Meio Bit » Games » Fortnite é a rede social da atual geração, diz Epic Games

Fortnite é a rede social da atual geração, diz Epic Games

Detalhes do processo da Epic Games contra a Apple revelam planos de transformar Fortnite em uma rede social, com o Facebook como alvo

07/09/2020 às 8:11

Para a Epic Games, Fortnite ser o jogo mais popular do momento, comprar briga com Apple e Google e mobilizar seus consumidores para uma guerra não basta: novas informações relacionadas ao processo movido contra a maçã revelam que a companhia de Tim Sweeney quer dominar a internet, transformando o jogo em uma rede social de facto.

Epic Games / Fortnite

Créditos: Epic Games

Processos legais costumam revelar informações suculentas sobre as operações de uma empresa; como exemplo temos o caso Google vs. Oracle, onde documentos enviados à corte confirmaram o rumor de que a gigante das buscas pagou US$ 1 bilhão à Apple para que o Google Search permanecesse como o motor de busca padrão do iOS.

A pendenga da Apple com a Epic Games não é diferente: nesta sexta-feira (4) a desenvolvedora anexou uma nova moção (cuidado, PDF) ao processo, como uma resposta à derrota parcial que sofreu; a juíza Yvonne Gonzalez Rogers, da Corte Distrital do Norte da Califórnia impediu temporariamente a Apple de bloquear a Unreal Engine em seus aparelhos, mas permitiu o mesmo para Fortnite.

A juíza Rogers apontou que a Epic Games não conseguiu provar a acusação de "dano irreparável" à empresa e ao mercado de games causado pelo banimento de Fortnite do iOS, apoiada no fato de que o ato poderia ser revertido facilmente; tanto a Epic quanto a Apple admitem que tudo se resolveria se a desenvolvedora revertesse a atualização que introduziu a loja alternativa para compra de microtransações, que contorna a App Store.

Esta nova moção acrescida pela Epic Games visa apresentar as supostas provas de que o banimento de Fornite foi uma ação anticompetitiva por parte da Apple, citando planos futuros para o jogo que teriam sido prejudicados pela maçã.

É aí que as coisas começam a ficar interessantes.

Epic Games / Fortnite

Créditos: Epic Games / Ronaldo Gogoni / Meio Bit

Segundo a Epic Games, Fortnite é visto não como um simples jogo pelas gerações Millenial e Z, e mais como uma rede social, e a empresa pretende investir nisso. Ela defende que os jovens hoje usam o Battle Royale como um hub geral, onde podem jogar, conversar e consumir outros tipos de mídia diversos.

A empresa dá como exemplos o show do cantor Travis Scott, que quebrou o recorde de usuários simultâneos (12,3 milhões, quase 13 vezes mais que o pico de Counter-Strike: Global Offensive, este "apenas" um jogo) e a transmissão de filmes, como o festival da Semana do Tubarão e o conteúdo exclusivo de Star Wars: A Ascensão Skywalker, que não foi veiculado em nenhum outro lugar.

A Epic cita também a série de debates We the People, veiculada dentro do jogo que discute justiça racial, em resposta à morte de George Floyd e à violência policial contra negros nos Estados Unidos; importante notar que na ocasião, a Epic Games retirou todas as viaturas de Fortnite.

No documento, a Epic Games diz que a remoção de Fortnite das plataformas Apple prejudica não só a experiência integrada do jogo, mas também os planos da empresa de posicionar o título como um "metaverso", algo que a empresa descreve como "um espaço virtual multipropósito, persistente e interativo".

Sim, Second Life me veio à mente na hora e Jogador Nº 1 na sequência, principalmente se lembrarmos que a Epic já licencia skins de personagens, veículos e locações de franquias como Marvel, DC e Star Wars.

Claro que daí a termos o planeta transsexual em Fortnite, exibindo o clássico The Rocky Horror Picture Show 24/7 como no OASIS (passagem esta que Spielberg não incluiu no filme) é um passo e tanto, mas sonhar não custa.

Epic Games / Fortnite

Fato: a Epic Games anda bem empolgada com seus planos de dominação da internet (Créditos: Epic Games)

Os alvos da Epic Games são as grandes redes sociais de hoje, em especial o Facebook, que também busca ser o hub geral para os usuários ao cobrir todas as suas necessidades na internet, seja com apps acessórios como Instagram, Messenger e WhatsApp, ou com soluções internas como Facebook Watch, Facebook Gaming e etc.

Em uma declaração anexada à moção, o CEO da Epic Games Tim Sweeney diz o seguinte:

Um dos fatores que tornam Fortnite tão especial é sua capacidade inovadora de fornecer um fórum para uma ampla variedade de experiências sociais virtuais, como shows, noites de cinema e discussões sociais e políticas, tudo em um único mundo de livre acesso.

No futuro, a Epic planeja oferecer muito mais eventos e novos recursos em Fortnite, com o objetivo final de criar o Metaverso Fortnite, um meio social completo, robusto, em tempo real, tridimensional e com seu próprio sistema econômico, onde as pessoas serão capazes de criar e se envolver em um grande número de experiências compartilhadas (...).

A vitalidade do Fortnite como um espaço social dependerá cada vez mais do acesso para usuários móveis.

Resumindo: a Epic Games quer transformar Fortnite em uma plataforma completa e com sistema monetário próprio e fechado, de modo a concorrer com todas as redes sociais e lojas de sistemas móveis, mas para isso a empresa quer que o jogo esteja presente nos celulares, tablets e computadores de outras companhias... de graça.

A desenvolvedora defende a presença garantida de Fortnite no iOS e Android (este via Google Play Store) sem que a taxa de 30% à Apple e Google seja recolhida, ou seja, busca um tratamento especial para concorrer com todo mundo.

Eu sugiro um acompanhamento à Epic Games:

batata frita / fritas

Créditos: Getty Images

O documento revela que a Epic vê a App Store como um concorrente da mesma forma que o Steam, citando que distribui Magic: The Gathering Arena de forma totalmente livre, sem impor o sistema de pagamentos da Epic Games Store às microtransações do título, a norma do iOS.

Ainda assim, Tim Sweeney exige tratamento diferenciado a Fortnite e não quer pagar um centavo às rivais, que em seu entendimento devem ser obrigadas a ceder um espacinho ao jogo sem cobrar pelo mesmo.

Embora seja um fato de que Apple e Google já cometeram diversas presepadas ao longo dos anos, a prepotência da Epic Games em exigir que Fortnite tenha cadeira cativa nas lojas digitais e não pague por ela é o cúmulo do absurdo.

Considerando que o estúdio tem a gigante chinesa Tencent como dona de 40% de suas ações, o mais lógico a fazer seria seguir os passos de Cupertino e Mountain View: desenvolver seu próprio hardware e sistema operacional móvel, que seria uma casa exclusiva para Fortnite e outros jogos do estúdio.

Por outro lado, é cedo para dizer se o plano de transformar Fortnite em uma rede social, a fim de bater de frente com Facebook, Twitter e Snapchat é algo ousado demais ou uma abordagem válida.

A empresa está interessada em oferecer uma escolha, mas resta saber se isso não faria a Epic Games se tornar no futuro um monopólio como ela acusa a Apple de ser hoje, e que a maçã no passado apontou como sendo a IBM, a "gigante malvada" que dominava o mercado de computadores.

Com informações: Kotaku

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários