Meio Bit » Mobile » Os acertos (e erros) do Motorola One Zoom [review]

Os acertos (e erros) do Motorola One Zoom [review]

Ele é o primeiro Motorola One sem Android One e isso acaba pesando no final das contas

37 semanas atrás

Em 2019 a Motorola resolveu mudar bastante a forma de lançar novos smartphones e vem soltando por demanda, trocando os Snaps da linha Z (que anda sumida do Brasil) por intermediários com funções bem específicas. É o caso do Motorola One Zoom, o terceiro da linha One, primeiro de todos da empresa com quatro lentes na traseira e também é o primeiro Motorola One que não utiliza o Android One.

motorola one zoom hero

Ele foi lançado por R$ 2.499 e é basicamente tudo que eu já falei do One Vision, só que com outra pegada nas fotos e uma dose extra na bateria. Eu passei algumas semanas com ele como meu único celular no bolso e digo aqui o que me chamou atenção e o que pode ser um problemão tanto pros usuários como para a própria marca.

Primeiro contato

motorola one zoom caixa

Se você já viu meu texto sobre o Motorola One Vision, não terá diferenças por aqui. O Zoom continua com uma caixa roxa com nome “motoroláune”, que não muda se você escolher outra cor para o aparelho e dentro dela há um cabo USB-C, fones de ouvido no formato intra-auricular e carregador de 18 watts, junto da papelada que você deveria ler, mas faz como eu e joga tudo fora - depois sai buscando o manual em PDF no site do fabricante, né?

O Motorola One Zoom é maior e mais pesado do que o Motorola One Vision, diferença que pode ser explicada pela configuração de câmeras e pela bateria que é um tantinho maior. Mesmo assim a pegada não fica prejudicada e o que atrapalha mesmo é o calombo da parte traseira.

motorola one zoom calombo

Ele está mais protuberante e largo do que o Vision, colocando até mesmo o logo da Motorola em uma forma pouco comum e que eu acho um exagero de propaganda: ele tem luz. Certamente alguém da Motorola tem um Macbook dos mais antigos e sempre viu aquela maçã acesa, brilhando em forma de publicidade velada.

O fulano (ou a fulana) pegou a ideia e colocou aqui, mas ao menos no Zoom este recurso pode ser desligado - ou transformado em notificação, que infelizmente não pode ser pra mais do que ligações, SMS e um pacote pequeno de coisas extras.

motorola one zoom trazeira pisca

Hardware repetido, mas sem Android One

Além da câmera e do Android One, outro ponto de mudança deste modelo é a tela. O One Zoom é o primeiro modelo dos Motorola One que conta com uma tela que não tem furo pra câmera frontal. Ele trouxe um notch em forma de gota no centro do display, que é um OLED de 6,4 polegadas e com resolução Full HD+ (2340 x 1080 pixels), na proporção de 19:9.

motorola one zoom tela notch

Mesmo sendo OLED, as cores não estão configuradas para maior saturação, como acontece com o mesmo tipo de tela que está nos Samsung Galaxy. Se você, como eu, gosta de mais cores, é só entrar nos ajustes e alterar o que precisa.

tela

Desde o One Vision, os aparelhos desta linha acompanham 128 GB de memória interna e 4 GB de RAM. Neste modelo a Motorola colocou um Snapdragon 675 no lugar do Exynos 9609, que é meio que trocar seis por meia dúzia. O desempenho é exatamente o mesmo, não senti travamentos e lentidões em nenhum momento e nem mesmo por conta do software. Se você quer saber quanto isso pode ser traduzido em uso real, recomendo a leitura do meu review do Motorola One Vision.

Aqui, o Android é outro e este é o primeiro smartphone desta linha sem o Android One. Isso significa quase nada pro usuário médio. Olhando de frente os dois contam com os mesmos menus, a mesma interface gráfica e quase que o mesmo pacote de aplicativos pré-instalados.

motorola one zoom ui

O que muda é que a promessa de atualizações não é a mesma e este é um ponto crucial para uma parte do público - que está longe de ser a maioria. Essas pessoas querem o Android mais recente e da forma mais rápida, isso deixa de existir aqui.

