Meio Bit » Games » Jogadores estão gastando menos no Fortnite

Jogadores estão gastando menos no Fortnite

Empresa afirma que o faturamento do Fortnite vem diminuindo desde o início de 2019 e que as microtransações no geral estão perdendo força

45 semanas atrás

Sendo um dos maiores fenômenos dos últimos anos, Fortnite foi uma bela aposta da Epic Games, um jogo que só no ano passado teria levado US$ 2,4 bilhões aos cofres da empresa. Mas sabe aquele papo de que o difícil não é chegar ao topo, mas manter-se por lá? Pois há indícios de que o battle royale estaria vendo seu faturamento diminuir.

Fortnite

O alerta, se é que podemos chamar assim, foi disparado pela SuperData, empresa que divulgou um relatório recentemente onde diz que os jogadores não estão mais gastando no Fortnite como faziam antigamente. Segundo o documento, as compras feitas dentro o game estão “caindo desde o início de 2019, com a receita combinada do PC, consoles e mobile falhando em quebrar [a marca de] US$ 100 milhões em setembro de 2019.

O que torna o relatório ainda mais interessante é o fato dele afirmar que mesmo com essa diminuição, a criação da Epic tem se saído melhor que outros jogos que se valem das microtransações, como o FIFA 20, Madden NFL 20, Apex Legends ou Destiny 2. Nestes, apenas 2% dos jogadores teriam gasto com a compra de itens in-game, enquanto que no Fortnite seriam 8%. O número só não é superior ao registrado pelo Call of Duty: Black Ops 4, já que por lá a mesma quantidade de pessoas gastaram com microtransações.

Realizada com 3.000 norte-americanos com idade acima de 13 anos, a pesquisa ainda descobriu que considerando apenas o mês passado, 51% das pessoas não gastaram dinheiro com itens vendidos dentro dos jogos. Além disso, ela revelou que os gastos deste tipo feitos em consoles tem caído desde o início do ano, enquanto que no PC eles se mantiveram estáticos.

Diante deste cenário, a SuperData chegou à conclusão de que as empresas precisam mudar a maneira como vem tentando lucrar com o modelo free-to-play, tendo inclusive sugerido que o modelo está no seu limite.

Os gastos in-game como conhecemos chegaram a um ponto de saturação. Entre loot boxes, passes de temporada, booster packs únicos e compras de [itens] cosméticos individuais, não faltam táticas de monetização nos jogos. Essas estratégias, contudo, não estão atraindo todos a comprarem conteúdo adicional. Os desenvolvedores precisam procurar e identificar a melhor abordagem para converter os jogadores em gastadores ou ganhar novamente a confiança dos jogadores que foi perdida devido a má implementação de modelos de microtransações.

Será mesmo que a bolha das microtransações estourou? Na minha opinião ainda é um pouco cedo para fazer tal afirmação, mesmo porque os números obtidos pela SuperData levam em consideração apenas um mercado. Ainda assim, é evidente a insatisfação de boa parte do público com a maneira como algumas empresas tem tentando aumentar seus faturamentos, principalmente quando se trata de títulos pelos quais pagamos o preço de um lançamento.

O lado positivo disso tudo é que mesmo que não seja na velocidade que gostaríamos, alguma editoras tem implementado mudanças nos jogos que lançaram e se as vendas in-game realmente registrarem uma queda significativa em 2019, acredito que a situação tende a melhorar consideravelmente para os consumidores nos próximos anos.

Fonte: VG247.

relacionados


Comentários