Meio Bit » Games » Marvel's Avengers: o início de uma longa jornada — Review

Marvel's Avengers: o início de uma longa jornada — Review

Mesmo contando com uma série de problemas, Marvel's Avengers agrada por entregar aquilo que todos queriam: sentir-se na pele de um verdadeiro super-herói

10/09/2020 às 11:51

Há quem diga que a expectativa é a mãe da decepção e quando se trata de um jogo que promete girar em torno de alguns dos super-heróis mais populares do mundo, era natural que muitas pessoas ficassem bastante ansiosas pelo resultado final. Pois talvez tenha sido por não esperar muita coisa do Marvel's Avengers, mas apesar de uma série de probleminhas que tive que enfrentar nele, posso dizer que a sua campanha me divertiu bastante.

Marvel's Avengers

Crédito: Divulgação/Square Enix

Marvel's Avengers começa no que ficou conhecido como Dia-A, uma data em que deveria ser comemorado o lançamento de um segundo quartel-general do grupo de heróis, este em São Francisco. A ocasião também serviria para eles apresentarem seu novo “Aeroportaviões” ao mundo, o Quimera, e que seria movido por um Cristal Terrigêne.

Entre os muitos eventos marcados para a data, estava a recepção de um grupo de adolescentes que participaram de um concurso para a criação de uma história em quadrinhos dos Vingadores e caberá ao jogador assumir o papel de uma deles, a jovem Kamala Khan. O que nem a garota, nem os organizadores poderiam imaginar é que a festa seria utilizada como pano de fundo para um ataque terrorista do ex-agente da S.H.I.E.L.D. e agora vilão, Anthony "Treinador" Masters.

Mesmo com Hulk, Thor, Capitão América, Homem de Ferro e Viúva Negra fazendo o possível, eles não conseguiram evitar uma enorme explosão no Quimera, o que fez com que grande parte da cidade fosse destruída e milhares de pessoas morressem. Para piorar, a destruição do cristal faz com que uma névoa pairasse sobre o local e aqueles que sobreviveram passassem a apresentar alguns poderes, com a culpa caindo sobre uma suposta irresponsabilidade por parte dos Vingadores.

O surgimento dos Inumanos

Ainda no prólogo saberemos que o ataque não passou de uma armação orquestrada pela Ideias Mecânicas Avançadas (ou simplesmente AIM, em inglês), uma organização comandada pelo ex-cientista dos Vingadores, George Tarleton e cujo objetivo passou a ser encontrar uma cura para o que ficou conhecido como “a Doença Inumana”.

Incansavelmente perseguidos pela AIM, os Inumanos são vistos pela sociedade como uma ameaça e por isso aqueles que ainda não foram capturados fazem o possível para não serem descobertos. E entre eles está justamente a garota paquistanesa que controlamos no início do jogo, naquele que pode ser considerado o grande acerto do enredo.

Caberá a Kamala a missão de reunir os Vingadores e, ao aproveitar a inexperiência e empolgação da menina, o jogo consegue fazer uma ótima ligação entre o jogador e os personagens que nos acostumamos a ver em quadrinhos, livros e filmes. É verdade que a “jornada do herói” vivida por aquela que se tornará a Ms. Marvel é um tanto previsível, mas nem por isso deixa de ser muito bacana ver a maneira como ela reage a tudo o que está acontecendo e à forma como sua vida mudou completamente depois daquele fatídico dia.

Mas, felizmente, o Marvel's Avengers não agrada apenas por passar a ideia de como é ser um novato entre super-heróis, mas também por conseguir nos colocar na pele de nomes muito mais conhecidos. Pois aí chegamos a um dos pontos altos do título, a sua jogabilidade.

Crédito: Divulgação/Square Enix

Uma reunião de poderes

Com uma visão em terceira pessoa e entregando personagens com características tão diferentes, uma das maiores dificuldades para a Crystal Dynamics com o Marvel's Avengers seria conseguir balancear os heróis e para o bem ou para mal, o estúdio conseguiu fazer isso. O lado positivo é que cada um deles é divertido de se controlar, mesmo que alguns poderão estranhar o Hulk não acabar com praticamente qualquer inimigo com apenas um golpe ou o Homem de Ferro não voar tão rápido quanto poderia. Porém, qual a graça se os heróis estivessem no seu limite?

Mas aquilo em que o jogo realmente se destaca é na maneira como ele nos transporta para o mundo fantástico dos quadrinhos. Da força esmagadora do Gigante Esmeralda, à habilidade de usar raios a seu favor com o Deus do Trovão ou fazer chover mísseis estando a bordo de uma armadura de ferro, durante a maior parte do tempo o jogo conseguiu fazer aquilo que eu desejava, que era passar a impressão de que eu era uma das pessoas mais poderosas da Terra.

No geral os combates se resumem a alternamos entre golpes a curta e média/longa distância, ou ativarmos uma das três habilidades especiais que carregam com o passar do tempo, isso independentemente do personagem que estivermos controlando. Ainda assim, é muito legal ir desbloqueando a árvore de habilidade deles como desejarmos e ver outros três heróis lutando contra diversos robôs enquanto sobrevoamos o campo de batalha como o Thor, ou evitar ser identificado ao acionarmos o poder de invisibilidade da Viúva Negra.

Com a sua dinâmica lembrando muito o que vimos nos filmes, em quase toda a campanha principal estaremos sob enorme pressão, com explosões ocorrendo por todos os lados e a aventura nos colocando em situações extremas. Em algumas missões ainda poderemos escolher qual personagem controlar e até contar com a ajuda de três amigos, mas aí entra outro aspecto que poderá não agradar alguns.

Crédito: Divulgação/Square Enix

Fortemente inspirado por jogos como Destiny ou Warframe, Marvel's Avengers foi pensado como um Jogo como Serviço (ou GaaS, na sigla em inglês), o que significa que ele deverá continuar sendo atualizado e abastecido com conteúdo por algum tempo. Sendo assim, você pode esperar muito grind para conseguir os melhores equipamentos, refazer algumas missões para ajudar outras pessoas e é claro, lojas in-game que parecem estar sempre buscando chegar ao fundo dos nossos bolsos.

Algo que ameniza a presença das microtransações é o fato que elas servem apenas para itens cosméticos, como roupas, placas de identificação, golpes finalizadores ou poses de exibição, sendo que eles podem ser adquiridos com créditos que recebemos ao jogar. O problema é que muito destes itens custam absurdamente caro e para quem gosta de ter acesso a tudo o que o jogo tem a oferecer, demorará muito até conseguir a quantia necessária.

Já para nos manter interessados no título mesmo após terminarmos a sua campanha (que dura cerca de 12 horas), há a renovação diárias de missões e objetivos, como derrotar um determinado número de inimigos ou executar tantos especiais. Há ainda a promessa de que novos heróis serão adicionados gratuitamente com o passar do tempo e desde que eles cheguem com algumas missões inéditas, isso deverá aumentar consideravelmente a vida útil do game e torná-lo bem mais interessante.

Crédito: Divulgação/Square Enix

A inconsistência técnica

Falar sobre a parte visual do Marvel's Avengers é ter que passar por uma grande montanha-russa. Em se tratando dos gráficos, eu fiquei bastante satisfeito com os cenários, que podem variar de fases num deserto a uma grande cidade como Nova York, passando por florestas e instalações da AIM. Mesmo não trazendo nada fora do comum, as paisagens são bonitas e bem detalhadas, servindo para um jogo do gênero.

Infelizmente, o mesmo não pode ser dito em relação aos personagens. Embora seus rostos tenham ficado muito melhor do que os primeiros modelos mostrado pela desenvolvedora, eles estão bem longe do que poderíamos esperar de um fim de geração. Com animações fracas e parecendo bonecos de cera, o pacote é terrivelmente fechado por cabelos nada naturais, numa demonstração de que faltou bastante dedicação por parte da equipe artística.

Por outro lado, jogando em um Xbox One X e com a configuração definida para 4K, eu fiquei bastante surpreso com o desempenho do jogo, não tendo conseguido notar quedas significativas na taxa de frames, mesmo quando existia uma grande quantidade de personagens na tela. Por se tratar de um jogo de ação e com fases abertas, eu esperava que o título sofreria nos consoles, mas ao menos no caso do aparelho mais potente da Microsoft, não foi o caso.

Passando então para o áudio, há de se elogiar a dublagem feita no Brasil. No geral, o desempenho é muito bom, pois mesmo com um ou outro personagem parecendo um tanto exagerado, como é o caso do Thor, em nenhum momento me senti incomodado. O Destaque positivo aqui vai para a Kamala, cuja dublagem consegue passar muito bem a empolgação da garota.

O ponto negativo nesta área fica para a localização. Embora isso esteja se tornando comum nos games, considero simplesmente absurdo o fato do jogo não traduzir o nome dos personagens, sejam eles vilões ou heróis. Mesmo jogando com legendas e dublagens em português, a todo momento ouviremos um Iron Man aqui, uma Black Widow ali, um Abomination acolá… Curiosamente, o Capitão América é chamado assim mesmo, mas não lembro de ter ouvido o seu nome mais de uma vez, já que na maior parte do tempo os outros se referem ao Steve Rogers apenas como Cap.

Na minha opinião, este é um desserviço imenso aos fãs, que por décadas viram esse pessoal ser tratado pelos seus nomes em português e se essa ideia surgiu por parte da Marvel, gostaria muito que eles revissem este conceito. Tudo bem, não é algo que chegue a estragar a experiência, mas qual a necessidade de se mexer em algo que deu certo por tanto tempo?

Marvel's Avengers

Crédito: Divulgação/Square Enix

A vingança dos bugs

Agora, se existe algo que precisa ser melhorado urgentemente no Marvel's Avengers são os muito bugs com os quais eventualmente nos depararemos. Durante a minha jogatina, por duas vezes o jogo simplesmente fechou e me jogou para a dashboard do console, já em outra em vi o meu personagem ficar caindo infinitamente no vácuo após saltar do Quinjet no início de uma missão, o que novamente me obrigou a reiniciar o título.

Houve ainda um caso em que dois personagens ficaram invisíveis durante uma cena não-interativa e mais outro em que, durante a batalha final, a dublagem simplesmente mudou sozinha para inglês. Alguns minutos depois ela voltou para português, mas foi algo que eu nunca tinha visto e que mais uma vez mostrou uma falta de maior cuidado com o produto final.

Por fim, ainda passei por algo que é odiado por muitos, que foi ter sido expulso de uma partida single-player porque a minha conexão caiu. O detalhe é que isso aconteceu enquanto enfrentava o último chefe e o desespero só não foi maior porque quando o sinal voltou, felizmente voltei no exato mesmo ponto em que estava. Até por se tratar de um GaaS, eu já deveria esperar que o game exigisse uma conexão permanente com a internet para funcionar, mas isso não diminui a frustração por quase ter perdido a progressão, muito menos faz sumir a tristeza por saber que o jogo possui um prazo de validade.

Marvel's Avengers

Crédito: Divulgação/Square Enix

Conclusão

Tenha sido por falta de orçamento, de tempo ou de ambos, atualmente esta criação da Crystal Dynamics passa a nítida sensação de que faltou polimento por parte da desenvolvedora. Há muitos detalhes que poderiam ter sido melhorados antes do jogo chegar às lojas e o que ameniza um pouco a decepção por esses problemas é o fato de que muitos títulos evoluíram absurdamente com o passar do tempo e após receberem uma maior dedicação por parte dos profissionais responsáveis por eles.

Eu não direi que me diverti coletando itens e recursos para deixar meu personagens mais fortes, não direi que curti ter que parar a jogatina para ler os muitos arquivos que encontrei pelo caminho ou para limpar o meu inventário repleto de porcarias, nem direi que gostei de não poder comprar uma roupa estilosa por ela custar três vezes mais créditos do que acumulei durante toda a história.

Mesmo assim, foi fácil encontrar diversão no game, seja na sua campanha principal, seja na realização de missões ao lado de amigos e o motivo principal para isso é a maneira como o título disponibiliza heróis tão diferentes e adorados em um único lugar. Ok, existe jogos de super-heróis melhores por aí? Sem dúvida, mas eles costumam ser dedicados a apenas um deles e se você quer ter uma variedade de poderes à sua disposição ou formar um quarteto online para massacrar vilões, valerá a pena dar uma chance ao Marvel's Avengers.

Com muito potencial para evoluir, resta saber até onde a Square Enix está disposta a investir no futuro do jogo, garantindo assim que ele seja abastecido com novidades e melhorado o máximo que puder ser. Porém, o caminho até lá exigirá uma longa caminhada.

relacionados


Comentários