O Android One obriga os fabricantes a atualizarem o aparelho por duas atualizações grandes de Android e três anos de atualização para segurança, com os correções mensais. No Motorola One Zoom o aparelho será atualizado apenas para um grande update, que é o Android 10 e que já está disponível no mercado, com dois anos de atualizações de segurança.

motorola one zoom gira

A pior parte é que estes patches deixam de chegar mensalmente e passam para um download trimestral, que abre brechas que vão demorar mais tempo para serem corrigidas.

Mancada, Motorola!

Quatro olhos, que perderam o timming

Se o hardware é basicamente o mesmo do aparelho anterior e o mesmo vale para o software, na câmera tudo muda. Por aqui são quatro sensores, sendo que você trabalha efetivamente com três deles. O principal tem exatamente as mesmas capacidades do One Vision e isso significa 48 megapixels, fotos muito boas em ambientes iluminados e fotos excelentes, acima de toda a concorrência direta, quando a noite chega.

De dia as cores ficam vivas, alegres e exageradas em um tom típico da Motorola. Pode soar um pouco rude pra algumas pessoas que preferem algo mais natural, mas a preferência por fotos mais vivas aparece em muitos criadores de conteúdo e até mesmo comigo.

O toque extra é sutil e agradável, mas que pode ser alterado posteriormente no aplicativo Fotos do Google - que consegue dar uns toques mágicos até mesmo no modo de melhoria automática.

O segundo sensor é ultrawide, que sempre tende a entregar enquadramentos mais bacanas, mas sem a mesma robustez de detalhes da câmera principal. É bom? É, claro que é, mas não é algo surpreendente. Talvez a resolução de 16 megapixels e lente mais clara, com f/2.2, ajude.

A aproximação de três vezes, em lente apenas para isso, é boa e entrega resultados um tiquim melhores do que a ultrawide. O problema é que este zoom chegou atrasado e a Huawei já tomou a cena com o P30 Pro, que tem 5 vezes de aproximação ótica. Outro ponto que me deixou menos animado é que para o zoom, o smartphone tem apenas 8 megapixels e isso, junto da abertura de f/2.4 da lente, atrapalha um pouco.

Bela bateria

No tanque são 4.000 mAh de capacidade e isso é mais do que outros modelos da mesma linha de aparelhos. É bastante, o suficiente pra me deixar fora da tomada pela manhã e seguindo durante o dia inteiro, escutando música e podcasts, navegando sempre em 4G e sem desligar Wi-Fi em momento algum, junto de Bluetooth que alimenta um smartwatch e alguns jogos ocasionais, como um Mario Kart ou Call of Duty Mobile, pra voltar pra casa no fim do dia com mais ou menos 40% de bateria sobrando.

O carregamento pelo adaptador que vem da caixa é rápido, mas poderia ser melhor. Ele entrega bastante energia logo de cara, mas para a saúde da própria bateria a recarga vai caindo e completar os 100% vai te obrigar a ficar uma hora e cinquenta minutos na tomada. Certamente seria melhor se o carregador do Moto G7 Plus estivesse aqui, que deixaria os 18 watts do Motorola One Zoom para 27 watts de pura cremosidade.

E ai, o Motorola One Zoom vale a pena?

Olha, eu gostei do hardware, acho que a solução de câmeras pode atender o usuário médio e as fotos noturnas realmente chamam atenção pela beleza, só que o fim do Android One no Motorola One Zoom pesa bastante na conta. Uma cereja extra fica no carregador que vem na caixa, que poderia ser o mesmo do intermediário concorrente da mesma marca, mas não é.

motorola one zoom mao

O que me preocupa é que o preço de lançamento de R$ 2.499 é maior do que no Motorola One Vision, que vai solucionar o Android One, tem as mesmas fotos do sensor principal e já pode ser encontrado por preços mais modestos.

Ter o Android One significa uma atualização extra que levará o aparelho até o Android 11, junto de correções de segurança mais corriqueiras e por um ano além do One Zoom. Isso faz toda a diferença na segurança de uso do próprio usuário. O Android 11 nem é um ponto tão importante, mas a segurança é.

Por outro lado, o One Zoom é o aparelho da linha One mais completo que existe. Ele tem mais opções de câmera, mais bateria, desempenho de sobra e uma tela OLED bastante competente. Se você ama a Motorola, será uma compra muito boa, mas se apenas gosta da marca e quer um custo-benefício mais interessante, eu iria de One Vision.

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários