Meio Bit » Ciência » NASA testando tecnologia Mary Poppins para chegar em Marte

NASA testando tecnologia Mary Poppins para chegar em Marte

A NASA está desenvolvendo um... guarda-chuva espacial. Sério, é um escudo de calor dobrável que pode mudar completamente o desenho das futuras naves, uma idéia simples e bem-bolada, clique e confira o ADEPT!

2 anos atrás

O Falcon Heavy consegue colocar cargas de 57 toneladas em órbita, um feito notável, mas o peso não é a maior limitação para o que ele consegue levar ao espaço. O grande problema é a largura da carga. Foguetes, como o General Aladeen pode atestar, são coisas compridas e pontudas, e há um limite pro quanto podemos fazer as carenagens (a tradução para fairing é "coifa" e eu acho horrível) largas sem que isso afete a estabilidade aerodinâmica do bicho.

A carenagem de um Falcon 9 é a mesma do Falcon Heavy, tem 13.1 metros de comprimento e 5.2 metros de diâmetro. O foguete em si tem 3.7 metros de diâmetro. Todos os satélites precisam ser dimensionados para caber dentro desses limites, do contrário precisam achar outros lançadores.

A maior carenagem disponível é a do Ariane 5, com 5.4 metros de diâmetro e 19.8 metros de comprimento, e isso é danado de grande.

A necessidade da carenagem limita o tamanho da carga, mas naves espaciais não podem ser muito maiores pelo mesmo motivo, precisam manter uma relação não maior que 1.5x o diâmetro do foguete. A Dragon por exemplo tem 5.2 de diâmetro, e a Big Fucking Falcon Ship tem o mesmo diâmetro do Big Fucking Falcon Rocket.

O limite do diâmetro é especialmente complicado para cargas menores, como naves automáticas e sondas planetárias, pois o escudo de calor, essencial para a reentrada é uma estrutura rígida e tem que caber dentro da carenagem.

O pessoal do Centro de Pesquisa Ames, da NASA quer mudar isso, com uma tecnologia chamada ADEPT -  Adaptable Deployable Entry Placement Technology. É algo enganosamente simples: Querem criar um escudo de calor escamoteável.

O ADEPT é essencialmente um guarda-chuva high-tech, ele permite levar um escudo de calor muito maior do que o diâmetro da nave/sonda principal, isso significa que você pode ter mais proteção e naves maiores, ocupando o mesmo espaço de antes.

O desafio foi achar um material que fosse resistente às temperaturas de uma reentrada a pelo menos 28 mil km/h e que fosse flexível. Escudos rígidos são mais tranquilos e excelentes, a SpaceX por exemplo usa um escudo PICA!

Não, é sério, o nome do escudo desenvolvido pela NASA é PICA - Phenolic-Impregnated Carbon Ablator, a SpaceX usa uma versão própria digievoluída chamada PICA-X. Juro.

Já o ADEPT usa um tecido de carbono que não é grafeno pois saiu do laboratório, é flexível e resistente:

Aqui o escudinho sendo testado num forno porreta:

Agora dia 12 o ADEPT deu mais um passo para se tornar uma tecnologia prática: Foi lançado em um foguete para um teste dos mecanismos de abertura, subindo até uns 70Km e caindo com estilo a 3x a velocidade do som. O teste foi muito bem-sucedido, infelizmetne é uma atividade menor da NASA e não há muito a se ver em termos de vídeo.

O lançamento ficou a cargo da UP Aerospace, uma pequena empresa especializada em foguetes de sondagem, daqueles pequenos que o Brasil explode quando não tem grana pra explodir foguetes maiores.

A Up Aerospace foi fundada em 2004. Em 2006 fez seu primeiro lançamento, que como é normal, falhou. O segundo foi bem-sucedido, e depois disso totalizaram 16, contabilizando 14 sucessos, desde 2009 que tudo sobe na UP 😉

Eles ganham dinheiro com lançamentos para A NASA e empresas como a Lockheed Martin, e mesmo com pouca capacidade de carga e espaço limitado conseguem produzir vídeos épicos:

 

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários