brincar. Segundo, uma parceria com a Crisp, uma companhia de moderação garante um algoritmo para a varredura de todas as imagens e vídeos compartilhados, além da moderação humana. Dessa forma nenhum conteúdo, segundo a LEGO será compartilhado sem passar por um grande e minucioso processo de validação.

picture6

No mais, a rede social não permite a postagem de nada não relacionado à marca LEGO. Claro que poderão haver alguns problemas, como uma criança tirando uma selfie com seu brinquedo e jogando a foto (os avatares do LEGO Life não suportam fotos, apenas uma versão virtual sua construída com os bloquinhos; nem o nome real é permitido, a rede social inventa um), algo que precisa e está sendo levado em conta; Lowe diz que fotos do tipo foram rejeitadas durante a fase de testes. Da mesma forma é preciso uma verificação minuciosa para garantir que adultos com segundas intenções não estejam na rede social. De novo, os pais sempre devem ficar por perto.

Por fim, a UNICEF e a FTC trabalharam junto com a LEGO para garantir que o app atenda todas as normas de segurança e passe nos critérios a fim de fornecer um ambiente seguro.

lego-life-emojis

Quanto ao conteúdo há diversas coisas para as crianças. Postagens com curadoria da LEGO exibem construções fabulosas dos chamados “Master Builders”, há desafios a serem concluídos e postados, personagens de séries da companhia como Emma, de LEGO Friends ou Mestre Wu de NinjaGO possuem perfis e podem ser seguidos, a fim de acompanhar suas postagens.

Há até mesmo emojis próprios, sempre na temática dos brinquedos. No entanto versões daqueles pictogramas que poderiam ser utilizados para compor frases agressivas não foram aprovados, e de qualquer forma as mensagens são todas moderadas. Aquelas que passarem do limite não serão aprovadas e se alguém descobrir usos de alguns emojis para atacar ou ofender os amiguinhos, a LEGO os removerá também. Em suma, estão tomando um cuidado monstruoso para não deixar nada passar.

Lowe acredita que o LEGO Life é “uma ferramenta para as crianças contarem histórias”, visto que a realidade das redes sociais desestimula a criação de produtos do tipo para esses pequenos cidadãos. Ao menos estão tentando, e com o tempo saberemos se a proposta dará certo ou se os espíritos de porco encontrarão um jeito de quebrar o brinquedo (o que não duvido).

Fonte: LEGO Life.

relacionados


Comentários