Meio Bit » Ciência » Cientistas planejando uma nave espacial a vapor (não, não são brasileiros)

Cientistas planejando uma nave espacial a vapor (não, não são brasileiros)

3 anos atrás

A idéia de uma nave espacial movida a vapor pode soar idiota, merecedora do selo da Agência Espacial Brasileira, mas se pararmos pra pensar não é algo tão sem-sentido quanto parece.

Muita gente acha que vapor, assim como biologia é coisa do Século passado, mas vapor ainda é fundamental. Poucas substâncias são tão versáteis, tão simples de produzir e tão energéticas. Sabe o quê não existiria sem vapor? Um submarino nuclear.

O mais avançado sistema de propulsão produzido pelo Homem nada mais é do que uma chapa quente pra esquentar uma chaleira. Uma usina nuclear é basicamente um sonho steampunk, o calor da reação nuclear esquenta água, produzindo vapor que é direcionado para uma turbina que gira, acionando um gerador e produzindo eletricidade.

No caso dos submarinos classe Tufão ela alimenta os motores elétricos, as luzes de bordo, unidades de dessalinização e o aquecimento da piscina de bordo, afinal comunistas também gostam de conforto.

Óbvio que nada espacial pode ser movido a vapor de forma convencional, imagine a quantidade de água que o Falcon 9 teria que levar, e a propulsão conseguida seria uma fração da necessária, mas há um caso em especial onde vapor faz sentido, e está sendo o foco do projeto WINE (World Is Not Enough), da Honeybee Robotics, da University of Central Florida e da Embry-Riddle Aeronautical University.

Encédalo, uma das luas de Saturno

Eles visualizaram o problema de explorar satélites distantes, onde uma sonda leva anos para chegar. É inviável mandar robôs com rodas para terrenos que são impossíveis de atravessar, e mesmo quando a área é relativamente plana, a Opportunity percorreu 45Km em Marte, mas levou 14 anos pra fazer isso, até o Rubinho reclamaria.

Idealmente uma sonda em um satélite com baixa gravidade deveria pousar, sondar, fotografar e quando tivesse esgotado o interesse científico na área, decolar e pousar algumas dezenas ou centenas de quilômetros dali, em outra área geograficamente diversa.

O problema é que depois de alguns saltos ela esgotaria o combustível, mas o projeto da WINE resolve isso.

O conceito é simples (no papel): A sonda pousará na superfície do satélite, então no melhor estilo Kerbal começará a perfurar o solo, recolhendo a terra para um compartimento que através de processos físico-químicos retirará a água presente na amostra.

A água seria armazenada em uma unidade refrigerada, e aos poucos o tanque seria enchido. Quanto tivesse bastante água uma unidade de aquecimento criaria vapor sob pressão, que seria ejetado criando propulsão, levando a sonda para outro local e o ciclo se reiniciaria.

A energia para isso pode ser obtida por painéis solares ou termogeradores nucleares, no momento não importa, o importante é que o conceito já foi testado na prática, e funciona.

O projeto é tão sério que só a fase de modelar as equações e projetar os sistemas de propulsão levou três anos.

Em tempos em que o foguete futurista de Elon Musk se parece com uma nave espacial da ficção científica dos Anos 50, é bem apropriado que a esperança para alcance ilimitado nas sondas que explorarão os mundos de Júpiter (menos Europa) use... vapor.

E sim, há um vídeo do brinquedo:

Fonte: Phys.org

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários