Meio Bit » Games » Aperte F para Kazuhisa Hashimoto, ou melhor: ⇧⇧⇩⇩⇦⇨⇦⇨BA

Aperte F para Kazuhisa Hashimoto, ou melhor: ⇧⇧⇩⇩⇦⇨⇦⇨BA

Kazuhisa Hashimoto, desenvolvedor da Konami nos deixou dia 25/2/2020. Seu legado vai além de ter trabalhado em jogos. Ele é o criador do imortal Konami Code

2 anos atrás

Kazuhisa Hashimoto é parte de uma espécie em extinção, e tivemos o raro privilégio de compartilhar o mundo com ele. Hashimoto é um raro espécime da humanidade que contribuiu imensamente para a alegria de milhões e milhões de crianças pelo mundo, graças a uma idéia bem mais antiga, de 1979 criada por Warren Robinett.

Em 1979 a Atari lançou o Adventure, um jogo que era uma verdadeira obra de arte da macumbaria da programação. Escrito em assembler (se você fala assembly você é n00b) e ocupando menos de 4KB de ROM, o jogo tinha mais de 30 salas e um monte de objetos, vários inimigos e uma história coesa. Programado por Warren Robinett, Adventure vendeu mais de um milhão de cópias.

O que ninguém sabia era que Warren não estava satisfeito com a Atari. Seu salário anual era de US$22 mil, e só com as vendas diretas do jogo a empresa faturou US$25 milhões. Para piorar a Atari proibia listar o nome dos programadores nos materiais dos jogos, com medo de serem roubados pela concorrência.

Warren pensou então em uma forma de se não tivesse compensação financeira, ao menos ganharia na moeda mais popular online hoje em dia: Exposição.

Ele inseriu no código do Adventure o que seria o primeiro Easter Egg em grande escala. Depois de uma elaborada sequência de ações o jogador consegue chegar a uma sala invisível e descobre uma tela com a mensagem "Created by Warren Robinett". A Atari não ficou feliz, e tentou apagar a mensagem, mas Warren já havia deixado a empresa o único programador que acharam pra tarefa, Brad Stewart, disse que só faria se mudasse a mensagem para "Consertado por Brad Stewart".

No final o custo de criar um novo CHIP com a ROM modificada sairia muito caro, e um executivo mais esperto entendeu que os jogadores considerariam o Easter Egg um desafio, ele foi mantido e até incentivaram outros desenvolvedores para incluírem brincadeiras parecidas em seus jogos.

Já em 1986 o problema era outro, e envolvia esse tiozinho aqui:

Ele é o honorável Kazuhisa Hashimoto, então desenvolvedor da Konami. Seu problema é que o jogo em que estava trabalhando, Gradius, no port para o Nintendo, era difícil demais e ele morria muito. Ele teve então uma idéia: Criou uma subrotina para dar ao jogador todos os power-ups do jogo. O truque era simples, o jogador dava pause, e no controle inseria o comando:

⇧⇧⇩⇩⇦⇨⇦⇨BA <START>

Tudo perfeito, software finalizado, testado, regra "If it compiles, ship it" aplicada, o Gradius para NES foi lançado. Você lembrou de desabilitar o cheat code? Pois é, nem o Hashimoto-san.

Na dúvida, a Konami achou melhor não mexer no programa, ou teriam que fazer toda uma nova bateria de testes de certificação, e de qualquer jeito o que viria a ser chamado Konami Code vazou (claro) e caiu no gosto dos jogadores.

Inúmeros meninos (e algumas meninas, Gamergate não existia então) mostraram orgulhosos aos amigos o incrível truque do Konami Code (muitas vezes assumindo a autoria da descoberta, claro) e para a plebe eles eram o...

A sequência de comandos voltou a ser usada, desta vez propositalmente nas continuações do Gradius, depois em outros jogos, como a série Contra, MGS e inúmeros outros.

Deixando de ser uma curiosidade específica de videogames de uma empresa específica, o Konami Code caiu no imaginário popular nerd, foi preservado e reutilizado, e com o advento da Internet apareceu até em sites. No Buzzfeed ele gera balõezinhos.

O Assistente do Google também reconhece a sequência.

Ela foi parar até em Detona Ralph:

Agora infelizmente Kazuhisa Hashimoto nos deixou. Aos 61 anos, dia 25 de Fevereiro de 2020, o criador do Konami Code morreu, talvez sem compreender o efeito de sua pequena criação no Grande Esquema das Coisas. Afinal, pra um garoto nos anos 90 descobrir o Konami Code era se tornar o Rei do Mundo!

relacionados


Comentários