Meio Bit » Games » Centralia, a cidade conhecida como a Silent Hill do mundo real

Centralia, a cidade conhecida como a Silent Hill do mundo real

Conheça a história de Centralia, uma cidade cujo subsolo está em chamas há décadas e que serviu de inspiração para o roteiro de Terror em Silent Hill

08/07/2020 às 16:44

Poucas coisas podem ser mais assustadoras do que uma cidade abandonada e muitas obras de ficção se valem desta ideia para tentar aterrorizar o público. Este sempre foi um dos pilares da franquia Silent Hill, mas o que nem todos sabem é que no estado da Pensilvânia, EUA, existe um lugar chamado Centralia e que devido a alguns acontecimentos, costuma ser associado aos jogos da Konami.

Centralia / Silent Hill

O cemitério de Odd Fellows, Centralia/PA.

Fundada em 1841, a cidade foi uma das muitas boomtowns surgidas no noroeste do estado, quando foi descoberto que a região contava com inúmeras minas de antracite, uma das mais puras formas de carvão. 24 anos depois, Centralia já contava com cinco destas minas, inclusive com uma ferrovia passando por lá para transportar a produção.

Mas como normalmente acontecia naquela época, a oferta de muito dinheiro atraia a atenção de pessoas dispostas a fazer qualquer coisa para enriquecer e entre elas estava uma sociedade secreta conhecida como Molly Maguires. Nascido na Irlanda, o grupo tinha como objetivo melhorar as condições de trabalho dos mineradores e aumentar seus salários. O problema é que eles usavam a violência para isso e em 1868, emboscaram e mataram o fundador da cidade, Alexander Rae.

Há quem acredite que ali o destino de Centralia foi traçado, mas de acordo com uma lenda local, o fim da cidade começou mesmo no ano seguinte. Certo dia, o padre católico Daniel Ignatius McDermott foi assaltado por três membros da Molly Maguires e indignado por aquilo ter acontecido no local que ele havia escolhido para morar, teria jogado uma praga sobre a cidade: segundo ele, chegaria o dia em que a Igreja de Santo Inácio seria a única estrutura que restaria no povoado, e embora ainda exista uma igreja por lá, não é a do padre Daniel.

Membros da Molly Maguires.

Mas tenha o sacerdote proferido tais palavras ou não, a verdade é que a Molly Maguires só desapareceu cerca de uma década depois, quando vários integrantes da gangue foram presos e enforcados em Bloomsburg. Ainda assim, Centralia então teve que lidar com diversos incêndios que a atingiam de tempos em tempos, mas se não fosse por um evento que aconteceria só em 1962, talvez nós nunca ouviríamos falar daquela cidade.

Perto de comemorar o Memorial Day, data em que os militares norte-americanos são homenageados, o conselho da cidade teve a ideia de causar um incêndio controlado no aterro sanitário que ficava ao lado do cemitério Odd Fellows. A missão ficaria a cargo de uma empresa especializada em combater incêndios e o processo teve inicio.

Num primeiro momento tudo parecia ter corrido bem, com as chamas sendo apagadas após o lixo ter sido queimado. O que aquelas pessoas não imaginavam era que um pouco do fogo se espalhou pelos túneis de uma das minas, incendiando o carvão que ainda existia por lá.

Sem que as chamas pudessem ser apagadas, os moradores de Centralia começaram a ter diversos problemas de infecções respiratórias, já que suas casas eram constantemente bombardeadas por monóxido de carbono. Ainda assim, especialistas afirmavam que a situação estava sob controle, cenário este que mudaria bastante em 1979.

Foi neste ano em que, durante uma inspeção de rotina, o proprietário de um posto de gasolina descobriu que um dos tanques subterrâneos estava com uma assustadora temperatura de 50 °C. O alerta foi aceso, mas apenas em 1981 as autoridades decidiram tomar uma atitude, depois que um garoto de 12 anos chamado Todd Domboski caiu em um buraco que se abriu no quintal da sua casa. Felizmente ele conseguiu sair com a ajuda de um primo, mas o acidente fez com que o congresso dos Estados Unidos gastasse US$ 42 milhões para tirar mais de 1.000 moradores da cidade, o que consequentemente fez com que mais de 500 construções fossem demolidas.

A vegetação foi destruída ao longo de uma faixa de 400 metros; vapor sulfuroso surge de centenas de fissuras e buracos na lama. Existem poços que se estendem talvez a seis metros abaixo: em suas profundezas, garrafas de plástico e pneus descartados derreteram. Árvores mortas, seus troncos embranquecidos jazem em montes emaranhados, tocos exalando fumaça através de centros ocos. Às vezes a fumaça escoa através da cerca do cemitério até o túmulo do avô de Lokitis, George Lokitis,” descreveu o repórter Kevin Krajick, em um artigo para a Smithsonian Magazine.

Das chamas ao cinema

Considerada a menor cidade da Pensilvânia, onde as poucas ruas que restaram não possuem mais CEPs, sem departamento de polícia ou dos bombeiros e com uma população inferior a 10 moradores, ela estava fadada ao esquecimento. O que tornou Centralia conhecida pelo mundo foi o roteiro escrito por Roger Avary para o filme Terror em Silent Hill, que foi dirigido por Christophe Gans e lançado em 2006.

No longa, Rose Da Silva (Radha Mitchell) está indo para a cidade que empresta nome ao título e foi abandonada após um enorme incêndio numa mina de carvão subterrânea. Esta foi a maneira encontrada pelo roteirista para explicar o motivo para o local ser assombrado, uma solução, digamos, mais racional para todo o ar sobrenatural que sempre pairou sobre a franquia.

Trabalhei em estreita colaboração com [o compositor] Akira Yamaoka [que foi produtor executivo do filme], que çom entusiasmo aprovou a minha história de fundo de Centralia para o filme,afirmou Avary. “No Japão existe uma longa aceitação (e expectativa) de que um anime seja diferente do mangá. A mesma ética foi aplicada aqui.

No entanto, há de se salientar que o filme é apenas vagamente baseado nos jogos e por isso não seria correto afirmar que a cidade de Silent Hill foi inspirada em Centralia. A confusão é compreensível, mesmo porque o Silent Hill: Homecoming aproveitou alguns elementos visuais criados para o longa-metragem, como a chuva de cinzas que cai enquanto jogamos ou os buracos nas ruas e que também emanam fumaça.

Porém, um incêndio subterrâneo nunca fez parte do cânone da série e quem tratou de acabar com as comparações foi o próprio criador do primeiro título, Masahiro Ito. Através da sua conta no Twitter, o game designer explicou em 2019 que “não existe uma cidade que tenha inspirado o design de Silent Hill nos jogos” e que no game vemos neve caindo do céu, enquanto que no filme são cinzas. Por fim, ele ainda afirmou que para ser honesto, estava cansado dessa história.

A rodovia do grafite

Mas além de ter servido de inspiração para o filme baseado em Silent Hill, Centralia também ficou conhecida por um detalhe bastante curioso, a Graffiti Highway. Fazendo parte da Pennsylvania Route 61, este trecho da rodovia foi fechado em 1993 devido aos estragos causados pelo incêndio no subsolo.

No entanto, mesmo com os avisos feitos pelas autoridades locais, que afirmam que o local é extremamente perigoso, podendo inclusive causar a morte, um número considerável de pessoas continuou indo até lá, só para deixar a sua marca e/ou ver os cerca de 1.200 metros da estrada que foram cobertos por grafites.

Tendo se transformado em um inusitado ponto turístico, a empresa que é dona do lugar percebeu que as visitas poderiam acabar machucando alguém e em abril de 2020 decidiu pôr um fim à peculiar rodovia. A ideia era cobrir o local com terra e esperar que a natureza faça sua parte, com a grama e as árvores que cresceram por lá apagando as pinturas que foram feitas pelos visitantes durante mais de uma década.

Quando isso acontecer, a colorida porta de entrada para Centralia permanecerá viva apenas na memória e nas fotografias. Já em relação ao fogo que continua ardendo embaixo da cidade, esse a estimativa é de que dure por pelo menos mais 250 anos.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários