Meio Bit » Internet » Paypal cancela conta do GAB depois de atentado em Pittsburg

Paypal cancela conta do GAB depois de atentado em Pittsburg

Depois do atentado terrorista a uma sinagoga nos EUA, descobriu-se que o atirador tinha um perfil bem ativo no Gab, aquela rede social que preza por "liberdade de expressão". O que não esperavam era que o Paypal prezasse mais por vidas humanas e cancelasse a conta do site por divulgar discurso de ódio.

3 anos atrás

Hoje, 27/10/2018 um desqualificado chamado Robert Bowers invadiu a sinagoga Árvore da Vida em Pittsburg, Pensilvânia armado com um fuzil AR-15 e três pistolas. Três era também o número de comunidades judaicas da região que estavam confraternizando no local. Sem piedade ele começou a atirar, deixando onze mortos. Ao fugir foi detido por um policial, se refugiu na sinagoga e depois de um longo tiroteio onde feriu três policiais e levou vários tiros de menor gravidade, ele se entregou.

A ação toda durou 20 minutos, tempo suficiente para se tornar o maior atentado contra judeus na história dos EUA. O assassino, ao contrário do idiota mandando bombas pra figuras da oposição americana, não era partidário de Donald Trump, era coisa muito pior.

Bowers foi preso e arrastado pelos policiais enquanto gritava "Morte a todos os judeus". Ele mantinha um discurso anti-semita histérico que não perdoava ninguém. Entre seus muitos posts em redes sociais ele acusava Donald Trump de ser um fantoche manipulado pelos judeus, e afirmou mais de uma vez que não havia votado no laranjão.

A polícia diz que Bowers não era fichado nem estava em qualquer lista, e esse é o problema. O discurso de ódio dele era óbvio e público, difundido e amplificado nas redes sociais, principalmente no Gab, aquela rede criada para defender "liberdade de expressão".

Essa discussão é bem cabeluda, alguns defendem liberdade de expressão absoluta, outros que deve haver limites, mas quem define esses limites? Pode-se fazer caricaturas de Maomé? Se não pode Maomé, devemos estender essa proibição para todos os ícones sagrados? Algum sueco maluco adorador de Thor pode entrar com uma ação para impedir o lançamento do novo Guerra Infinita?

Se a liberdade de expressão não tem limites, podemos gritar "fogo!" em um cinema lotado? E não me venha com aquele papo de "não concordo com o que você diz mas defendo até a morte seu direito de dizê-lo", um sujeito veio com essa pra cima de mim, mudou de idéia na hora quando eu comecei uma frase com "então, sobre a vagabunda da sua mãe...".

Os posts do Bowers eram puro ódio, nada a ver com suásticas desenhadas com carinho e cuidado quase sem arranhar a pele das moças, ele e seus amigos despejavam o ódio de raiz, o ódio original, nazismo de verdade:

O Gab surgiu em resposta ao expurgo de perfis como o Alex Jones, expulso de quase todas as redes sociais por comportamento anti-social. Em teoria ele é uma rede social sem qualquer restrição à liberdade de expressão, mas o resultado real é que ele reuniu o pior que a Internet tinha a oferecer, é uma espécie de 4chan sem a tolerância e pluralidade de pensamento.

O pensamento no Gab aliás não era dos melhores. Alguns meses atrás alguém postou que "judeus deveriam ser criados como gado", o post chegou até a Microsoft, que hospeda o Gab no Azure, e compreensivelmente ninguém em Redmond gostou, e deram 48 horas pra apagarem o post ou perderem a hospedagem.

A contra-gosto Patrick Little, o neo-nazista autor dos posts os apagou, dizendo que "não teremos liberdade enquanto não expulsarmos os judeus".

Com essa fama, o Gab mobile não foi aceito na App Store da Apple, e foi banido da Google Play, por propagar discurso de ódio.

Bowes era especialmente revoltado contra a HIAS - Hebrew Immigrant Aid Society, uma ONG que originalmente ajudava imigrantes judeus mas que agora recebe, apóia e cuida de qualquer tipo de refugiado. Bowes achava que eram fachada para um plano sionista de infiltrar muçulmanos nos EUA, e o último post dele hoje foi este:

A idéia desse cara ter uma plataforma de divulgação de ódio desagradou muita gente, inclusive a direção do Paypal, que se tocou que o Gab usava o serviço para obter doações. Usando da prerrogativa de sua licença de uso, cortaram imediatamente a conta do Gab, que por incrível que pareça ainda se fez de sonso:

Como o Paypal é uma entidade privada, não está sujeita à Primeira Emenda da Constituição dos EUA, e mesmo lá a jurisprudência é que discurso de ódio não está protegido como liberdade de expressão. Há uma série de causas que o Gab poderia abraçar, professores perseguidos por Social Justice Warriors, atores boicotados por discurso conservador, até jornalistas da Fox News demitidos por alguma bobagem politicamente correta, mas... nazistas? Será que a Rosa Parks da liberdade de expressão tem que ser um nazista nojento?

Com a repercussão negativa o Gab suspendeu a conta de Robert Bowers, dizendo que não permite terroristas no serviço, o que é uma mentira, até a bomba estourar eles estavam perfeitamente felizes com os posts dele e de sua turminha da pesada:

Nos EUA o Gab tem liberdade para montar sua própria infraestrutura e continuar espalhando sua mensagem, mas vivemos em tempos onde corporações não são mais monstros monolíticos sem alma ou opinião, elas são cobradas e possuem princípios. Bem flexíveis, claro, mas por mais orientada ao lucro que uma corporação seja (e tem que ser mesmo) hoje em dia ajudar nazistas não é mais uma opção.

Se o Gab realmente não admite esse tipo de discurso, então que cuide do próprio lixo, senão todo mundo vai achar que eles apoiam ou não se importam, e se eles não se importam, o Paypal se importa.

ADENDO: Não é só o Gab que não se importa. Temos também o MAGABomber, o terrorista que mandou pelo menos 14 bombas pra CNN, pro George Soros, Obama, pros Clintons entre outros alvos era um trumpista fanático, que morava numa van com esta decoração na porta traseira:

Esse sujeito, Cesar Sayoc, já havia sido preso uma penca de vezes, por motivos que foram de agressão a posse de esteroides, inclusive uma ameaça de bomba em 2002. O perfil dele no Twitter era repleto de mensagens de ódio e teorias conspiratórias. Duas semanas atrás Rochelle Ritchie, uma estrategista dos Democratas apareceu na Fox News, caiu no radar de Sayoc e começou a receber um monte de ameaças.

Ela reportou o sujeito pro twitter. A resposta? Nah, ele não está violando nossos termos de uso, se quiser bloqueie e pronto.

Infelizmente não dá pra cortar o Paypal do Twitter.

Fonte: Verge

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários