Meio Bit » Games » Como o armazenamento do Xbox Series X e Series S funciona

Como o armazenamento do Xbox Series X e Series S funciona

Saiba como funciona o sistema de armazenamento do Xbox Series X e Series S, do interno ao SSD oficial, e o suporte a unidades externas

01/10/2020 às 8:00

A pré-venda do Xbox Series X e Xbox Series S já começou, mas muita gente ainda se confunde sobre como o sistema de armazenamento dos consoles funcionam.

Como a Microsoft foi explicando o recurso em pílulas, há quem não tenha entendido a relação entre o SSD interno e o cartão de expansão, ou se SSDs e HDs internos são capazes de rodar jogos da nova geração.

Microsoft / Xbox Series S e Xbox Series X

Crédito: Microsoft / Divulgação

Assim, como forma de por um fim a essa bagunça, explicamos aqui como o sistema de armazenamento do Xbox Series X e Series S funciona.

1. Como o armazenamento interno funciona?

Os novos consoles são equipados com um SSD interno customizado, uma unidade NVMe PCI Express 4.0 de armazenamento não removível (1 TB no Series X e 512 GB no Series S). A Microsoft optou por esse caminho para permitir que a unidade interna fosse diretamente conectada ao chip integrado, aumentando assim a velocidade de leitura dos dados.

Uma conexão integrada, que é ordens de magnitude mais veloz do que um slot de expansão, permite aos novos consoles executar multitarefa real (vários jogos carregados na memória ao mesmo tempo) e até mesmo retomar uma partida após uma atualização de sistema, ou desligar e ligar o hardware.

Isso não quer dizer que o usuário estará limitado ao espaço interno para todo o sempre: o Xbox Series X e o Series S suportam expansão tanto por um cartão proprietário, quanto com os bons e velhos SSDs e HDs externos, conectados via porta USB.

E foi aqui que a confusão começou, porque a Microsoft não explicou direito como isso iria funcionar.

2. Como o cartão de expansão do Xbox Series X | S funciona?

O Cartão de Expansão de Armazenamento Seagate para Xbox Series X | S (sim, esse é o nome oficial) é um pequeno SSD NVMe, desenvolvido pela Seagate em parceria com a Microsoft. Ele conta com 1 TB de espaço e se conecta aos novos consoles da Microsoft via porta proprietária.

Microsoft / Seagate / Cartão de expansão de armazenamento do Xbox Series X | S

Crédito: Microsoft / Divulgação

Assim como o SSD interno, o cartão de expansão se conecta via PCI Express 4.0 e é ligado diretamente ao chip integrado, para permitir as mesmas vantagens aos jogos instalados, independente de qual unidade.

A Microsoft priorizou a adoção de SSDs nesta geração para otimizar a performance e a velocidade de carregamento, e os que já testaram o Xbox Series X dizem que o tempo de loading para jogos do Xbox One, otimizados para rodar em 4K (ou seja, no Xbox One X) caíram radicalmente, chegando a quase 0 segundos.

No entanto, toda essa performance não vem de graça.

3. Por que o cartão de expansão é tão caro?

O preço oficial do cartão de expansão no Brasil é de R$ 2.299, pouca coisa menos caro que o Xbox Series S, que custa R$ 2.999; o Series X, por sua vez tem preço sugerido de R$ 4.999 no mercado brasileiro.

Muita gente chiou, reclamou, se debateu e etc., mas a realidade não perdoa: NVMe é uma tecnologia de armazenamento nova, e a Gen.4 adotada no Xbox Series X e Series S é ainda mais recente; logo, é cara.

Mesmo um SSD do tipo para computadores não sai por menos de R$ 2 mil.

Microsoft / cartão de expansão de armazenamento do Xbox Series X | S em funcionamento

Crédito: Microsoft / Divulgação

Adicione o fator "formato proprietário", que tende a empurrar os valores para o alto (o PS Vita que o diga) e temos o cenário atual; é possível que quando a cadeia de produção da Seagate se estabilizar os preços melhorem, mas isso vai levar tempo.

Por sorte, há outras formas de armazenar seus jogos.

4. Eu posso usar HDs e SSDs externos com o Xbox Series X | S?

Sim, mas com ressalvas, e este foi o ponto de toda a confusão criada em torno do recurso.

Tanto o Xbox Series X quanto o Xbox Series S permitem que o usuário armazene jogos das gerações anteriores (Xbox original, Xbox 360 e Xbox One) e dos novos sistemas em qualquer uma das unidades, seja o SSD interno, o cartão de expansão ou em SSDs e HDs externos, estes conectados via portas USB 3.2 (duas traseiras e uma frontal).

O pulo do gato está em onde os jogos rodam: por design, títulos da família Xbox Series só podem ser executados ou no SSD interno, ou no cartão de expansão, novamente por conta do foco em performance e velocidade.

E como as unidades externas se encaixam nesse esquema?

kelah_e / HD de 3,5" e SSD de 2,5" / Flickr

Crédito: kelah_e / Flickr

Vai funcionar assim: caso o usuário tenha um jogo salvo do Xbox Series em uma unidade externa, este será copiado para o SSD interno, ou para o cartão de expansão, quando o jogador decidir roda-lo.

O tempo de transferência de um jogo de 49 GB, como Assassin's Creed Origins, foi medido pelo site Venture Beat, usando um SSD e um HD externo, ambos com conexões USB 3.0. Estes foram os resultados:

  • De um SSD externo para o SSD interno: 2 minutos e 18 segundos;
  • De um HD externo para o SSD interno: 7 minutos e 46 segundos;
  • Do SSD interno para um SSD externo: 4 minutos e 33 segundos;
  • Do SSD interno para um HD externo: 10 minutos e 36 segundos.

Vale lembrar que jogos das gerações anteriores podem ser carregados diretamente das unidades externas, mas fica evidente que usar um SSD externo é melhor do que um HD, graças à nova arquitetura Velocity, que privilegia unidades de estado sólido.

Para jogos do Xbox original, Xbox 360 e Xbox One, nada muda: o usuário poderá armazena-los e carrega-los diretamente das unidades externas, sem precisar copia-los. Mas claro, salva-los na memória interna ou no cartão de expansão lhes confere vantagens significativas.

Conclusão

Microsoft / cartão de expansão de armazenamento Seagate

Crédito: Microsoft / Divulgação

Quem está planejando comprar o Xbox Series X ou o Series S, mas não pretende adquirir o cartão de expansão agora poderá fazer uso de HDs e SSDs externos, para armazenar tanto os jogos da geração atual quanto das anteriores. A diferença é que os títulos novos terão que ser transferidos para a memória interna para rodar.

No entanto, é altamente recomendado que neste caso, o jogador dê preferência a um SSD externo no lugar de um HD, visto que a velocidade de transferência é bem menor; o problema novamente é o custo, uma unidade de 1 TB custa em torno de R$ 750.

Ainda assim, ao menos há opções.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários