Meio Bit » Ciência » IBM abandona tecnologia de reconhecimento facial

IBM abandona tecnologia de reconhecimento facial

IBM se opõe ao uso de reconhecimento facial para vigilância em massa; abandono da tecnologia teria se dado por não ser lucrativa

10/06/2020 às 8:25

A IBM está se retirando do mercado de tecnologias para reconhecimento facial. Em uma carta aberta enviada ao Congresso dos Estados Unidos, o CEO Arvind Krishna anunciou não só que a empresa não vai mais desenvolver, oferecer, endossar ou investir em softwares ou recursos do tipo, como irá se opor ao seu uso para monitoramento em massa e vigilância da população.

Embora o timing seja oportuno, tal decisão não foi tomada de um dia para o outro: a IBM estaria saindo do setor por este não ser lucrativo o bastante.

Reconhecimento facial / IBM

Na carta, o executivo explica que a IBM não irá mais manter o desenvolvimento de suas soluções de reconhecimento facial, bem como não irá mais direcionar recursos para pesquisas de outros no setor. Ao mesmo tempo, a companhia assumirá uma posição contrária ao seu uso para monitoramento de população e definição de perfis sociais baseados em vieses raciais, por quem quer que seja. Em suma, qualquer uso prejudicial será combatido pela IBM.

Ao mesmo tempo, Krishna cobrou o Congresso e governos em geral a implementarem regulações mais severas para o uso de sistemas de IA e reconhecimento facial como ferramentas de monitoramento e vigilância por órgãos de segurança, como (obviamente) a força policial.

O CEO da IBM não explica quais foram os motivos que levaram a empresa a abandonar o reconhecimento facial, mas é fato que a decisão se relaciona diretamente à onda de protestos nos EUA após o assassinato de George Floyd, em mais um caso de abuso policial e discriminação racial. Entre as pautas defendidas pelo movimento Black Lives Matter e outros, a principal é a reforma imediata da força policial, ponto este defendido por Krishna:

"O Congresso deve submeter mais casos de má conduta policial ao âmbito do tribunal federal, e fazer modificações na doutrina de imunidade qualificada, que impede os cidadãos de buscar reparações quando a polícia viola seus direitos constitucionais. O Congresso também deve estabelecer um registro federal de má conduta policial, e adotar medidas para incentivar ou obrigar estados e cidades a revisar e atualizar políticas de uso da força."

Krishna acrescenta que este é o momento de empresas e governos considerarem se é válido empregar softwares de reconhecimento facial, e/ou sistemas especialistas para o monitoramento da população pelas forças de aplicação da Lei, ainda mais em um momento que os abusos da polícia dos EUA, principalmente contra a população negra, ficaram ainda mais evidentes.

IBM / Arvind Krishna

Arvind Krishna, CEO da IBM: empresas e governos devem repensar uso do reconhecimento facial por forças da Lei

Embora a decisão da IBM esteja alinhada com a de várias empresas que vêm apoiando o movimento Black Lives Matter, quem conhece o mercado corporativo sabe que it's all about business e que o timing foi muito conveniente. Segundo a rede CNBC, o setor não era uma fonte rentável o suficiente, para justificar a continuidade nos esforços de desenvolvimento.

Já uma fonte próxima informou à Reuters que a decisão de sair do setor de softwares e soluções para reconhecimento facial foi uma decisão tomada após meses de estudos, e que mesmo tendo pulado fora e assumido uma posição de oposição a outras companhias, a IBM continuará a dar suporte aos clientes que já usam seus produtos.

Resta saber se o suporte da IBM inclui governos e forças policiais que usam seus softwares de vigilância hoje, visto que estes são os principais compradores de tal tecnologia.

Com informações: IBM, CNBC, Reuters

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários