Meio Bit » Ciência » 9 das mais incríveis armas secretas nazistas

9 das mais incríveis armas secretas nazistas

Armas secretas são usadas em todas as guerras; algumas funcionam, outras nem tanto. Conhece nove das ideias mais mirabolantes dos nazistas na 2a Guerra

30/06/2020 às 2:40

Spitfires, Stukas, Panzers, V2, Yamato, todo mundo conhece as grandes armas da Segunda Guerra, mas junto delas todo mundo mantinha seu programa de armas secretas, em busca de uma vantagem decisiva. Algumas eram mirabolantes e fantasiosas, outras revolucionárias e implementadas, como os foguetes V2, mas nenhuma teve produção em escala suficiente para mudar o destino da Guerra.

Sim eu também achei uma imagem bem bizarra. No final do artigo eu explico.

Neste artigo vamos conhecer dez armas secretas nazistas, algumas usadas em combate, outras apenas sonhadas, mas todas demonstrando que a tecnologia e a imaginação dos cientistas da década de 1930/40 não tinham nada de primitivo.

1. Sonnengewehr

A ideia em si remonta a Arquimedes, mas foi durante a Segunda Guerra Mundial que essa arma secreta foi pensada em toda sua glória. Era praticamente a Estrela da Morte de Hitler. Com o sucesso do programa dos mísseis V2 cientistas alemães começaram a pensar no futuro.

A Sonnengewehr – arma solar – era uma estação espacial na forma de um gigantesco espelho circular com 9Km2 de área. Ela orbitaria a Terra a uma altitude de 8200Km. A superfície de sódio metálico altamente refletora concentraria os raios solares, incinerando qualquer cidade inimiga, tropas, formações navais, tudo.

Construída aos poucos, a Estação teria uma tripulação permanente e até fazendas hidropônicas. De longe a mais ambiciosa entre todas as armas secretas de Hitler.

As estimativas é que levariam 50 a 100 anos para construir a Sonnengewehr, parece muito mas como o Reich iria durar 1000 anos, era até rapidinho.

2. Fliegerfaust

Essa arma passou décadas na obscuridade, foi recuperar graças a designers de videogames desesperados atrás de novidade, mas por um tempo era a esperança da Alemanha Nazista.

A Luftwaffe era só uma sombra do que foi no passado. Aeronaves aliadas atacavam as tropas alemães indiscriminadamente. Não havia nada muito eficiente e portátil para contra-atacar os aviões de ataque a solo. Eis que surge a Fliegerfaust, um equipamento portátil com nove canos, disparando um projétil de 20mm com um corpo de foguete.

Cada projétil tinha dois furos na lateral para fazê-lo girar, criando estabilização, e em teoria a arma teria alcance de 500 metros. Foram encomendados 10 mll Fliegerfausts e um milhão de projéteis, mas a Realidade não colaborou. Ao contrário do Battlefield V na Segunda Guerra a Fliegerfaust não chegava nem perto dos 500m de alcance prometidos, e a precisão era mínima. No final menos de 80 foram construídos. Ele é uma das armas mais secretas nem por segredo mas por ninguém lembrar dela mesmo.

3. Schwerer Gustav

Desde que o mundo é mundo guerra se resume a dois grupos de macacos pelados atirando pedras uns nos outros. Vence quem atira mais pedras, mais pesadas, mais longe.

Por questões práticas as maiores peças de artilharia móveis eram instaladas em navios. Com o advento das ferrovias, armas em trens aumentaram o calibre dos canhões móveis, mas na Segunda Guerra Hitler, que não sabe brincar, apareceu com um canhão tão grande que ocupada duas linhas ferroviárias.

O Schwerer Gustav foi construído segundo especificações do Alto Comando Alemão. Um monstro de 1000 toneladas, ele everia disparar projéteis de 7 toneladas e 80cm de diâmetro. Seu objetivo era destruir as defesas durante a Batalha da França, mas os franceses se renderam antes que o Gustav ficasse pronto.

Mesmo assim a construção continuou, e o Gustav depois de pronto foi mandado para a Crimeia em 1942, aonde participou do Cerco de Sevastopou, com resultados devastadores, atingindo alvos a 47Km de distância, destruindo bunkers protegidos por 10m de concreto e 1 metro de aço.

Talvez nem seja justo listar o Gustav entre as armas secretas, afinal como esconder um bicho desses?

De qualquer jeito, era inviável usar o Schwerer Gustav em todo lugar. Instalá-lo significava construir linhas férreas especiais, remontar a arma inteira e dar manutenção em cada parafuso. Para instalá-lo na Crimeia foram usados 4000 homens e levou cinco semanas. Após isso operar o canhão exigia 500 homens e ele tinha uma cadência de tiro de um disparo a cada 30-45 minutos.

4. Arado Ar 234

Uma inverdade muito repetida é que o Messerschmitt ME-262 foi o único jato da Segunda Guerra, mas ambos os lados já tinham vários modelos, e a Alemanha especialmente tinha uma longa lista, entre protótipos, projetos e equipamentos operacionais.

Um deles era o Arado Ar 234, o primeiro bombardeiro a jato operacional da História. E não só isso, suas especificações eram impressionantes. Seu teto de serviço era de 10 mil metros, sua velocidade máxima de 742Km/h. Isso significava que se um Spitfire aparecesse, tudo que tinham a fazer era fugir, o melhor caça Inglês voava a 600Km/h.

Uma das versões usava um trem de pouso destacável, e esquis para pousar, tudo pra economizar peso.

Infelizmente, ou melhor, felizmente ele nunca funcionou como arma secreta; Hitler odiava bombardeiros, e insistiu que o Ar 234 fosse usado primariamente como aeronave de reconhecimento, tarefa que cumpriu com total impunidade até o final da guerra. O Arado Ar 234 estava tão adiante de seu tempo que entrou em serviço em 1943, com 214 unidades construídas. O primeiro bombardeiro a jato dos Estados Unidos, o B-45 Tornado só foi voar em 1947.

5. Vergeltungswaffe 3

A chamada “Arma da Vingança 3” era um canhão (na verdade seria uma bateria deles) construídos em Pas-de-Calais, na costa francesa, com o objetivo de atingir Londres. Normalmente os dois lados trocavam tiros, com 35Km de distância entre Dover e a França, era tranquilo para canhões se estapearem, mas Londres era bem mais distante.

A ideia do Vergeltungswaffe 3 era ser um canhão não com uma carga de propelentes detonando empurrando o projétil, mas várias cargas explodindo em sequência, acelerando mais e mais.

O canhão final teria 130 metros de comprimento, disparando um projétil de 140Kg a 165Km de distância, a uma cadência de 300 disparos por hora. Isso seria devastador.

À medida que o projétil passasse por cada câmara de combustão, a carga explosiva de propelente seria detonada, acelerando mais ainda o projétil.

O que não deu certo: Inicialmente foi muito difícil sincronizar as várias câmaras de propelentes, e projetar o projétil também não foi um passeio. O projeto acabou sofrendo intervenção militar e só começou a mostrar resultados tarde demais, antes de estarem prontos pra atacar Londres. Os aliados bombardearam as áreas de construção e o sonho acabou.

6. Silbervogel

Hitler havia lançado uma proposta para as empresas aeronáuticas, ele queria um bombardeiro capaz de atacar o território continental dos Estados Unidos. A maioria das empresas apresentou projetos convencionais, mas um casal de engenheiros, Eugen Sanger e Irene Bredt pensaram fora da caixa. Para sua decepção, fora da caixa demais.

O Silbervogel (Pássaro Prateado)  também era conhecido como RaBo (Raketenbomber, Bombardeiro-Foguete) mas melhor ficarmos com o primeiro nome. Ele seria montado em um trilho de três Km, aonde um trenó-foguete o aceleraria até quase 2000Km/h.

No ar, ele embicaria para cima, acionaria um motor de foguete e subiria para uma altitude de 145Km, viajando a 21.800Km/h. Em trajetória parabólica, o Silbervogel começaria a descer, mas quando atingisse as camadas superiores da atmosfera suas asas gerariam sustentação, ele quicaria, subindo novamente, como caco de telha atirado em um lago.

Essas manobras seriam repetidas até o bombardeiro atingir os Estados Unidos, quando soltaria uma bomba de 4 toneladas e continuaria quicando até chegar no território japonês. A ideia era extremamente ousada, mas dada a tecnologia da época era sensato rejeitar a proposta.

7. Focke-Wulf Triebflügel

Esse talvez seja o avião mais esquisito da Segunda Guerra Mundial. Para sorte dos pilotos de prova que certamente morreriam em seu desenvolvimento, a guerra acabou antes que o Triebflügeljäger (também era chamado assim) saísse da fase de maquete.

O racional era que muitas fábricas e áreas estratégicas não tinham uma pista de pouso por perto, e a única forma de proteger essas regiões de bombardeiros inimigos seria com um caça de decolagem e pouso vertical.

O Tribufu resolvia isso com um conjunto de hélices-asas movidas por três ramjets, um tipo de motor a jato de alta performance que só funciona em grandes velocidades. Ele teria velocidade máxima de 1000Km/h, velocidade máxima em mergulho de 2700Km/h e um teto de 15.3 Quilômetros. Com essas características ele seria invulnerável às escoltas de caças aliados, mas no final tudo que conseguiu foi uma ponta em Capitão América.

8. Landkreuzer P. 1000 Ratte

O M1A2C Abrams é um dos maiores tanques da atualidade. Pesa 66.8 toneladas, tem 7.9 metros de comprimento e quatro tripulantes. O Rato, projeto que deixava Hitler todo animadinho se fosse construído humilharia o americano.

Era uma proposta tão insana que mesmo tendo sido aprovado em 1942 pessoalmente por Hitler, em 1942 Albert Speer cancelou o projeto do que estaria entre as mais impressionantes e pouco práticas armas secretas do Reich.

Com 1000 toneladas, o Rato teria 35 metros de comprimento, dois canhões navais de 280mm e 41 tripulantes. Seus oito motores diesel gerando 17000hp o moveriam a 40Km/h, se achassem estradas com 14m de largura pra esse bicho passar.

9. O Canhão de Vórtice

Em algo que parece mais história dos X-Men, a ideia era destruir formações de bombardeiros aliados criando um vórtice de ar que atingiria as aeronaves, desestabilizando-as e comprovando que o Lito está errado, turbulência derruba avião sim.

Esse vórtice seria gerado com... carvão em pó, pulverizado por um canhão de ar e em seguida ignit-ignacio- incendiado.

Ao menos era isso que os espiões aliados e blogueiros mais desinformados acreditam. O Canhão de Vórtice era só um acobertamento. Uma arma secreta disfarçando outras armas secretas.

A pesquisa real era algo muito mais sinistro, uma bomba termobárica, e se essa pesquisa tivesse começado antes as consequências seriam sinistras.

Esse tipo de bomba é simples, barata de ser construída, perfeitamente viável para a tecnologia da época e só perde pro Projeto Manhattan em termos de destruição.

E agora o que realmente interessa: A imagem de abertura é de uma série australiana totalmente piroquinha das ideias chamada Danger 5, aonde um grupo de heróis combate... Adolf Hitler, em uma paródia de seriados japoneses, entre outros, tudo feito com orçamento de conserto de geladeira. Aqui a batalha final:

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários