Meio Bit » Engenharia » A Bomba Brasileira do Apocalipse

A Bomba Brasileira do Apocalipse

O Projeto Trocano é uma bomba brasileira termobárica que pode estar entre as mais poderosas do mundo. O impressionante: Ela provavelmente já existe

23 semanas atrás

De todos os cenários de apocalipse, o que menos me preocupa é o de invasão alienígena. Duvido que aliens sejam tão bons na arte de atomizar matar esmigalhar seus inimigos quanto a gente. E ninguém escapa. Adoramos vender a ideia que somos um povo pacífico, mas uma bomba brasileira pode estar entre as três mais poderosas do mundo.

Mesmo com a invenção das bombas atômicas, explosivos convencionais continuaram na moda. Por algum motivo as pessoas ficam melindradas se você sai explodindo artefatos termonucleares sem muito critério, e de qualquer forma se você só quer destruir um prédio, e não uma cidade, uma bomba menor é suficiente.

E de bombas nós entendemos. Desde que os aliens (sim, estou vendo History Channel demais) ensinaram aos chineses como fazer pólvora, resolvemos todos os nossos problemas com bombas. Criamos explosivos melhores, mais poderosos e estáveis, mas todos tem algo em comum: Geram uma explosão em um ponto no espaço, que libera uma enorme quantidade de energia, gerando uma onda de choque e estilhaços.

Se você quiser uma bomba maior, é só ir acrescentando explosivos, mas chega uma hora que isso se torna pouco prático. A maior bomba já feita foi a americana T-12 Cloudmaker, uma penetradora (ui!) criada para ser lançada de grande altitude, atingir velocidade supersônica, perfurar vários metros do teto de um bunker (inimigo, de preferência) e então explodir.

Acima de uma determinada quantidade de explosivos, o próprio explosivo é espalhado pela explosão, diminuindo sua eficácia. Ao invés de uma onda de choque poderosa de um ponto único você acaba com várias ondas de choques menores.

Felizmente um grupo de sujeitos muito degenerados das ideias começou a observar que explosões com quantidades de explosivos bem menores, e às vezes nem precisa ser explosivo explosivo. Um risco muito comum em silos de armazenamento de grãos são as explosões quando a atmosfera fica lotada de cascas e fragmentos, e uma fagulha causada por eletricidade estática dá início a uma reação em cadeia.

Esse tipo de explosão já aconteceu muito também em minas de carvão e em 2008 uma refinaria de açúcar nos Estados Unidos entrou explodiu horrivelmente matando 14 pessoas.

Os projetistas de bombas começaram a pensar... como uma explosão de palha de arroz pode ser mais eficiente do que TNT? Surgiu então o conceito de munição termobárica, do grego termos, calor, baros pressão e strategos, estratégia. Em inglês, strategy...

Normalmente uma bomba contém o explosivo e o oxidante juntos. Na fórmula clássica de pólvora, enxofre, salitre e carvão, o salitre (nitrato de potássio) doa átomos de oxigênio para a reação:

2 KNO3 + S + 3 C → K2S + N2 + 3 CO2

No caso das bombas termobáricas, ocorrem DUAS explosões: Uma convencional espalha o explosivo principal em uma grande nuvem. O explosivo se espalha pelo ar, misturando-se com o oxigênio da atmosfera. Então a explosão secundária ignita, igne detona a nuvem, gerando uma explosão que não vem de um ponto, mas de uma área com centenas de metros de diâmetro.

A onda de choque é brutal, horrenda.

Obviamente isso foi transformado em arma de guerra, e até pouco tempo a maior de todas era a MOAB, GBU-43/B apelidada nos EUA de Mãe de Todas as Bombas. São 9 metros de comprimento, 9.1 toneladas de peso e capacidade de destruir nove quarteirões de uma cidade.

Obviamente também os russos não ficaram pra trás, e logo depois apareceram com a FOAB - Pai de Todas as Bombas, um design bem mais eficiente, que embora pese só 7 toneladas tem capacidade explosiva comparada a 44 toneladas de TNT, contra 11 toneladas da bomba americana.

A surpresa é que há um terceiro competidor nessa brincadeira, com uma bomba termobárica de respeito, embora o nome em português seja "bomba de sopro" e isso não dá pra respeitar.

Enterrada no fundo (pág 569)  de um relatório do Ministério da Defesa de 2007, há UMA referência à bomba brasileira, o Sistema TROCANO:

Dentre os principais resultados alcançados, destacam-se os avanços ocorridos no desenvolvimento dos mísseis ar-ar MAA-1B e anti-radiação MAR-1, a produção nacional de sensores infravermelhos, o desenvolvimento de artefato ar-solo de grande efeito de sopro (Trocano) e a realização da prova de conceito de um gerador de pulso eletromagnético.

Sim, o Brasil está desenvolvendo também uma arma de pulso eletromagnético mas isso é assunto pra outro post.

Note que o texto fala de resultado alcançado, em teoria a bomba já estaria desenvolvida.

Em outro relatório, dessa vez um material de 2011 do Instituto de Aeronáutica e Espaço, a bomba brasileira é listada como tendo obtido...

(...) o Certificado de Produto Aeronáutico Aprovado, o que significa que todos os requisitos foram atendidos e o Certificado de Integração à Aeronave C-130.

E sim, temos fotos:

Mais adiante o texto descreve a função da bomba brasileira termobárica:

Trata-se de um sistema de defesa que pode ser utilizado para interdição de grandes áreas e para abertura de clareiras que possibilitem o pouso de aeronaves de asas rotativas em área de mata fechada.

São nove toneladas de explosivos, capazes de destruir tudo num raio de 1Km, incluindo o Coronavirus (aqui, Google, pega, isca). Aparentemente a bomba brasileira termobárica já está operacional, testada aprovada e certificada.

Claro, esse tipo de conquista não é divulgado, fica feio e vai contra a Narrativa de que somos um país pacífico, e nem vou mencionar que somos o terceiro maior exportador de armas leves.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários